PUBLICIDADE
Futebol
Preconceito

Ari responde declaração racista de jogador russo: "Vou continuar lutando e tentar me manter na seleção"

Jogador cearense foi vítima de racismo por parte de uma entrevista dada pelo jogador russo Pavel Pogrebnyak

15:48 | 19/03/2019
Em dezembro, Ari exibiu o passaporte russo com orgulho em Fortaleza
Em dezembro, Ari exibiu o passaporte russo com orgulho em Fortaleza

O atacante cearense Ari se manifestou sobre a declaração racista do jogador russo Pavel Pogrebnyak, que disse achar “ridículo que pessoas de cor (negra) joguem na seleção russa”. Por meio de um vídeo enviado a imprensa cearense, o atual dono do Atlético Cearense disse que está tranquilo, apesar de lamentar o ocorrido e prometeu mais empenho para se manter no selecionado da Rússia.

"Foi uma cena lamentável. Eu já tinha passado por situações parecidas dentro de campo, mas não partindo de um jogador de futebol. Estou tranquilo, isso só faz me fortalecer cada vez mais para eu continuar lutando pelos meus objetivos. Estou bem no meu time (Krasnodar), sou o artilheiro (com 9 gols) e por isso me convocaram para seleção. Vou continuar lutando e tentar me manter na seleção. Claro que fico chateado pela situação, mas estou de boa", disse o atacante cearense, com a filha Ariane no colo, que nasceu na Rússia.

Há quase dez temporadas atuando no futebol russo, Ari conseguiu naturalização e hoje possui dupla nacionalidade. Ele recebeu o passaporte no segundo semestre de 2018 e no dia 15 de novembro, num amistoso entre Rússia e Alemanha, entrou em campo pela seleção russa, tornando-se o primeiro jogador negro a vestir tal camisa.

Em entrevista a seção Páginas Azuis, do jornal O POVO, Ari, que hoje tem 33 anos, revelou o sonho de jogar até os 40 anos e no meio disso disputar uma Copa do Mundo pelo país onde construiu a maior parte da carreira.

Nesta quarta-feira, 20, na última rodada da segunda fase do Campeonato Cearense, cada jogador do Atlético-CE, time que hoje pertence ao Ari, vai jogar com uma faixa no braço simbolizando a luta contra o racismo. Todos juntos devem carregar uma faixa antes da bola rolar com a mesma temática.

Na Rússia, a declaração de Pogrebnyak repercutiu mal e o responsável pelo Departamento de Luta contra o Racismo da União de Futebol da Rússia (UFR), Alexandr Baranov, disse que as palavras do jogador russo “são muito questionáveis e claramente não estão em concordância com os princípios da campanha mundial contra o racismo. Não se pode definir o lugar de um futebolista em uma seleção baseando-se na cor da pele".

BRENNO REBOUÇAS