PUBLICIDADE
Ceará Sporting Club
NOTÍCIA

"Estava numa pressão comigo mesmo", diz Leandro Carvalho após encerrar jejum de gols de três meses

Segunda maior compra do Ceará e do futebol cearense, - R$ 3,6 milhões -, o atacante vinha fazendo jogos abaixo da expectativa

16:07 | 22/07/2019
Leandro Carvalho marcou para o Ceará contra o Palmeiras
Leandro Carvalho marcou para o Ceará contra o Palmeiras (Foto: Julio Caesar/O POVO)

Após mais de três meses, Leandro Carvalho voltou a balançar as redes pelo Ceará. O último gol do atacante foi na vitória elástica por 4 a 0 diante do CSA, na primeira rodada da Série A do Campeonato Brasileiro.

Segunda maior compra do Ceará e do futebol cearense, - R$ 3,6 milhões -, o atacante vinha fazendo jogos abaixo da expectativa. Com as más atuações, acabou parando no banco de reservas e viu a cobrança aumentar.

A principal pressão pelo retorno ao bom futebol vinha do próprio Leandro. "Eu estava numa pressão particular comigo mesmo. Não estava correspondendo o esperado, mas que estava no dia a dia, no trabalho, via que estava me cobrando. Pedia treino para treinar mais um pouco. Com isso, vem a resposta dentro de campo, entrando e fazer o gol", comentou o atleta em coletiva de imprensa nesta segunda-feira, 22, no Porangabuçu.

O atleta também ressaltou a confiança do técnico Enderson Moreira em seu futebol. O atacante contou que o treinador costuma conversar com todos do elenco e reforçar a importância de cada um, mesmo que esteja no banco de reservas.

"Sempre conversa com todos nós e passa confiança. Ele explica o motivo, chega com cada um, explica o motivo porque estamos no banco. Cobra da maneira correta o que a gente precisa fazer para melhorar. E acaba passando confiança pra gente. Ele sempre fala: 'às vezes, não é quem está dentro de campo que resolve, mas quem está no banco'", disse o dono da camisa 82.

OUÇA O NOVO EPISÓDIO DO FUTCAST:

Listen to "FutCast #63 - Ceará e Fortaleza: para que serviu a pausa da Copa América?" on Spreaker.

ASSISTA AO NOVO VÍDEO DO NA PRANCHETA:

Lucas Mota