PUBLICIDADE
Futebol
NOTÍCIA

Castelão terá espaço com torcida mista no Clássico-Rei; entenda

Experiência não será aberta ao público em geral, mas servirá como teste para a criação de um setor misto no futuro

20:46 | 29/07/2019
Espaço que vai receber torcedores rivais será limitado a 40 pessoas
Espaço que vai receber torcedores rivais será limitado a 40 pessoas (Foto: O POVO)

Além de um formato diferente de distribuição das duas torcidas, que reserva 70% dos lugares do Castelão para o clube mandante e 30% para o visitante, o Clássico-Rei deste sábado contará com outra novidade. Haverá um espaço para que torcedores de Ceará e Fortaleza assistam ao jogo lado a lado.

Ainda não será um setor para torcida mista, como foi proposto antes do primeiro Clássico da atual temporada, até porque não será aberto ao público. Na verdade, dois camarotes serão disponibilizados para 40 convidados acompanhem a partida juntos.

Funcionará da seguinte forma. Ceará e Fortaleza vão convidar dez alvinegros e tricolores, respectivamente, e colocar essa duas turmas em camarotes diferentes. A partir daí, cada um dos convidados terá que convidar outra pessoa que torce para o time rival. Dessa forma, os dois camarotes terão dez torcedores de cada clube.

Quem for participar da experiência poderá utilizar a camisa do seu clube normalmente. Os detalhes para colocar tudo em prática serão discutidos na reunião de tomada de providências para o Clássico-Rei que acontece na sede da Federação Cearense de Futebol (FCF) nesta terça-feira, 30.

Juntar torcedores de clubes diferentes em um camarote não chega a ser algo inédito, já que isso costuma acontecer nos camarotes do Governo do Estado e FCF, por exemplo, mas dessa vez a ideia é iniciar uma cultura de paz que pode, futuramente, se expandir para um setor do estádio aberto ao público, como já acontece no Rio Grande do Sul.

A ideia partiu do Procurador Geral de Justiça, Plácido Rios, que convocou os clubes, a Polícia Militar, Nudtor e FCF para reunião na tarde desta segunda-feira, 29. Em pauta estavam os dados positivos de redução da violência dentro dos estádios.

Brenno Rebouças