PUBLICIDADE
Ceará Sporting Club
NOTÍCIA

Fortaleza tem maioria nordestina no elenco; Ceará prefere investir em atletas do Sul e Sudeste

Levantamento do Esportes O POVO faz um raio-x geográfico das origens dos jogadores de Vovô e Leão

10:33 | 09/01/2020
Ceará e Fortaleza assumem posturas diferentes na hora de olhar para o mercado brasileiro em busca de jogadores
Ceará e Fortaleza assumem posturas diferentes na hora de olhar para o mercado brasileiro em busca de jogadores (Foto: Júlio Caesar/O POVO)

O futebol brasileiro pode ser considerado um grande arremedo geográfico. Em um país com mais de 742 clubes profissionais e 7.048 jogadores com contratos ativos, segundo “pesquisão” divulgado pela CBF em 2019, é regra que os atletas se desloquem por todos os estados da federação em busca de uma oportunidade no mundo da bola.

Essa é uma realidade se aplica perfeitamente a Ceará e Fortaleza. Mesmo sendo clubes de maior abrangência regional, os dois disputam a Série A e atraem atletas de todo o Brasil em busca de uma vitrine em equipes organizadas e que estão em ascensão no futebol do país. Esportes O POVO fez um levantamento, fechado na manhã de quinta, 9, sobre as origens dos atletas dos dois principais times do Estado, e o resultado pode ser conferido a seguir.

Se existe uma comparação entre Vovô e Leão para saber qual dos dois se atém mais às suas “raízes”, com certeza o lado tricolor levaria o troféu. No atual elenco do Fortaleza, dez dos 21 atletas brasileiros são nordestinos. Os cearenses são maioria: Bruno Melo, Felipe, Edson Cariús, Ederson e Osvaldo. Os piauienses Romarinho e Matheus Inácio também representam o Nordeste, além do baiano Paulão, do potiguar Romarinho e do maranhense Kennedy.

No Ceará, a realidade é um pouco mais pra parte de baixo do país. O Sudeste domina o plantel alvinegro, que hoje é formado por 29 jogadores, excluindo os das categorias de base que foram integrados ao time principal e os que estão devem deixar o clube, mas ainda não oficializaram suas saídas.

No total, são seis atletas do Rio de Janeiro, cinco de São Paulo e um de Minas Gerais. Mas nenhum desses estados é o que mais predomina. Porangabuçu tem sete gaúchos, quantidade maior do que qualquer outro gentílico. Os sulistas são acompanhados por mais três paranaenses.

Ao contrário do que acontece no Leão, o Nordeste não é tão forte na equipe já formada pelo Ceará nestes primeiros dias de janeiro. Apenas seis jogadores da região compõem o elenco, enquanto o Sudeste tem exatamente o dobro desse número. As contratações de Sérgio Dimas e Jorge Macêdo para os cargos de gerente e executivo de futebol podem ter uma influência nessa relação. O primeiro construiu sua carreira no Rio de Janeiro e em São Paulo, enquanto o segundo ocupou já cargo no Internacional.

Apesar de Jorge Macêdo ser conhecido por garimpar o mercado sul-americano, o Ceará ainda não conta com nenhum jogador estrangeiro. O Fortaleza, pelo contrário, possui dois atletas em seu elenco que “hablan”: o colombiano Juan Quintero e o argentino Mariano Vásquez. Até o momento de fechamento desta matéria, o Leão só anunciou o atacante Edson Cariús como reforço para a temporada de 2020.

Enquanto o Fortaleza olha mais para os Nordeste e o Ceará se concentra no Sul e no Sudeste, existem mercados ainda pouco explorados pelos dois times. No Vovô, por exemplo, há apenas um jogador paraense e nenhum do Centro-Oeste do país. O Leão inverte a lógica: nenhum atleta do Pará e só dois centro-oestinos. Caso invistam em um olhar mais clínico para essas regiões, talvez os clubes consigam garimpar talentos pouco explorados por outras equipes do Brasil.

Confira os estados e regiões que mais predominam nos elencos de Ceará e Fortaleza:

Ceará

Estados:

RS (7x)
RJ (6x)
SP (5x)
PR (3x)
PB, AL, CE, PA, MG, BA, MA, PE (1x)

Regiões:

NO: 1x
NE: 6x
SE: 12x
SU: 10x
CO: 0x

Fortaleza

Estados:

CE (5x)
SP (4x)
RS, PR, PI (2x)
MT, BA, RJ, RN, GO, MA (1x)

Argentina (1x)*
Colômbia (1x)*

Regiões:

NO:
NE: 10x
SE: 5x
SU: 4x
CO: 2x