Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Salário de Neymar no PSG equivale a 1.693 atletas das ligas femininas

A negociação que levou Neymar do Paris Saint-Germain para o Barcelona teve um custo estimado em 222 milhões de euros (R$ 812 milhões na época) e transformou o craque brasileiro no jogador mais caro da história. Além do valor na negociação, o atacante também recebe um alto salário do clube francês, com vencimentos anuais de [?]
10:15 | Mar. 08, 2018
Autor O Povo
Foto do autor
O Povo Jornal
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A negociação que levou Neymar do Paris Saint-Germain para o Barcelona teve um custo estimado em 222 milhões de euros (R$ 812 milhões na época) e transformou o craque brasileiro no jogador mais caro da história. Além do valor na negociação, o atacante também recebe um alto salário do clube francês, com vencimentos anuais de US$ 43,8 milhões (cerca de R$ 140,55 milhões).

O salário do atleta já chama atenção caso seja comparado com a quantia recebida por outros jogadores masculinos. No entanto, um estudo publicado pelo Sporting Intelligence  chamou a atenção ao realizar um comparativo dos rendimentos de Neymar com a das atletas do futebol feminino. Segundo a publicação, o salário paga pelo PSG ao atacante equivale a 1.693 jogadoras do futebol feminino, pertencentes a sete ligas de destaque na modalidade (França, Alemanha, Inglaterra, Estados Unidos, Suécia, Austrália e México).

O estudo revela ainda que somado todos as folhas de pagamento da Liga Espanhola feminina, uma das mais fortes do planeta, o valor atingido  ultrapassa por pouco um décimo do montante recebido pelo brasileiro. Vale destacar ainda que a soma dos salários das 10 melhores jogadoras do planeta não equivale ao que recebe um jogador titular do Barcelona ou Real Madrid.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Mesmo com o problema em evidência, as ações feitas pelas mulheres buscando a equiparação salarial ainda não renderam frutos. Casos como a da goleira Hope Solo, que chegou a processar a Federação Norte-Americana de Futebol, e da seleção dinamarquesa, que deixou de disputar um torneio em forma de protesto, não são raros, porém ainda não representaram numa aproximação dos salários.

Gazeta Esportiva

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags