PUBLICIDADE
Futebol
NOTÍCIA

São Paulo já atinge quase 50% da meta para vendas em 2018

Saída de Lucas Pratto impulsiona arrecadação estipulada pelo Conselho

14:00 | 09/01/2018

Janeiro só está no começo e o São Paulo já atingiu quase a metade da meta estipulada para arrecadação com vendas de jogadores em 2018. Neste ano, o clube do Morumbi espera abastecer seus cofres com cerca de R$ 90 milhões em negociações.

Até o momento, o Tricolor soma R$ 42,4 milhões arrecadados com as vendas de Lucas Pratto (River Plate), Julio Buffarini (Boca Juniors) e Artur (Columbus Crew-EUA). Foi a transação do centroavante, no entanto, que turbinou as receitas são-paulinas com a comercialização de seus ativos.

Aos 29 anos, Pratto foi vendido por R$ 44,5 milhões. Desse valor, embora detivesse apenas 50% dos direitos econômicos do atleta, o São Paulo tem direito a R$ 32,9 milhões, já que acionou uma cláusula existente no contrato para receber mais do que o previsto. Assim, recupera e ainda lucra com o investimento feito em fevereiro de 2017, quando o comprou do Atlético-MG por R$ 20,5 milhões.

Buffarini foi a segunda melhor venda até agora. Fora dos planos do técnico Dorival Júnior, o lateral direito foi comprado pelo Boca por R$ 4,9 milhões. Já o volante Artur, revelado em Cotia, teve 50% de seus direitos econômicos adquiridos pelo norte-americano Columbus Crew por R$ 4,6 milhões.

Na reunião que determinou a meta orçamentária para 2018, em dezembro do ano passado, o Conselho Deliberativo também liberou a utilização de 50% do que for arrecadado com a venda de atletas na contratação de reforços.

Ao menos por enquanto, o Tricolor vem até superando um pouco essa margem. Somadas, a aquisição em definitivo do volante Jucilei (R$ 4,6 milhões) e as compras do lateral esquerdo Edimar (R$ 400 mil), do goleiro Jean (R$ 9,8 milhões) e do meia-atacante Diego Souza (R$ 10 milhões) chegam a R$ 24,8 milhões, mais da metade dos R$ 42,4 milhões obtidos com as vendas de Artur, Buffarini e Pratto.

A tendência, portanto, é que o São Paulo não tenha dificuldades em alcançar a meta dos R$ 90 milhões neste ano. Além desta janela que se encerra em 31 de janeiro, o clube poderá negociar ainda no meio do ano, quando ela reabre para as maiores ligas do mundo.

Gazeta Esportiva

TAGS