PUBLICIDADE
Esportes

Números e história corroboram favoritismo da Bélgica contra Japão

Desde a última Copa do Mundo, a tão renomada ?geração belga? tenta levar para dentro de campo todo o alarde que traz consigo diante dos grandes talentos individuais que tem à disposição. Na Rússia, enfim, a seleção aparentemente conseguiu superar a desconfiança, reinando soberana na fase de grupos e chegando como franca favorita nas oitavas [?]

10:30 | 02/07/2018

Desde a última Copa do Mundo, a tão renomada ?geração belga? tenta levar para dentro de campo todo o alarde que traz consigo diante dos grandes talentos individuais que tem à disposição. Na Rússia, enfim, a seleção aparentemente conseguiu superar a desconfiança, reinando soberana na fase de grupos e chegando como franca favorita nas oitavas de final diante do Japão, algo comprovado nos números.

A tradição de ambas as seleções em Copas já dá indícios de que se existe mesmo um favorito em âmbito histórico, esse alguém é a Bélgica. Enquanto a seleção europeia disputa seu 13º mundial, o Japão chega na Rússia com cinco participações no currículo. A relevância e a discrepância nos resultados recentes de ambos ainda se justifica pelas colocações no ranking da Fifa. Os comandados de Roberto Martínez ocupam o terceiro lugar, já os asiáticos o 61º.

O desempenho no Mundial de 2018 ajuda a corroborar ainda mais o favoritismo da seleção belga no confronto desta segunda-feira, na Arena Rostov, às 15h (de Brasília). Diante de Panamá, Tunísia e Inglaterra, Hazard, Lukaku e companhia marcaram nove gols e sofreram apenas dois. Do outro lado, os companheiros de Shinji Kagawa, principal destaque japonês, possuem uma campanha de quatro gols feitos e quatro sofridos.

Conhecida por seu estilo de jogo ofensivo e de troca de passes em busca da transição rápida, a Bélgica demonstrou, enfim, que conseguiu unir em um coletivo forte diversos destaques individuais. Na atual edição, os chutes são um exemplo das diferentes propostas de jogo. A seleção comandada por Martínez não só arremata muito mais que a de Akira Nishino, como também corre mais. Porém, o número na precisão dos passe se equivale.

Gazeta Esportiva

TAGS