PUBLICIDADE
Esportes

Há 56 anos, seleção brasileira era bicampeã do mundo

Com show de Garrincha, Pelé contundido, Amarildo "possesso", arbitragem polêmica e jogo de bastidores, Brasil consolidou estilo de jogar futebol

18:27 | 17/06/2018
Garrincha segura a taça diante de multidão admirada
Garrincha segura a taça diante de multidão admirada
[FOTO1]
Há 56 anos, em 17 de junho de 1962, a seleção brasileira se sagrou bicampeã do mundo. Foi a última vez que uma equipe conquistou duas copas do mundo consecutivamente. Disputado no Chile, aquele ficou marcado como o Mundial que Garrincha decidiu.
 
 
O time mantece a base do título mundial de 1958, mas envelhecido quatro anos. Já com status de maior estrela planetária, aos 21 anos, Pelé saiu machucado no segundo jogo, contra a Tchecoslováquia, depois de ter marcado golaço na primeira partida.
 
[VIDEO1] 

Coube então a Garrincha assumir o protagonismo e conduzir o Brasil ao título.
 
[VIDEO2] 

Colaborou para isso o substituto de Pelé, Amarildo, que ganhou de Nelson Rodrigues o apelido de "possesso".
 
[VIDEO3] 

Ao lado deles, uma constelação de craques campeões do mundo na Suécia, como o goleiro Gilmar, o craque da lateral-direita Djalma Santos, o gênio da lateral-esquerda Nilton Santos - que se tornou o mais velho campeão pelo Brasil, aos 37 anos - além de Didi, cérebro do time e craque da Copa de 1958, o artilheiro Vavá e Zagalo, que jogou como nunca. Zito era a disciplina no meio. Na defesa, Mauro e Zózimo formaram uma das zagas mais técnicas que o Brasil já teve em mundiais.

O título teve, porém, suas polêmicas. Contra a Espanha dos craques Puskas e Gento, o Brasil fez uma de suas partidas mais difíceis. O atacante Enrique Collar partiu para cima de Nilton Santos e se jogou dentro da área. A imagem (beja abaixo) mostra que não foi falta, mas o juiz marcou. Porém, o lateral brasileiro deu dois passinhos para fora da área. O juiz, ao chegar ao local, deu falta e não pênalti. Dois erros em um lance. Para piorar, na cobrança de falta, Puskas marcou de bicicleta, mas o gol legal foi anulado com justificativa de jogo perigoso. O Brasil venceu por 2 a 1, dois gols do estreante Amarildo.
 
[VIDEO4] 

Na semifinal, Garrincha foi expulso pela primeira e única vez na carreira. Ele deu um pontapé na bunda do adversário. Mesmo assim, jogou a final. A suspensão não era automática e, no julgamento, o bandeirinha que era a única testemunha do lance desapareceu. Soube-se mais tarde que ele recebeu dinheiro dos brasileiros. Sem o depoimento-chave, Garrincha foi absolvido e jogou a final contra a Tchacoslováquia, vencida pelo Brasil por 3 a 1.

Com o misto de craques e jogo de bastidores, o Brasil sagrou-se campeão pela segunda vez.
TAGS