Participamos do

Independiente confirma favoritismo e vai à semi da Sul-Americana

Depois de golear o Nacional em Assunção, em pleno Defensores del Chaco, o Independiente fez apenas seu dever de casa na noite dessa quinta-feira. Diante de sua fanática torcida, em Avellaneda, Buenos Aires, o Rei de Copas voltou a mostrar toda sua superioridade em campo e, com uma vitória por 2 a 0, consumou sua [?]
21:15 | Nov. 02, 2017
Autor O POVO
Foto do autor
O POVO Jornal
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Depois de golear o Nacional em Assunção, em pleno Defensores del Chaco, o Independiente fez apenas seu dever de casa na noite dessa quinta-feira. Diante de sua fanática torcida, em Avellaneda, Buenos Aires, o Rei de Copas voltou a mostrar toda sua superioridade em campo e, com uma vitória por 2 a 0, consumou sua classificação à semifinal da Copa Sul-Americana. Agora, os argentinos terão pela frente outra equipe paraguaia: o Libertad, que na véspera eliminou o Racing, justamente maior rival do Independiente.

Quem viu o jogo dessa quinta sem saber o resultado do primeiro confronto pode ter imaginado que o Independiente era o time sob pressão, pois, apesar da necessidade de buscar uma goleada milagrosa, o Nacional não conseguiu se impor no estádio Libertadores da América em nenhum momento.

O primeiro tempo acabou sem gols, mas os donos da casa tiveram mais posse de bola, finalizaram mais e dominaram amplamente o confronto. Os visitantes sequer acertaram o alvo nos primeiros 45 minutos.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Na etapa final, o Nacional parecia ainda mais entregue. Então, o Independiente fez a alegria de sua fanática torcida que compareceu em bom número. Martínez, ex-jogador do Corinthians em 2012, abriu o placar aos seis minutos depois de aproveitar sobra de bola dentro da área.

Pouco depois, aos 21, quando a torcida gritava o famoso ?olé? a cada toque na bola, o Independiente não teve piedade: colocou o Nacional na roda com toques rápidos, curtos, até a bola chegar ao centroavante Gigliotti, que não perdeu sua oportunidade cara a cara com o goleiro.

Daí para frente foi só esperar o tempo passar. Os argentinos, com o placar agregado em 6 a 1, tiveram, de certa forma, piedade dos adversários e apenas administraram a vantagem até o apito final.

Gazeta Esportiva

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags