PUBLICIDADE
Cearenses
NOTÍCIA

Arbitragem da discórdia: Ceará reclama de gol anulado; Fortaleza, a marcação do pênalti

Técnicos dos dois clubes bateram forte na arbitragem após o empate em 1 a 1. Argel viu "erro grotesco" no gol anulado. Ceni se queixou do pênalti marcado e viu arbitragem mal intencionada.

Bruno Balacó
09:53 | 02/02/2020
Rogério Ceni em lance de reclamação pelas marcações da arbitragem do Clássico-Rei.
Rogério Ceni em lance de reclamação pelas marcações da arbitragem do Clássico-Rei. (Foto: FÁBIO LIMA/O POVO)

Igualdade no placar e na insatisfação generalizada com a arbitragem. As queixas contra atuação do árbitro potiguar Pablo Ramon Pinheiro e dos assistentes João Marcelo dos Santos (RN) e Lourival Candido das Flores (RN) ditaram o clima do pós-jogo de Fortaleza 1x1 Ceará, disputado neste sábado, na Arena Castelão, pela segunda rodada da Copa do Nordeste.

No lado alvinegro, a bronca maior foi pelo gol anulado na reta final do jogo, em que o atacante Rick recebe em posição legal e avança até finalizar para as redes. O técnico Argel Fucks classificou o lance como um “erro grotesco do bandeira” e cobrou a presença do Árbitro de Vídeo na Copa do Nordeste. Segundo o treinador, se a partida contasse com o VAR, o gol teria sido validado e o Ceará teria vencido a partida.

“A arbitragem deixou muito a desejar. Muito a desejar. Faz tempo que a arbitragem tá complicada. Tivemos um gol legítimo do Rick. Não sei por que não tem o VAR. Copa do Nordeste deveria ter VAR. A Copa do Nordeste tem grana, tem condição financeira. Poderia colocar o VAR. Aí o jogo seria 2 a 1”, afirmou Argel, na coletiva de imprensa.

Já os tricolores também saíram de campo tecendo fortes críticas à arbitragem. Na coletiva de imprensa, o técnico do Fortaleza, Rogério Ceni, chegou a sugerir que o trio de arbitragem foi tendencioso nas marcações ao longo da partida, sobretudo com a marcação do pênalti nos acréscimos da partida, após jogada de cabeceio de Rodrigão, em que a bola bateu no braço do zagueiro Quintero, que acabou expulso.

"Vimos um árbitro com tamanha convicção, com tamanho tesão, para dar um pênalti sem VAR, sem nada. A arbitragem tava em polvorosa para marcar e levantar a bandeira contra a gente e dar uma pênalti pra gente", reclamou Ceni, que se queixou ainda de um lance que, na visão dele, o zagueiro Klaus deveria ter sido expulso, após carrinho por trás, próximo da entrada da área, aos 36 minutos do primeiro tempo. "Foi um lance claríssimo de expulsão. Só pela falta em si, já para expulsão, independente da localização da jogada, era para ter sido expulso, por ter sido na direção do gol. Só ali já era para ter ficado 11 contra 10”, finalizou.

Confira os melhores momentos de Fortaleza 1x1 Ceará:

Crédito das imagens: Canal Oficial da Copa do Nordeste no Youtube