select ds_midia_link from midia where cd_midia = limit 1
Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Oeste fica no empate com o Santa Cruz no Arruda e segue rondando o G4

O Oeste conquistou um importante resultado no objetivo de conseguir o acesso no Campeonato Brasileiro Série B. Nesta terça-feira, pela 30ª rodada da competição, o Rubro-Negro visitou o Santa Cruz, em Pernambuco, saiu na frente por duas vezes, com dois gols de Mazinho, mas, com um a menos durante praticamente todo o segundo tempo, permitiu [?]
21:45 | Out. 17, 2017
Autor -
Foto do autor
- Autor
Tipo Notícia

O Oeste conquistou um importante resultado no objetivo de conseguir o acesso no Campeonato Brasileiro Série B. Nesta terça-feira, pela 30ª rodada da competição, o Rubro-Negro visitou o Santa Cruz, em Pernambuco, saiu na frente por duas vezes, com dois gols de Mazinho, mas, com um a menos durante praticamente todo o segundo tempo, permitiu o empate aos pernambucanos, que definiram o 2 a 2 com Grafite e João Paulo.

Com o resultado, os paulistas chegaram a 48 pontos e encontram-se com quatro a menos em relação ao Paraná, quarto colocado da tabela. Já o Coral, em situação delicada, perdeu uma grande oportunidade de esboçar uma saída da zona de rebaixamento e ocupam a 18ª posição, com 30 pontos. O primeiro time fora do Z4 é o Guarani, com 35 pontos.

Pela próxima rodada, o Tricolor do Recife vai ao Rio Grande do Sul encarar o Brasil de Pelotas, no estádio Bento Freitas, neste sábado. No mesmo dia, o Oeste volta a atuar como visitante diante do Vila Nova, no estádio Serra Dourada.

O JOGO

Apesar do momento conturbado na Segudona, o Santa Cruz começou a partida controlando as ações e animando sua torcida no Arruda. Antes dos 15 minutos de bola rolando, os donos da casa já criaram duas grandes chances de marcar: com o zagueiro Anderson Salles cobrando falta rasteira da entrada da área, fazendo a bola raspar a trave, e com o centroavante Grafite pegando sobra dentro da área e sendo derrubado dentro da área. O árbitro Elmo Alves mandou o jogo seguir.

Já o Oeste começou tendo muitas dificuldades, principalmente na criação das jogadas. Sufocado na defesa pelos adversários, porém, conseguiu segurar bem a pressão e se manteve em busca de um contra-ataque. Os mandantes ainda voltaram a assustar com o meia João Paulo avançando pela lateral e arriscando de fora da área, aos 23 minutos. A bola, porém, acertou a rede pelo lado de fora.

A espera dos visitantes foi enfim recompensada, ao passo que o Coral sentiu a antiga máxima do futebol: ?quem não faz toma?. Aos 28 minutos, o lateral esquerdo Willian Cordeiro invadiu a área e foi derrubado por João Paulo e o juiz marcou pênalti. O artilheiro da Série B, Mazinho, foi para a cobrança e bateu rasteiro, deslocando o goleiro Julio César, para inaugurar o marcador. Foi o 14º gol do meia na competição.

Após abrirem o placar, os paulistas passaram a controlar as ações e quase ampliaram antes do intervalo. Perdendo uma grande chance de deixar seu segundo na noite, Mazinho finalizou de dentro da área, aos 44 minutos, com o goleiro já batido, mas viu o zagueiro Guilherme Mattis salvar em cima da linha.

Na segunda etapa, o Oeste viu sua situação ir do céu ao inferno em questão de minutos. ?Amarelado? no final dos 45 minutos inicias, Willian Cordeiro puxou a camisa de Bruno Paulo, aos seis minutos, recebeu a segunda advertência, e foi expulso.

Para piorar as coisas, que não eram as melhores para os paulistas, o zagueiro Joilson resolveu derrubar Grafite dentro dá área, aos 10 minutos, e o árbitro apontou para a marca da cal. O próprio atacante foi para a cobrança e fez questão de deixar tudo igual. Bateu forte, no canto direito do goleiro Daniel Borges, que acertou o canto, mas pouco pôde fazer.

Mesmo as coisas conspirando contra, os visitantes não se abalaram e trataram de voltar a ficar na frente em novo lance de Mazinho, aos 16 minutos. O camisa 10 rubro-negro resolveu avançar sozinho pelo lado esquerdo, limpou a marcação do lateral direito Nininho com um grande drible e arriscou de fora da área, para se isolar de vez na artilharia do torneio, com 15 tentos. A bola, que veio pingando, ficou difícil para a defesa de Júlio César e foi parar no canto esquerdo do arqueiro tricolor.

Atrás no placar e com um jogador a mais em campo, restou ao Santa se projetar inteiro ao ataque. E os pernambucanos, apesar de estarem diante um verdadeiro ferrolho na defesa adversária, arrancaram um empate aos 34 minutos, com João Paulo aproveitando confusão na área para finalizar no cantinho e deixar tudo igual.

A pressão dos donos da casa não saiu disso, e o árbitro indicou o fim da partida com o 2 a 2 no placar. Apesar da recuperação dentro de campo, a torcida mandante não poupou o mau momento do time e embalou a saída dos corais com contundentes vaias.

FICHA TÉCNICA

SANTA CRUZ 2 X 2 OESTE

Local: Estádio do Arruda, em Recife (PE)

Data: Terça-feira, 17 de outubro de 2017

Horário: 20h30 (de Brasília)

Árbitro: Elmo Alves Resende Cunha (GO)

Assistentes: Edson Antonio de Souza (GO) e Hugo Sávio Xavier Correa (GO)

Cartões amarelos: Wellington Cézar, Thiago Primão E Bruno Paulo (SCR); Willian Cordeiro e Daniel Borges (OES)

Cartão Vermelho: Willian Cordeiro (OES)

Gols:

Santa Cruz: Grafite, aos nove, e João Paulo, aos 34 minutos do segundo tempo

Oeste: Mazinho, aos 28 do primeiro tempo e aos 16 minutos do segundo

SANTA CRUZ: Júlio César; Nininho, Guilherme Mattis, Anderson Salles e Yuri; Wellington Cézar, Derley (André Luiz), João Paulo e Thiago Primão (Bruno Paulo); Grafite (Halef Pitbul) e Ricardo Bueno

Técnico: Marcelo Martelotte

OESTE: Rodolfo; Daniel Borges (Guilherme Romão), Joilson, André Vinicíus e Willian Cordeiro; Wilson Mathias (Daniel Gigante), Fabrício, Mazinho; Robert, Raphael Luz (Lídio) e Gabriel Vasconcellos

Técnico: Roberto Cavalo

Gazeta Esportiva

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Com revés em Clássico-Rei, Fortaleza perde invencibilidade de 19 jogos no Castelão

Dentro de casa
2021-08-01 23:18:00
Autor Afonso Ribeiro
Foto do autor
Afonso Ribeiro Autor
Ver perfil do autor
Tipo Noticia

Além de interromper a sequência de vitórias no Campeonato Brasileiro, a derrota por 3 a 1 para o Ceará, de virada, neste domingo, 1º, pela 14ª rodada da Série A, representou o fim de outra marca para o Fortaleza: o fim da invencibilidade de 19 jogos na Arena Castelão na atual temporada, seja como mandante ou visitante.

Até então, o único revés do Tricolor no Gigante da Boa Vista havia sido para o Santa Cruz-PE, por 1 a 0, no dia 23 de março, pela Copa do Nordeste. Depois, foram 15 vitórias e quatro empates entre Campeonato Cearense, Copa do Brasil, Nordestão e Campeonato Brasileiro.

O retrospecto positivo chegou ao fim com o resultado negativo no primeiro Clássico-Rei na atual edição da elite nacional. Apesar disso, o Leão segue na terceira posição, com 27 pontos.

A equipe do Pici volta a campo diante do CRB-AL, na próxima quarta-feira, 4, às 16h30min, no estádio Rei Pelé, em Maceió, pelas oitavas de final da Copa do Brasil. Com o triunfo por 2 a 1 no duelo de ida, um empate no confronto de volta é suficiente para avançar à próxima fase.

Sequência invicta do Fortaleza no Castelão:

Fortaleza 2x1 Bahia - Copa do Nordeste
Fortaleza 1x0 Ypiranga-RS - Copa do Brasil
Fortaleza 2x1 CSA-AL - Copa do Nordeste
Fortaleza 0x0 Bahia - Copa do Nordeste
Fortaleza 4x1 Caucaia - Campeonato Cearense
Ceará 0x2 Fortaleza - Campeonato Cearense
Fortaleza 6x0 Icasa - Campeonato Cearense
Fortaleza 6x0 Atlético-CE - Campeonato Cearense
Fortaleza 0x0 Ceará - Campeonato Cearense
Fortaleza 1x1 Ceará - Copa do Brasil
Fortaleza 5x1 Internacional-RS - Série A
Ceará 0x3 Fortaleza - Copa do Brasil
Fortaleza 1x0 Sport-PE - Série A
Fortaleza 1x1 Fluminense-RJ - Série A
Fortaleza 3x2 Chapecoense-SC - Série A
Fortaleza 4x0 América-MG - Série A
Fortaleza 1x0 Corinthians-SP - Série A
Fortaleza 1x0 RB Bragantino-SP - Série A
Fortaleza 2x1 CRB-AL - Copa do Brasil

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Olimpíadas de Tóquio: brasileiras são eliminadas nos 200 metros rasos

Jogos Olímpicos
2021-08-01 23:08:00
Autor Gabriel Lopes
Foto do autor
Gabriel Lopes Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

As brasileiras Ana Carolina Azevedo e Vitória Rosa participaram na noite deste domingo, 1°, das baterias eliminatórias dos 200 metros rasos e não conseguiram avançar de fase na competição. Carolina ficou na quinta colocação de sua prova, com tempo de 23.20, a melhor marca da temporada para a atleta. Vitória, por sua vez, atingiu a marca de 23.59 e terminou na sexta posição.

Somente as três primeiras colocadas das provas avançaram para as semifinais. Marie-Josee Ta Lou (Costa do Marfim), Shaunae Miller-Uibo (Bahamas) e Nzubechi Grace Nwokocha (Nigéria) foram as classificadas da bateria de Ana Carolina.

Christine Mboma (Namíbia), Gabrielle Thomas (Estados Unidos) e Aminatou Seyni (Níger) se qualificaram na chave de Vitória Rosa.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Eleições complementares em Missão Velha ocorre de forma pacífica

Política
2021-08-01 23:03:00
Autor Carlos Mazza
Foto do autor
Carlos Mazza Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

As eleições complementares na cidade de Missão Velha, a 508,5 km de Fortaleza, realizadas neste domingo, 1, foram consideradas tranquilas pelo juiz eleitoral Djalma Dantas Sobreira. De acordo com o magistrado, foram registradas algumas denúncias, mas nada que justificasse a intervenção da polícia ou a abertura de algum inquérito.

“Tivemos alguma hostilidade, mas é natural numa eleição municipal, principalmente quando ela foi anulada. Tivemos certa hostilidade, mas hostilidade com respeito, nada que justificasse a intervenção policial ou da justiça”, disse ele.

Uma das ocorrências registradas foi a localização de material de campanha por uma equipe da Polícia Federal. Como o material não estava sendo distribuído na hora da abordagem, não se configurou o crime de propaganda eleitoral irregular, com o material tendo sido apreendido e levado ao cartório eleitoral da cidade.

Ainda conforme o magistrado, não foram apresentados problemas em nenhuma das urnas eleitorais.

Para conter os ânimos durante o dia da votação, um forte aparato policial foi disponibilizado. Ao todo foram 120 policiais militares, dez policiais civis e dez policiais federais.

As eleições complementares no município foram determinadas pela Justiça Eleitoral após o diploma de Dr. Washington (MDB), eleito no ano passado, ter sido indeferido por decisão judicial.

O novo pleito foi marcado por forte tensão política, sobretudo após o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-aliado Ciro Gomes entrarem na disputa, declarando apoio a seus respectivos candidatos.
Disputaram as eleições Fitinha, do PT e DR. Lorim, do PDT.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Após vitória no Clássico-Rei, Rick diz que meta do Ceará é vaga na Libertadores

CLÁSSICO-REI
2021-08-01 23:02:00
Autor Iara Costa
Foto do autor
Iara Costa Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

No fechamento da 14ª rodada do Brasileirão, o Ceará venceu o Fortaleza por 3 a 1 e, com a vitória no Clássico-Rei, e se mantém na sétima posição na tabela do certame. Com 22 pontos, o Alvinegro possui apenas um ponto a menos que o Athletico-PR, último time na zona classificatória para a Copa Libertadores. Na saída do campo, o atacante Rick Jhonatan, autor de um dos gols do Vovô, frisou que o time tem almejado o torneio continental nesta edição da Série A.

"A gente ta sonhando alto, em se classificar para a Libertadores e almejando sempre coisas grandes pela frente", falou o jogador, que dedicou o tento marcado à mãe. "É aniversário da minha mãe. Mãe, beijão, esse gol foi para você. Hoje foi um dia muito importante. Além de ser aniversário da minha mãe, dia de Clássico, entramos focados e determinados e, graças a Deus, papai do céu abençoou e eu pude fazer um gol nessa noite especial", pontuou. 

 Na declaração, Rick também agradeceu ao técnico Guto Ferreira pela oportunidade. O atacante entrou em campo aos 25 minutos da segunda etapa na vaga de Mendoza e balançou as redes aos 41. 

"Todos sabem da minha trajetória. Subi (para o profissional) em 2019, joguei muitas partidas, mas não consegui engrenar. Com a chegada do Guto, ele ta apostando muito em mim, e eu vinha treinando bastante no dia a dia, bem focado, bastante determinado, e hoje estou colhendo o que plantei. Muito feliz também pela vitória de hoje. Agradecer o Guto e a comissão", disse.

O Alvinegro de Porangabuçu volta a campo no próximo domingo, 8, às 18h15min, quando recebe o Atlético-GO no Castelão. A partida é válida pela 15ª rodada do Brasileirão.


Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Humanoides cestinhas e aspiradores poliglotas

2021-08-01 22:55:36
Autor
Tipo Crônica

Aconteceu o que tinha de acontecer. E eu venho aqui dar a triste notícia a quem segue estas crônicas, ultimamente um tanto tecnológicas. Wall-E, o nosso querido robô aspirador de estimação, morreu. Deixou o mundo das máquinas dias atrás, vítima da pandemia de falta de peças para o modelo dele, causada pela pandemia que esvaziou de mãos humanas algumas fábricas, por aí.

Devolvi à loja o corpinho chinês dele, todo lata, todo luzes, todo botões, todo fios e chips. Adeus, escravo tecnológico, que o deus da reciclagem te repare e te recondicione. Quem sabe, um dia, não vais limpar outras casas por aí?

Como estava no seguro, recebi de volta um outro, tinindo de novo. Última geração de robôs, pelo que me disse o vendedor. Limpa e lava, memoriza o mapa da casa, fala com você em seis línguas, e, depois do trabalho feito, manda relatório completo pelo telefone. Achou pouco?

