Participamos do

Ferroviário é atropelado pelo Paysandu e dá adeus a sonho do acesso

Fora de casa, Tubarão é derrotado por 3 a 0 e fica mais próximo da zona de rebaixamento do que do G-4
20:10 | Nov. 22, 2020
Autor Davi César
Foto do autor
Davi César Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Em briga direta por uma chance de se aproximar do G-4, o Ferroviário desperdiçou mais uma oportunidade. Agora, as probabilidades de acesso se tornaram quase impossíveis e a luta passou a ser para se afastar da zona de rebaixamento à Série D do Brasileirão. Com a derrota por 3 a 0 para o Paysandu-PA neste domingo, 22, no Mangueirão, em Belém, a equipe coral fica a 6 pontos da zona de acesso e, a somente 2 pontos do Z-4.

Na reta final da terceira divisão do Brasileirão, a equipe comandada por Marcelo Vilar dá adeus a mais uma chance de disputar o mata-mata da competição. Se o início foi otimista, inclusive, com a equipe chegando a ocupar a liderança do grupo A, o returno foi atribulado, com baixas no elenco e maus resultados em campo.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

A duas rodadas do fim, dependeria de derrotas sucessivas de Manaus e Paysandu, além de vencer os próximos dois confrontos e tirar uma diferença de 12 gols no saldo. Por outro lado, está a apenas uma vitória de ser superado na tabela por Botafogo-PB e Jacuipense-BA ou Treze-PB, que se enfrentam no desfecho da rodada.

O Jogo

O confronto começou movimentado, com boas tentativas das duas equipes. A primeira tentativa de perigo partiu dos visitantes, logo no primeiro minuto de jogo. William Lira recebeu na área e mandou próximo da meta. A resposta não demorou muito. O Paysandu acelerou pelo lado direito com Tony. O lateral achou Marlon em cruzamento, mas o meia-atacante do Papão não conseguiu boa finalização.

No entanto, Marlon estava predestinado e a sorte veio no lance seguinte, aos três minutos. Collaço cruzou na segunda trave em direção a Marlon, que cabeceou forte para tirar o placar do zero em Belém. O goleiro Nícolas tentou acompanhar a pelota, mas acabou se atrapalhando e, na reposição, não conseguiu impedir o primeiro gol do adversário.

Pouco depois do gol de Marlon, a primeira substituição do jogo. Uilliam Barros reclamou de dores na coxa direita e pediu para deixar o campo, foi substituído por Vitor Feijão, aos 5 minutos. Com a vantagem construída desde o início, o Paysandu tomou as rédeas da primeira etapa, com maior tranquilidade e maior controle das ações do jogo. Aos 9 minutos, Luiz Felipe teve mais uma boa chance para concluir em gol, mas desperdiçou com chute forte para fora.

Apesar de leve superioridade, o Ferrão não ficou apático e buscou jogo a todo momento, apostando sobretudo nos contra-ataques em velocidade. Aos 13 minutos, a equipe coral balançou as redes, mas já não valia mais nada. Neilson arriscou chute cruzado de fora da área e acabou acertando os pés de William Lira, que estava em posição irregular.

A equipe de Marcelo Vilar ficou mais acesa após o lance. Chances não faltaram para arrancar o empate, mas a falta de efetividade na construção ofensiva de jogadas coletivas impediam o Tubarão de avançar com mais propriedade.

Apesar das dificuldades, o Ferroviário emendou sequência de três boas tentativas, com André Mensalão, aos 22, Madson, aos 23, e William Lira, aos 24. Todas sem sucesso. Nas duas primeiras chances, o goleiro Paulo Ricardo garantiu boas defesas, enquanto na terceira, o atacante mandou a bola para fora.

A partida seguia com equilíbrio e novas chances construídas, até os 35 minutos de jogo, os times haviam finalizado a mesma quantidade de vezes, 6 bolas para cada lado, mas os donos da casa obtinham maior sucesso ao administrar o placar, com mais controle de bola e linha defensiva alinhada, de modo a interceptar a maior parte das ofensivas da equipe cearense.

A cadência do jogo foi diminuindo nos minutos finais da primeira etapa. Até quando PH arriscou de longe, aos 40 minutos, testando a flexibilidade do goleiro Nícolas, que acompanhou a movimentação da bola enquanto a mesma saía por fora, pelo lado direito na trave. A última tentativa antes do intervalo foi do Paysandu. O atacante do Papão foi ousado e tentou chute do meio de campo. O xará Nícolas, no entanto, defendeu com tranquilidade, sem maiores problemas.

Na volta do intervalo, o roteiro foi semelhante ao do primeiro tempo. Melhor para o Papão. Aos 3 minutos, Marlon se infiltrou pelo lado esquerdo da pequena área, tentou passar a bola adiante, mas, na tentativa de interceptação do zagueiro Vitão, recebeu de volta e mandou para o fundo das redes. De novo ele, para ampliar o placar para o bicolor para 2 a 0.

O gol novamente no início acanhou o Peixe. A queda de ritmo foi evidente e o rival alargou a superioridade que já mantinha desde o começo do jogo. Como se as adversidades já não fossem suficientes para o Ferrão, o Papão não diminuiu o ritmo e aumentou a vantagem. Aos 10 minutos, Collaço cruza alto da esquerda. Bola passa pelo atacante Nícolas, mas alcança mesmo Vitor Feijão, que dominou com o peito e mandou com segurança para marcar o terceiro gol, sem chances de defesa para o goleiro do Tubarão.

Aos 14 minutos, em contra-ataque, a equipe paranaense quase faz o quarto, quando Vitor Feijão tocou de calcanhar para Marlon, que encheu o pé por cima do travessão de Nícolas. Aos 21 minutos, Micael trombou com Jean e ambos os jogadores precisaram ser atendidos em campo.

Sob forte chuva em Belém, o Ferroviário ainda teve duas boas chances até o apito final. Luiz Henrique recebeu na esquerda, aos 31 minutos, e mandou um chutaço perto do gol de Paulo Ricardo. Mesmo com dificuldades impostas pelas poças de água no campo e pouca drenagem, o Ferrão chegou com Reinaldo, aos 46, que chutou forte para o goleiro do Papão garantir novamente uma boa defesa.

FICHA TÉCNICA

Paysandu

4-3-3: Paulo Ricardo; Tony, Perema, Micael, Bruno Collaço (Diego Matos); Uchôa, PH (Serginho), Luiz Felipe (Alan Calbergue); Marlon , Uilliam Barros (Vitor Feijão) (Debu), Nicolas.

Técnico: João Brigatti

Ferroviário

3-5-2: Nícolas; Vitão, Jean, Marcelo Amaral; Neilson (Reinaldo), Diego Lorenzi, Lucas Hulk (David), André Mensalão (Luiz Henrique), Madson; Esquerdinha (Adriano Paulista), Willian Lira.

Técnico: Marcelo Vilar.

Gols

Paysandu: 3MIN/1T - Marlon; 4MIN/2T - Marlon; 10MIN/2T - Vitor Feijão.

Cartões

Cartões amarelos: Bruno Collaço (Paysandu) e Madson (Ferroviário).

Arbitragem

Árbitro: Leonardo Sígari Zanon-PR
Assistentes: Luciano Roggenbaum-PR e João Fabio Machado Brischiliari-PR

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente