PUBLICIDADE
Esportes

O cara do jogo: Hannes Halldórsson

O goleiro Hannes Halldorsson fez, provavelmente, a partida da sua vida na tarde deste sábado, em Moscou, na estreia da Islândia em Copas do Mundo. Encarando logo de cara a Argentina de Lionel Messi, o arqueiro fez a diferença, pegou um pênalti batido pelo camisa 10 e foi o grande destaque do empate por 1 [?]

12:30 | 16/06/2018

O goleiro Hannes Halldorsson fez, provavelmente, a partida da sua vida na tarde deste sábado, em Moscou, na estreia da Islândia em Copas do Mundo. Encarando logo de cara a Argentina de Lionel Messi, o arqueiro fez a diferença, pegou um pênalti batido pelo camisa 10 e foi o grande destaque do empate por 1 a 1 do pequeno país europeu com a equipe de Jorge Sampaoli.

Aos 34 anos, o jogador do pequeno Randers, da Dinamarca, não teve o começo que esperava para a partida. Ainda segura na partida, a defesa vacilou pela primeira vez aos 19 minutos, deixando Sergio Aguero dominar dentro da grande área. O centroavante girou e bateu forte, no ângulo, sem chances de defesa para aquele que seria o grande destaque do confronto.

Lá da sua meta, Halldorsson viu a Islândia deixar tudo igual pouco depois, com Finnbogason, aumentando sua responsabilidade de segurar ao menos um ponto para o seu país. E a missão dada para o gigante islandês foi cumprida à risca.

No segundo tempo, em meio às seguras intervenções, sem dar rebote, ele viu Meza ser derrubado na área e acabou com Messi de frente para si, em cobrança de pênalti. Quem ficou grande no duelo com um dos maiores jogadores da história foi o próprio Halldorsson, que leu muito bem o chute do canhoto e espalmou a penalidade cobrada em seu canto direito.

O arqueiro, que também trabalha como diretor de cinema em seu país, ainda teve tempo de evitar um gol em cruzamento de Pavón, defendido com maestria em seu canto esquerdo. No último lance, já se preparava para fazer nova defesa em falta de Lionel Messi, mas viu a tentativa final de Messi parar na sua barreira.

Dono de carreira modesta e provavelmente disputando seu único Mundial da carreira, Halldorson já sabe que, quando voltar da Dinamarca, tem emprego assegurado em seu país. Antiga empregadora do astro islandês, a produtora Sagafilm disse ter um cargo reservado para ele assim que ele voltar para sua terra natal.

Gazeta Esportiva

TAGS