Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Confira os novos uniformes alternativos de gigantes europeus

12:45 | Set. 12, 2017
Autor -
Foto do autor
- Autor
Tipo Notícia

Gazeta Esportiva

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Namorada de Ana Marcela comemora ouro da nadadora na maratona aquática

Ouro em Tóquio
03:15 | Ago. 04, 2021
Autor Bemfica de Oliva
Foto do autor
Bemfica de Oliva Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Com o ouro em Tóquio, na maratona aquática, a nadadora Ana Marcela Cunha garantiu um resultado histórico para o Brasil: nunca antes o País teve tantas medalhistas mulheres em uma Olimpíada. Uma torcedora em especial se emocionou mais que a maioria das pessoas, porém.

Maria Clara, namorada da nadadora, assistiu à competição pela TV, de sua casa, no Rio de Janeiro. Em suas redes sociais, a moça, que trabalha com marketing esportivo, compartilhou os momentos da vitória e do pódio de Ana Marcela.

Comemoração da namorada de Ana Marcela rendeu chamado à polícia

Em entrevista ao site Globo Esporte (SP), Maria Clara contou que, pelos gritos que deu durante a comemoração, houve até reclamação dos vizinhos do prédio. "A campainha começou a tocar loucamente. Eram cinco moradores, a síndica e a polícia", afirmou.

Segundo ela, após explicar que estava celebrando a vitória da namorada, os vizinhos compreenderam. Eles pediram, porém, que ela reduzisse o volume.

Ouro de Ana Marcela faz história para mulheres brasileiras em Olimpíadas

Com a vitória de Ana Marcela, as atletas brasileiras chegam a três ouros, duas pratas e dois bronzes. A boxeadora Bia Ferreira, classificada para as semifinais, tem mais uma medalha garantida - na modalidade, terceira e quarta colocações rendem o bronze.

Com oito participações garantidas em pódios em Tóquio, as mulheres brasileiras têm certeza de ao menos uma medalha a mais que nos jogos de Pequim, em 2008. É o maior resultado da parte feminina da delegação em Olimpíadas. Há chances ainda em modalidades como o vôlei feminino, com a seleção nas quartas de final, a vela categoria 470 e os saltos ornamentais.

Ao todo, a delegação brasileira tem 15 medalhas por enquanto: quatro ouros, três pratas e oito bronzes. Com o pódio garantido no boxe, são 16 medalhas até o momento, das quais metade foi conquistada por mulheres.

OLIMPÍADAS DE TÓQUIO: CONFIRA AS ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Brasil fica fora do pódio no skate park da Olimpíada

Esportes
02:17 | Ago. 04, 2021
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O Brasil chegou à final feminina do skate park da Olimpíada de Tóquio (Japão), mas Dora Varella e Yndiara Asp ficaram fora do pódio, na madrugada desta quarta-feira (4) no Parque de Esportes Urbanos de Ariake.

Horóscopo do dia (04/08): previsão do seu signo para hoje, quarta

Signos hoje
02:00 | Ago. 04, 2021
Autor Redação O POVO
Foto do autor
Redação O POVO Autor
Ver perfil do autor
Tipo Noticia

Confira a previsão do horóscopo para seu signo hoje, quarta, 4 de agosto (04/08). Veja abaixo as dicas para cada posição do Zodíaco para o signo solar. O destaque astral é a tensão lunar com Vênus e Netuno.

Horóscopo de hoje para Áries (21 de março a 20 de abril)

Lua e Júpiter harmonizados podem sugerir prosperidade nas parcerias. Tente se mostrar aberta a somar conhecimento e esforços. A tensão lunar com Vênus e Netuno alerta que é preciso ser imparcial nos julgamentos e na extroversão das ideias, pois as emoções afloradas tendem a lhe prejudicar.

Horóscopo de hoje para Touro (21 de abril a 20 de maio)

Busque dar maior atenção à vida profissional, pois Lua e Júpiter harmonizados anunciam oportunidades que beneficiam sua carreira sob diversos aspectos. O alerta da contenção financeira continua, pois a tensão lunar com Vênus e Netuno pode lhe predispor a gastar devido a carências emotivas.

Horóscopo de hoje para Gêmeos (21 de maio a 20 de junho)

Como sugere o trígono Lua-Júpiter, tente ampliar seu olhar para as oportunidades. Os desafios em casa e no trabalho se mostram fatores de instabilidade emocional, dada a tensão lunar com Vênus e Netuno. Procure encará-los com racionalidade e praticidade para encontrar soluções, mesmo que paliativas.

Horóscopo de hoje para Câncer (21 de junho a 22 de julho)

Em breve surgirão oportunidades de dar a volta por cima, pois Lua e Júpiter se aspectam em trígono. Busque seguir confiante em sua jornada, com atenção às novidades. A tensão lunar com Vênus e Netuno pode demandar discrição emotiva e postura imparcial diante dos empecilhos.

Horóscopo de hoje para Leão (23 de julho a 22 de agosto)

As pessoas queridas podem contribuir com seu bem-estar, como aponta o trígono Lua-Júpiter, por isso tente valorizar as interações online. As finanças estão vulneráveis às fragilidades emotivas associadas à tensão lunar com Vênus e Netuno, de modo que procure ter cautela com gastos desnecessários.

Horóscopo de hoje para Virgem (23 de agosto a 22 de setembro)

Do ponto de vista profissional, Lua e Júpiter em trígono pode sugerir bom aproveitamento das oportunidades. O trato interpessoal pode a seguir emocionalmente instável, devido às quadraturas que a Lua forma com Vênus e Netuno. Convém ser discreta e buscar resolver os atritos com diplomacia.

Horóscopo de hoje para Libra (23 de setembro a 22 de outubro)

Busque esvaziar a mente dos problemas e valorizar o lado prazeroso das situações, como sugere o trígono Lua-Júpiter. A instabilidade emotiva apontada pela tensão lunar com Vênus e Netuno continua afetando sua qualidade de vida, visto que pode faltar bom senso na tomada de decisões.

Horóscopo de hoje para Escorpião (23 de outubro a 21 de novembro)

Tente respeitar o espaço alheio e se mostrar aberta ao diálogo. Desafetos podem prejudicar as relações humanas, como aponta a tensão lunar com Vênus e Netuno. É possível reduzir os conflitos interpessoais, dando valor aos momentos prazerosos em família, considerando o trígono Lua-Júpiter.

Horóscopo de hoje para Sagitário (22 de novembro a 21 de dezembro)

Procure se unir a seus pares em prol da coletividade. O dia a dia pode se mostrar emocionalmente desafiador, pois persiste a tensão lunar com Vênus e Netuno. A boa fruição das ideias tende a lhe fazer criar oportunidades de ação em parceria que superam as adversidades, dada a harmonia Lua-Júpiter.

Horóscopo de hoje para Capricórnio (22 de dezembro a 20 de janeiro)

Tente evitar discussões e ser prestativa. O emocional aflorado pode afetar a comunicação com o entorno, já que permanece a tensão lunar com Vênus e Netuno. Do ponto de vista prático, você tende a agir de forma eficiente, criando oportunidades, dada a harmonia entre Lua e Júpiter.

Horóscopo de hoje para Aquário (21 de janeiro a 18 de fevereiro)

Ao lidar com questões materiais, busque evitar que o coração afete a razão. Lua e Júpiter harmonizados podem elevar sua percepção sobre as necessidades que permeiam o convívio com grupos, contribuindo para aperfeiçoar o trato interpessoal e superar certos desafetos.

Horóscopo de hoje para Peixes (19 de fevereiro a 20 de março)

Busque valorizar ambientes acolhedores, pois o trígono Lua-Júpiter sugere fortalecimento através do recolhimento e do apoio familiar. Lua, Vênus e Netuno continuam tensionados, levando-lhe a supervalorizar os desafios emocionais e afetivos, minando a autoestima e a autoconfiança.

Informações de horóscopo fornecidas por Personare

 

Mais sobre signos

Veja se a sua previsão se cumpriu: horóscopo para terça, 3 de agosto (03/08).

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Pela primeira vez, Brasil fica sem medalha no vôlei de praia; atleta cobra investimentos no esporte

Jogos Olímpicos
01:59 | Ago. 04, 2021
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Depois de subir ao pódio em seis olimpíadas seguidas, desde que o vôlei de praia passou a fazer parte do programa olímpico, o Brasil vai passar em branco em Tóquio. Alison e Álvaro Filho perderam nesta terça-feira para Martins Plavins e Edgars Tocs, da Letônia, nas quartas de final disputada no Parque Shiozake, por 2 sets a 0, com parciais de 21/16 e 21/19, deixando o País sem representantes na competição.

Algozes de Evandro e Bruno Schmidt nas oitavas de final, os letões mais uma vez conseguiram se sobressair com a tática de não enfrentar os bloqueios. Aproveitaram, ainda, o nervosismo excessivo de Alison, dono de ouro e prata olímpico, que cometeu muitos erros nos ataques. O forte calor foi um adversário extra e bastante duro no confronto. Mais uma vez com sensação de 40 graus na quadra.

Após fazer história no feminino, garantindo sua dupla na semifinal, a Letônia repetiu a dose com os homens. Plavins e Tocs enfrentam os noruegueses Mol e Sorum por vaga na decisão. Já os brasileiros voltam para casa com sentimento que podiam ir além se tivessem um pouco mais de concentração, como eles mesmo definiram o motivo para a queda.

Se diante de Evandro e Bruno Schmidt os letões tiveram muita tranquilidade da decisão na rede desde o início, desta vez Alison foi logo parando um ataque e mostrando que a história poderia ser diferente. Ótimo bloqueio como cartão de visitas. Os brasileiros abriram dois pontos de vantagem até 6/4. Momento em que um ataque e erro de recepção de Álvaro proporcionaram o empate. Trocaram pontos até 9 a 9, momento em que Alison se impôs com ataque e bloqueio e novamente o Brasil abriu dois pontos: 11/9.

A vantagem para dar calma acabou rapidamente desaparecendo após pedido de tempo estratégico dos letões. Voltaram com a cabeça no lugar e viraram para 14 a 12 após dois erros de ataque de Alison. Depois de início muito bom, um momento delicado à dupla verde amarela. Sem acertar mais nada, viram a maior vantagem no set aparecer com 17 a 13.

O nervosismo na reta final acabou decisivo. Numa cortada para fora de Alison, os europeus comemoraram a vitória no primeiro set com 21 a 16. O saque não entrava e as largadas irritaram muito os brasileiros, sobretudo o camisa 1, responsável pelos bloqueios.

Jogando a sobrevida na partida, a dupla do Brasil equilibrou o começo do segundo set e trocava pontos, apesar da pouca vibração em quadra. Alison, ao virar as bolas, baixava a cabeça. Mostrava tristeza e cansaço. Os letões abriram 7 a 5.

Sem conseguir se acertar, os brasileiros chegaram a bater boca em um pedido de tempo. Necessitando ganhar o segundo set para levar a decisão ao tie-break, a dupla falhava acima do normal. Com 14 a 10 contra, os brasileiros já somavam 10 erros contra 3.

Um bloqueio de Alison diminuiu a vantagem para 17 a 16 e serviria para recolocar os brasileiros no set. Mas dois pontos seguidos dos europeus frustraram a boa recuperação. Alison salvou dois match points em bloqueios. Mas um toque na rede custou a derrota com 21 a 19.

"Fizemos um primeiro set igual, estávamos sempre na frente. Tivemos bola para abrir 12 a 9 e não conseguimos. Eles viraram para 14 a 12 e a gente não estava conseguindo se concentrar, errando muito. O sistema defensivo não funcionou e atrapalhou nos ataques", reclamou Alison.

Álvaro Filho, apesar de ser o mais vibrante na partida, optou por assumir os erros na eliminação. "Foi bacana nossa trajetória. Hoje não consegui ter tanta concentração no contra-ataque, saque e até no levantamento. Não consegui ajudar, mas a jornada é o que fica", disse, desolado.

Alison aproveitou o fato de o Brasil não ter mais representantes na disputa e pela primeira vez na história ficar fora do pódio, algo inédito para o vôlei de praia dono de 13 medalhas, para mandar um recado.

"As pessoas em casa vão olhar e ver que as duas duplas da Letônia estão nas semifinais e vão achar estranho. O mundo está investindo no vôlei de praia e nós, parados. Tem de melhorar, investir mais, a confederação olhar com bons olhos. Esperar um Ricardo e Emanuel, um Alisson e Emanuel não dá", desabafou Alison, que deixou o futuro em aberto da dupla e também se disputará outros Jogos.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Pesquisa: pessoas que seguem em home office têm salário e formação maiores

Mercado de trabalho
01:54 | Ago. 04, 2021
Autor Isabela Queiroz Especial para O POVO
Foto do autor
Isabela Queiroz Especial para O POVO Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Trabalhar em casa passou a ser a principal medida para cumprir decretos de isolamento social durante a pandemia de Covid-19 no ano passado e acelerou a tendência de trabalho no mercado. No entanto, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha, o regime de trabalho remoto caiu em 2021, permanecendo apenas em alguns segmentos.

Dentre os entrevistados na pesquisa Datafolha, 24% estão em home office. Destes, 48% possuem formação no ensino superior e 49% ganham mais de dez salários mínimos. Em relação a 2020, o número caiu 20 pontos percentuais, já que 44% dos entrevistados estavam em regime de trabalho remoto no ano passado.

Dentre os 76% dos entrevistados que não estão em home office em 2021, 96% têm formação até o ensino fundamental e 90% ganham até dois salários mínimos (ou R$ 2.200, em valores deste ano). Neste grupo, 54% relataram piora da situação financeira ao longo da pandemia. Essa percepção cai para 22% entre os que ganham mais de 10 salários mínimos.

Home office foi minoria entre trabalhadores, diz pesquisa

Ainda de acordo com o estudo, apenas 37% dos entrevistados esteve em regime de trabalho remoto em algum momento da pandemia. Destes, 61% têm ensino superior e 65% ganham de cinco a dez salários mínimos. Do total de quem trabalhou remotamente, 16% gostariam de retomar o presencial e 21% gostariam de manter o home office.

Dentre os entrevistados da pesquisa que estão em home office (24%), 11% acreditam que a prática irá diminuir e apenas 5% apostam em aumento das atividades remotas.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags