Participamos do

Conheça a estratégia do Santos para fazer caixa e resolver as pendências urgentes

O presidente do Peixe, Andres Rueda, tenta convencer empresário a darem uma espécie de crédito ao clube por meio de um banco
08:40 | Jun. 01, 2021
Autor Gazeta Esportiva
Foto do autor
Gazeta Esportiva Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O Santos organiza uma captação de recursos financeiros para resolver dívidas urgentes de curto prazo. O objetivo é colocar em prática esse funding nos próximos dias.

A ideia da gestão de Andres Rueda é convencer empresários santistas a viabilizarem uma espécie de linha de crédito para o Peixe por meio de um banco.

Esses santistas ricos aplicariam determinado valor numa instituição em troca de um rendimento igual ou até maior. E o banco faria um "crédito especial" ao Santos com juros baixos.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Dessa forma, o Peixe teria capacidade de pagar na frente pelo empréstimo e o banco teria a segurança de receber pois o dinheiro na "poupança" é do associado do clube.

A intenção do Santos é obter o aval do Conselho Deliberativo ainda em junho. Todos os pagamentos seriam legais, amparados pela instituição bancária e mostrados aos conselheiros.

O Santos quer esse funding para quitar dívidas menores e evitar atrasos para não ser multado. A intenção é ter um fluxo de caixa imediato para não ficar refém no dia a dia e poder arcar com os salários.

Outros débitos, porém, causam maior preocupação e podem não ser resolvidos por meio dessa linha de crédito: Doyen Sports, Krasnodar (RUS) e Barcelona (ESP).

O Peixe não pagou a última parcela de 5 milhões de euros (R$ 32 mi) para a Doyen em setembro de 2019, ainda com José Carlos Peres. O calote rendeu uma multa de 10 milhões de euros (R$ 64 mi) prevista no acordo de Modesto Roma. O débito total é de cerca de R$ 100 milhões.

A Doyen bloqueia as contas do Santos e recebe qualquer novo valor imediatamente. Ou seja, o dinheiro da venda de determinado jogador iria diretamente para a empresa de Malta.

Sobre Cueva, o Santos de Peres não pagou a primeira parcela da chegada do peruano, no valor de R$ 8 milhões. O total pelo meia foi acertado em 7 milhões de dólares (R$ 26 mi) em quatro pagamentos anuais.

Surpreendido pela ida de Cueva ao Pachuca (MEX), o Santos levou o caso para a Fifa, mesma coisa que o Krasnodar fez por não receber do Peixe. O Pachuca foi condenado a pagar R$ 37,6 milhões ao Santos, recorreu e o tema se arrasta nos tribunais. O Krasnodar, alheio a isso, manteve a queixa que pode gerar nova punição ao Alvinegro.

Depois do Pachuca, Christian Cueva foi para o Malatyaspor, da Turquia, e agora está no Al-Fateh, da Arábia Saudita. O Santos teme que a decisão a favor do Krasnodar saia antes da punição aos mexicanos e busca um acordo antecipado. O Peixe poderia ficar sem contratar e até perder pontos no Campeonato Brasileiro a partir da próxima janela de transferências, em agosto.

Por fim, o Santos precisa se resolver com o Barcelona. O Peixe tem que pagar 3 milhões de euros (R$ 19,2 mi) ao clube espanhol por não respeitar a prioridade por Gabriel Barbosa, hoje no Flamengo. Na venda de Neymar, o Alvinegro cedeu a preferência e não notificou os catalães antes da negociação com a Internazionale em 2016.

O Barcelona devia 4,5 milhões de euros (R$ 29 mi) ao Santos por não realizar o amistoso combinado na venda de Neymar. O Peixe, porém, perdeu o prazo para judicializar. Com o amistoso "caducado", o Alvinegro perdeu a chance de trocar uma dívida pela outra. Esse caso também está na Fifa.

O Santos tenta evitar novas punições na federação internacional para não ser novamente proibido de registrar atletas ou até perder pontos no Campeonato Brasileiro.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags