PUBLICIDADE
Futebol

Carrasco do Fla, Barco explica ida à MLS e mira Europa e seleção

Há poucas semanas, foi concretizada a venda do jovem Ezequiel Barco ao Atlanta United, time da Major League Soccer. O argentino, de apenas 18 anos, brilhou na última edição da Copa Sul-Americana pelo Independiente, especialmente na final contra o Flamengo, quando marcou o gol do título, e foi bastante questionado sobre o motivo da escolha [?]

08:30 | 02/02/2018

Há poucas semanas, foi concretizada a venda do jovem Ezequiel Barco ao Atlanta United, time da Major League Soccer. O argentino, de apenas 18 anos, brilhou na última edição da Copa Sul-Americana pelo Independiente, especialmente na final contra o Flamengo, quando marcou o gol do título, e foi bastante questionado sobre o motivo da escolha em jogar nos Estados Unidos.

Em uma conferência via telefone com a Gazeta Esportiva e outros três veículos internacionais, Barco explicou sua motivação para deixar a Argentina e de jogar a Libertadores deste ano para disputar a MLS, e se disse contente com a escolha.

?É uma liga muito interessante e gostei da ideia. Tinha muita vontade de crescer tecnicamente e profissionalmente e o Atlanta (United) é uma equipe muito importante e me parece muito boa para fazer minha carreira e aprender?, pontuou. ?Estou muito contente. Será algo muito lindo (jogar em um estádio lotado). Já me disseram que a torcida canto o tempo todo e vai ser muito bom jogar assim?.

A ida para os EUA, no entanto, não foi tão tranquila. Após um primeiro acerto entre os dois clubes, o Independiente acabou recuando na negociação e pediu um valor considerado alto pelo o time americano. Esse impasse chateou Barco, que nem se quer se reapresentou para a pré-temporada da equipe argentina.

?Foram dias muito difíceis. Eu quase não saia de casa, ficava na maioria das vezes com minha namorada, e tentei me afastar do que estava acontecendo na negociação entre os clubes. Eu tinha muito claro que iria sair do Independiente?, relatou Barco, que se tornou o jogador mais caro da história da MLS.

O jovem jogador revelou ainda que o fato de Tata Martino ser o treinador do Atlanta pesou na decisão. Ele disse ficar tranquilo por saber que o terá por perto, além de ser um orgulho poder trabalhar com ele, ?que já fez tanta coisa pela seleção (argentina) e pelo Barcelona?.

Por fim, perguntado sobre as perspectivas para o futuro, Barco se disse focado em ter um bom desempenho nos EUA, mas confessou o desejo em jogar na Europa e também na seleção argentina.

?Não (sinto pressão em escrever seu nome na MLS). Quero crescer, somar minutos e fazer um bom trabalho. Tenho um contrato com o Atlanta, mas a longo prazo é um objetivo poder ir jogar em um grande clube da Europa. E é sempre uma vontade muito grande poder representar seu país. É algo muito importante, um orgulho, que espero ter a oportunidade de ter. A ideia é seguir crescendo aqui e se fizer as coisas bem, talvez algum dia serei chamado?, concluiu.

Gazeta Esportiva

TAGS