PUBLICIDADE
Futebol
NOTÍCIA

Barbalha retoma negociações com o goleiro Bruno e já enviou pré-contrato

Documento só terá validade se o jogador conseguir transferência do cumprimento da pena para a comarca de Barbalha

Brenno Rebouças
15:01 | 29/10/2019
Goleiro chegou a atuar pelo Boa Esporte em 2017
Goleiro chegou a atuar pelo Boa Esporte em 2017 (Foto: Cristiane Mattos/AFP)

Com a rescisão de contrato do goleiro Bruno com o Poços de Caldas-MG, a diretoria do Barbalha agiu rápido e já enviou um pré-contrato para os representantes do jogador. Segundo presidente do clube, Lúcio Barão, as bases salariais já estão acertadas e os advogados do arqueiro agora tentam transferência do cumprimento da pena para a comarca de Barbalha.

O pré-contrato perderá validade se a transferência não for executada, mas a presidência da Raposa dos Verdes Canaviais está animada com a possibilidade do jogador vir desta vez (já tentou contratar antes).

Bruno deixou o Poços de Calda tendo jogado apenas 45 minutos devido incompatibilidade financeira. Os salários dele não estariam alinhados com a realidade do time, que disputa a terceira divisão mineira, especialmente porque ele não vinha jogando. O goleiro já estaria há dois meses sem receber salários.

O Poços de Calda contratou o ex-goleiro do Flamengo no fim de agosto, quando o Barbalha também tinha declarado interesse no jogador. O time cearense, além de se preparar para jogar novamente a primeira divisão do Estadual também tem vaga na Copa do Brasil de 2020.

A justificativa do presidente Lúcio Barão, na época da primeira tentativa de contratar Bruno, foi de que “O Barbalha ia ficar conhecido no Brasil inteiro. Não pensamos no que ele fez fora de campo, pensamos nele ajudando fora de campo, ajudando como líder, experiente, até mesmo como uma superação”.

Bruno não joga desde 2017, quando fez cinco partidas pelo Boa Esporte no Módulo II do Campeonato Mineiro. Os 45 minutos em que ele atuou no Poços de Calda foi em um amistoso.

O goleiro foi condenado pelo crime contra a modelo Eliza Samúdio e também por cárcere privado do filho em junho de 2010. Em julho de 2019, Bruno conseguiu a progressão da pena para o regime semiaberto, sendo que existe uma exigência de que ele trabalhe.