PUBLICIDADE
Futebol
NOTÍCIA

#SomosTodosCasagrande: corrente de solidariedade é criada para defender Casagrande

Comentarista foi alvo de ataques nas redes sociais e ganhou apoio de internautas, artistas, políticos e jornalistas

18:26 | 24/07/2020
Walter Casagrande recebeu apoio nas redes sociais após ser alvo de ataques na internet (Foto: Lucas Seixas / Divulgação)
Walter Casagrande recebeu apoio nas redes sociais após ser alvo de ataques na internet (Foto: Lucas Seixas / Divulgação)

O comentarista esportivo Walter Casagrande foi novamente alvo de ataques na internet. Nesta quinta-feira, 23, torcedores destilaram ódio nas redes sociais do ex-jogador após considerarem que ele havia mudado de posicionamento sobre a retomada dos campeonatos Carioca e Paulista.

Crítico assíduo ao retorno dos campeonatos estaduais, há um mês, Casagrande considerava essa possibilidade um “7 a 1 para a ignorância”, pensava que o futebol não era prioridade no momento. Em um debate com o presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, no programa ‘Bem Amigos’, o ex-jogador disparou: “nós não temos nem ministro da Saúde e queremos voltar com o futebol”.

Há dois dias, em Stories, Casagrande se demonstrou animado com a possibilidade de voltar ao trabalho, a partir da retomada do Campeonato Paulista. “Sabe o que eu vou fazer quando o Paulistão voltar? Vou voltar a comentar jogos, vou fazer meu trabalho. Estou ansioso para isso”, disse.

Muitos torcedores consideraram que houve uma mudança na postura do comentarista, e isso bastou para que ele sofresse inúmeros ataques, principalmente em seu perfil no Instagram.

O linchamento virtual, que sofre Casagrande, também tem motivações políticas. O ex-jogador é ligado ao movimento Esporte pela Democracia, que declara oposição ao governo e reúne atletas e ex-atletas, jornalistas e artistas pela causa.

Logo, uma rede de solidariedade foi criada para defender Casagrande. A hashtag #SomosTodosCasagrande ficou por mais de um dia nos TTs Brasil. O comentarista recebeu apoio de internautas, artistas, políticos e, principalmente, jornalistas. Colegas de movimento também prestaram suporte, como o jornalista Juca Kfouri e a nadadora Joanna Maranhão.

Por Alan Melo, Especial para O POVO