Desembargador livra Ceará de responsabilidade em briga judicial envolvendo o CT do clubeCeará Sporting Club | Times | Esportes O POVO
PUBLICIDADE
Esportes


Desembargador livra Ceará de responsabilidade em briga judicial envolvendo o CT do clube

A polêmica envolve o diretor de Patrimônio do Ceará, Ângelo Oliva, e a empresa Exata.

19:20 | 18/12/2018
NULL
NULL
[FOTO1] Na última sexta-feira, 14, O POVO noticiou briga judicial envolvendo o Ceten (Centro de Treinamento do Nordeste), em Itaitinga, na Região Metropolitana de Fortaleza, onde hoje é o Centro de Treinamento (CT) Cidade Vozão, que pertence ao Ceará. Em decisão diante de uma medida cautelar incidental tendo como requerente a empresa Exata, de 18 de novembro de 2018, a juíza Ana Raquel Colares dos Santos, da 26ª  Vara Cível (SEJUV VII) deferiu a tutela e determinou que os pagamentos realizados pelo Ceará devem ser feitos em juízo. Porém, nesta terça-feira, 18, o desembargador Jucid Peixoto de Amaral, do Tribunal de Justiça do Ceará, suspendeu tal medida, livrando o Alvinegro de qualquer responsabilidade no caso.

Na decisão, a qual O POVO teve acesso, o desembargador afirmou: "não vislumbro fundamento em obrigar terceiro de boa-fé, que não compõem a relação processual, em pagar valor substancial." O terceiro é justamente o Ceará Sporting Club.

ENTENDA O CASO
Em 2014, no ano do centenário do clube, o Ceará anunciou a compra do Ceten (Centro de Treinamento do Nordeste), em Itaitinga, na Região Metropolitana de Fortaleza. O vendedor foi o empresário Ângelo Oliva (pessoa física), hoje diretor de patrimônio do Alvinegro. Desde então o clube realiza pagamentos mensais a ele para quitar o empreendimento. Restam oito prestações de R$ 110 mil (o total da negociação é de cerca de R$ 6 milhões).

Nesta sexta-feira, 14, uma briga judicial entre a Antares Investimentos Imobiliários, que tem Ângelo Oliva como um dos representantes legais e a Construtora e Incorporadora Exata tornou-se pública. A Exata alega que deveria ter recebido da empresa Antares a quantia de R$ 1 milhão até o dia 20 de novembro de 2018 (atualizado, o débito está em cerca de R$ 1,6 milhões). Assim, requereu para a justiça, em processo que move contra a  que os pagamentos que o Ceará faz para a quitação do Ceten sejam realizados em juízo, sem que o valor vá para qualquer uma das partes.

Em decisão diante de uma medida cautelar incidental tendo como requerente a empresa Exata, de 18 de novembro de 2018, a juíza Ana Raquel Colares dos Santos, da 26ª  Vara Cível (SEJUV VII) deferiu a tutela e determinou que os pagamentos realizados pelo Ceará deveriam ser feitos em juízo.

Na ocasião, o diretor Jurídico do clube, Jamilson Veras, garantiu que o clube não teria qualquer prejuízo em virtude da briga judicial. "Em relação as empresas envolvidas no processo, a gente não fez negócio nem com a notificada e nem a notificante. E a gente [Ceará] não comprou delas. O Ceará Sporting Club não tem nada a ver com o negócio. Não adianta tentar pressionar, usar meios de tentar pressionar pra dizer que tem riscos de problemas com relação ao Ceará, ao equipamento do Ceten, isso não vai acontecer", garantiu Jamilson.

TAGS