PUBLICIDADE
Futebol
NOTÍCIA

Pior visitante, São Paulo é cobrado para reagir fora no returno

O São Paulo terminou o primeiro turno do Campeonato Brasileiro na 17ª posição, dentro da zona de rebaixamento, portanto. A má campanha do Tricolor tem como principal vilão o retrospecto fora de casa. O time é o pior visitante entre os 20 clubes da competição, conquistando míseros quatro dos 30 pontos disputados longe do Morumbi. [?]

10:22 | 08/08/2017

O São Paulo terminou o primeiro turno do Campeonato Brasileiro na 17ª posição, dentro da zona de rebaixamento, portanto. A má campanha do Tricolor tem como principal vilão o retrospecto fora de casa. O time é o pior visitante entre os 20 clubes da competição, conquistando míseros quatro dos 30 pontos disputados longe do Morumbi.

Das dez partidas em que atuou na condição de forasteiro, o São Paulo acumulou oito derrotas, um empate e apenas uma vitória. O aproveitamento é de apenas 13,3%, pior até que o do lanterna do torneio, o Atlético-GO, que tem 14,81%, com um jogo a menos fora de casa em relação aos paulistas, porém.

Após a épica vitória por 4 a 3 sobre o Botafogo, no Rio de Janeiro, a expectativa no Morumbi era de arrancada no Brasileirão, sobretudo de uma evolução do time como visitante. No entanto, nada disso aconteceu e o São Paulo encerrou a primeira parte do campeonato com um aproveitamento geral de 33,3% (19 pontos) ? levando-se em conta os duelos dentro e fora de casa.

?Primeiro turno horroroso, longe da expectativa. É continuar trabalhando, não tem o que fazer, persistir. O aproveitamento fora de casa é péssimo, horrível, não tem muito o que falar nesse momento, é trabalhar para tentar reverter no segundo turno?, avaliou Vinicius Pinotti, diretor-executivo de futebol, em entrevista à Espn Brasil.

Depois de encarar o Cruzeiro, no próximo domingo, no Morumbi, o time treinado por Dorival Júnior terá uma dura sequência longe do Morumbi. Visitará o Avaí, em 20 de agosto, na Ressacada, e o Palmeiras, no dia 27, no Palestra Itália.

Por isso, o dirigente tricolor cobra ?principalmente um pouquinho mais de comprometimento. Não é cobrar dos jogadores ? a cobrança acontece todos os dias -, é um pouquinho de trabalho coletivo para gente sair dessa?.

Gazeta Esportiva

TAGS