PUBLICIDADE
Futebol
NOTÍCIA

Dia decisivo no Juventus: presidente pode sofrer impeachment inédito

Fundado em 1924, o tradicional Clube Atlético Juventus, tão querido não só pelos moradores do bairro da Mooca, como também pelo povo paulistano de forma geral, viverá uma noite história na noite dessa segunda-feira. Pela primeira vez, um presidente do Moleque Travesso pode ser deposto do cargo. Na sede social do clube, mais precisamente no [?]

08:15 | 12/03/2018

Fundado em 1924, o tradicional Clube Atlético Juventus, tão querido não só pelos moradores do bairro da Mooca, como também pelo povo paulistano de forma geral, viverá uma noite história na noite dessa segunda-feira. Pela primeira vez, um presidente do Moleque Travesso pode ser deposto do cargo.

Na sede social do clube, mais precisamente no espaço Boate Piramidy?s, 180 membros do Conselho Deliberativo vão decidir se Domingos Sanches e Saulo Moisés Franciscón, eleitos em maio de 2016, cumprirão o mandato até 2019 ou se serão impedidos de prosseguir em suas atribuições.

Na reunião extraordinária, a Comissão de Sindicância, competente pela análise de todo o caso e autora de posse de documentos e provas, dará seu parecer conclusivo em no máximo 30 minutos de manifestação. Os acusados, que poderão ter seus advogados presentes, terão o mesmo tempo para defesa e discurso.

Em seguida, a votação acontecerá por escrutínio secreto. Ou seja, os votos não terão seus autores conhecidos. É necessário dois terços (2/3) do total de votos para ser estabelecido maioria plena.

Caso o impedimento dos atuais gestores seja aprovado, Itamar Colombini Capano, presidente do CD, assumirá a cadeira maior do clube de forma temporária e terá 30 dias para convocar novas eleições. Nesse caso, o procedimento até que um novo presidente seja escolhido pode levar cerca de 60 dias.

O processo de impeachment foi instaurado em 8 de fevereiro, depois da apresentação de 22 assinaturas de conselheiros ? duas além do necessário. Há menos de duas semanas, a noite dessa segunda-feira foi escolhida para determinar o rumo político do clube.

Os bastidores do Juventus se tornaram um verdadeiro campo de guerra depois do vazamento de áudios que mostram a atual diretoria executiva tentando mascarar prejuízos por meio de planilhas falsas. A Gazeta Esportiva revelou o escândalo com exclusividade.

Gravação de presidente vaza e vira escândalo no Juventus da Mooca

Conselho rebate diretoria do Juventus, que promete ir à justiça

Em situação delicada, presidente do Juventus ganha prêmio de gestão

Conselho colhe assinaturas e abre processo de impeachment no Juventus

Juventus convoca presidente e vice para defesa e votação sobre impeachment

Embate

Domingos Sanches passou a ignorar todas as solicitações do Conselho Deliberativo de apresentações de notas, contratos e documentos. O mandatário basicamente deixou de prestar contas.

Em situação delicada, o presidente, ao lado de Saulo, seu vice, acusa os áudios gravados por Adriano Daré, ex-diretor de marketing, exonerado do cargo, processado judicialmente e proibido de entrar no clube, de serem editados.

Entretanto, Domingos Sanches não negou que houve pagamentos de contas do clube por meio de empresas pessoais e também confirmou a existência de um contrato em que o Juventus tenta repassar parte de seus prejuízos em um evento para a empresa do ex-diretor de marketing.

Adriano Daré contratou um serviço particular de perícia para comprovar a autenticidade de suas gravações. Além disso, ele e outros prestadores de serviço acabaram sofrendo calotes de trabalhos registrados em notas em nome do clube.

Carta na manga

Na última quinta-feira, Domingos Sanches convocou uma reunião para o mesmo local da votação dessa segunda. Cerca de 60 pessoas, entre conselheiros e convidados, compareceram ao encontro em que o presidente fez acusações à mesa diretiva do Conselho Deliberativo, ao coordenador da Comissão de Sindicância e, claro, a Adriano Daré.

A reportagem apurou que antes da reunião extraordinária no CD, ainda nessa segunda, Domingos Sanches planeja apresentar um laudo pericial com o intuito de comprovar que os áudios apresentados por Daré foram editados. Essa seria a carta na manga de Sanches e Saulo.

Acusação de sabotagem

Por outro lado, o presidente do Conselho Deliberativo, Itamar Colombini Capano, acusa Domingos Sanches de tentar sabotar a reunião extraordinário dessa segunda-feira ao não enviar a convocação aos conselheiros por meio de correspondência nos correios, como ordena o estatuto, após o pedido ser protocolado pelo órgão fiscalizador.

Por isso, durante o fim de semana, depois de muitos membros alegarem a falta da informação, a mesa diretiva do CD precisou agir em campanha para que todos os conselheiros fossem avisados da importância da presença de cada um nessa segunda-feira.

Gazeta Esportiva

TAGS