PUBLICIDADE
NOTÍCIA

Beyoncé faz história e se torna artista mais premiada do Grammy

A cerimônia foi dominada pelas mulheres e Megan Thee Stallion levou o prêmio de artista revelação

07:39 | 15/03/2021
Beyoncé bateu o recorde ao vencer na categoria de melhor interpretação de R&B por "Black Parade". (Foto: Reprodução Instagram)
Beyoncé bateu o recorde ao vencer na categoria de melhor interpretação de R&B por "Black Parade". (Foto: Reprodução Instagram)

Beyoncé fez história no Grammy nesse domingo, 14, ao bater o recorde de mais gramofones de uma artista na história. A rapper Megan Thee Stallion venceu em três categorias e a cantora Taylor Swift levou o principal prêmio da noite, em uma cerimônia com distanciamento social e que recordou os protestos antirracistas de 2020.

A noite foi espetacular para Beyoncé, que superou o recorde de artista feminina com mais gramofones, ao receber a 28ª estatueta de sua carreira.

Beyoncé bateu o recorde ao vencer na categoria de melhor interpretação de R&B por "Black Parade", canção que celebra a cultura e o ativismo negros durante os protestos provocados pela morte de George Floyd durante sua detenção por policiais em 2020.

"Como artista, acredito que é meu trabalho e o trabalho de todos refletir o nosso tempo", disse Beyoncé ao receber o gramofone, o quarto da noite. "Eu queria elevar, alentar, celebrar todas as belas rainhas e reis negros que seguem me inspirando e inspirando o mundo inteiro".

Os críticos acusam a Academia de Gravação de ter esnobado Beyoncé nos últimos anos, pois a cantora não venceu nas categorias principais por trabalhos aclamados. Apesar de bater o recorde de gramofones, a tendência voltou a acontecer.

Premiações

 

A cerimônia foi dominada pelas mulheres e Megan Thee Stallion levou o prêmio de artista revelação e compartilhou com Beyoncé os Grammys de melhor canção de rap e melhor interpretação de rap pelo remix de "Savage".

Taylor Swift se tornou a primeira mulher a vencer três vezes na categoria Álbum do Ano, desta vez por "Folklore".

Eilish, de 19 anos, ganhou o Grammy de Gravação do Ano pelo segundo ano consecutivo graças ao hit "Everything I Wanted".

Em outro momento que recordou o movimento antirracista, a cantora H.E.R. levou o prêmio de Canção do Ano por "I Can't Breathe", sobre a dor das pessoas negras e a brutalidade policial.

A estrela britânica Dua Lipa venceu na categoria Álbum Vocal Pop por "Future Nostalgia".

Embora a maioria das categorias de rock estivesse dominada pelas mulheres, o grupo The Strokes levou seu primeiro Grammy ao vencer na categoria Álbum de Rock por "The New Abnormal".

E Kanye West venceu seu 22º Grammy, mas não por seu estilo habitual: o artista que ganhou fama no mundo do rap agora tem um gramofone na categoria música cristã.

Momentos da noite

 

Megan, 26 anos, também se uniu a Cardi B em uma apresentação de "WAP", uma ousada celebração da sexualidade feminina que terminou com as cantoras e dançarinas seminuas em uma grande cama.

Mas a noite também foi marcada por outras interpretações: Dua Lipa, DaBaby, Billie Eilish, Bad Bunny e Harry Styles.

A ativista Tamika Mallory subiu ao placo ao lado do rapper Lil Baby, que interpretava "The Bigger Picture". Em uma mensagem ao presidente Joe Biden, ela exigiu "justiça, equidade, políticas e tudo que envolve a liberdade".

No início da premiação, o apresentador Trevor Noah fez uma piada ao afirmar que aquele era o maior evento ao ar livre de 2021 desde a insurreição em Washington em janeiro.

"Sei que vocês não podem ir a um show há muito tempo, assim como eu. Assim, esta noite te oferecemos um show", disse o humorista.

Com informações da AFP