PUBLICIDADE
Esportes

Estádio onde Brasil estreou fica em bairro pobre e sujo da Rússia

Mesmo com parte da região sem saneamento ou água encanada, a Fifa não citou os problemas do local nas apresentações das cidades sedes dos jogos

14:30 | 18/06/2018
NULL
NULL
[FOTO1]
A seleção brasileira estreou nesse domingo, 17, na Copa do Mundo Rússia. O local do primeiro jogo, contra a Suíça, foi na cidade de Rostov-on-Don, localizada no sul do país. Em torno do estádio e dos locais preparados pela Fifa para turistas, uma cidade pobre, suja e de perceptível desigualdade econômica assistia ao ir e vir dos estrangeiros.

A Fifa não citou os problemas do local nas apresentações das cidades sedes dos jogos. A instituição descreveu a cidade como “moderna” e destacou a proximidade com o rio Don. Entretanto, de acordo com informações do portal BBC News, o local tem pessoas morando em barracos, sem água encanada e saneamento básico. Segundo moradores, o distrito é conhecido como “vizinhança fedida”. 

Durante preparativos para a Copa, diversas desapropriações de moradias precárias foram feitas para construção de estádios como o que sediou o jogo entre Brasil e Suécia neste final de semana. A arena Rostov custou R$ 1 bilhão e foi construída especificamente para o campeonato mundial. Ruas principais da cidade foram “colocadas em ordem”, de acordo com habitantes, mas os locais mais afastados continuam sofrendo com a falta de estrutura. 

Em 21 de agosto, cerca de 80 casas foram destruídas em um incêndio suspeito que durou quase 24 horas antes de ser contido. O prejuízo não foi somente financeiro, já que diversas famílias ficaram sem moradia, mas também físico. Foram registradas 60 pessoas feridas, um óbito e 730 afetados pelo fogo. 
 
Um mês antes, moradores afirmam ter recebido visita de homens que prometiam queimar as casas se eles não vendessem suas residências. A polícia local e o Ministério Público abriram investigação para descobrir se o incêndio foi consequência de algum crime. Até o momento, os moradores não obtiveram resposta.
 
Redação O POVO Online 
TAGS