A lista, quase infinita, de bondades da máquina derreteu os meus miolos. E o rapaz da loja terminou a explicação suado e com um esquisito brilho nos olhos. Pensei com meus botões: este robô é um monstro. Mas, fui para casa com a preciosidade no colo. E, confesso, com medo dele.

Desde então, já com seus tentáculos devidamente ligados à tomada e ao wi-fi, o bicho, que tem o nome de Roomba, anda a fazer gracinhas. Coisas de robôs estagiários, a ver se ganha de vez o posto, na vida do dono. Por exemplo, vez em quando, o poliglota solta frases inteiras em italiano.

Avisa que a roda está encravada e dá instruções de solução: “premere clean per fare repartire”. Muito bem, chega de luzinhas piscando, barulhinhos de avisos, mensagens ao telefone, pedidos para isso e para aquilo. Prevejo relações difíceis.

Exausta do Roomba, refugiei-me na transmissão das Olimpíadas de Tóquio. Bem poderia ter desconfiado, o programa não é ideal para quem deseja férias de tecnologias inteligentes. Mas, era domingo à tarde, botei os pés na mesa de centro da sala, pronta para o jogo de basquetebol entre França e Estados Unidos.

 

Cartaz do filme Wall-E(Foto: DIVULGAÇÃO)
Foto: DIVULGAÇÃO Cartaz do filme Wall-E

E teria sido uma partida e tanto se, no intervalo, não tivesse surgido na tela mais um primo distante do Roomba: um gigante japonês de dois metros de altura, que me lembrou o “Terminator”. A máquina humanoide e sua cabeça, pernas, pés, braços, mãos e dedos, entrou na arena e encestou, sem hesitar, bolas de basquete.

Se plateia houvesse, teria ido a delírio. Encafifada, fui procurar saber. O nome do bruto japonês é Cue (pronúncia fonética é kyü), o que poderia ser traduzido para o português como “sinal”.

O humanoide cestinha foi criado sob a inspiração do personagem principal de uma conhecida história em quadrinhos japonesa, o popular mangá Slam Dunk. A série conta a história de Hanamichi Sakuragi, um jovem chefe de gangue que, por amor, entra para um time de basquete, de uma escola secundária, no Japão.

O rapaz de cabelos vermelhos não sabe nada sabe do jogo, mas imagina que se treinar e acertar pelo menos 20 mil lances na cesta poderia ser suficiente para se tornar um craque. Coisas que os robôs inteligentes prometem fazer, mas só no futuro.

Um avô de Cue, modelo mais antigo feito pelos funcionários da Toyota, nem chegou perto da marca de Sakuragi, mas entrou para o livro dos recordes mundiais, para humanoides. Fez 2.020 lances livres consecutivos, numa performance de 6 horas e meia. Veja o trabalho que tem de fazer um fiscal do Guiness.

O número de lances recordes era já um piscar de olhos para os jogos que acontecem agora, no Japão. Sem a pandemia, teriam sido em 2.020. Isso tudo me deixa cismada, Roomba. Será que um dia vamos assistir olimpíadas de robôs, hein? Atletas de lata medindo força e inteligência, uns com os outros? E nós aplaudindo?

Este, por exemplo, só não se lança no basquete porque, apesar da habilidade com a cesta, é lento. Fosse jogar com gente de verdade, levava um olé. Mas, cérebros da informática são incansáveis. Este é já uma quinta versão. Razão do número 5, do 95 marcado no uniforme. O 9 tem a ver com o som do número 9, que na língua japonesa coincide com a fonética kyü.

E, assim, outras infinitas versões melhoradas de Cue preparam-se na sopa de reciclagem de robôs. Como o modelo do finado Wall-E, substituído por outro bem mais sabido. De volta ao manual de instruções, quem sabe eu também precise de um chip novo.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags