PUBLICIDADE
Divirta-se
Paraíso do Tuiuti

Escola de samba que fez "Temer Vampiro" divulga enredo sobre Bode Iô Iô, ícone cearense

O enredo busca apresentar a história do animal em meio a críticas

13:16 | 11/07/2018
(Foto: Reprodução/ Youtube)
 
Em preparação para o Carnaval 2019, a escola de samba Paraíso do Tuiuti lançou vídeo com o novo samba-enredo que vai ser base para a narrativa seguida na competição do ano que vem. O Bode Iô Iô, ícone do imaginário cearense, foi o tema escolhido pela escola. O animal chegou a ser eleito vereador como um protesto da população em 1922. Paraíso do Tuiuti foi eleita vice-campeã este ano com o enredo que trazia diversas críticas sociais, inclusive uma representação vampiresca do presidente Michel Temer (MDB). 
 
“Do nada um Bode vindo lá do interior, destino pobre, nordestino sonhador, vazou da fome, retirante ao Deus dará”, canta a música. O bode vereador é retratado como “salvador da pátria” e a escola afirma que o ele os representa, chamando os foliões para "bodejar" juntos. O enredo busca apresentar a história do animal, contada no Museu do Ceará, onde ele está empalhado no Centro de Fortaleza, em meio a críticas sobre a atual situação do país
 
O objetivo da escola é manter o tom de questionamento para a política brasileira. Quem vai dar forma ao enredo é o carnavalesco Jack Vasconcelos. Além da Tuiuti, a escola Imperatriz é outra do Grupo Especial que tem temática político-social para o desfile do próximo ano. “Me dá um dinheiro aí” deve seguir também o mesmo tom crítico do Carnaval de 2018. 
 
O Ceará também será tema da escola União da Ilha. Com assinatura do carnavalesco Severo Luzardo, o enredo A peleja poética entre Rachel e Alencar no avarandado do céu parte de uma leitura lúdica das obras dos escritores José de Alencar e Rachel de Queiroz.  
 
Confira a letra completa do enredo: 
 
Vendeu-se o Brasil num palanque da praça
E ao homem serviu ferro, lodo e mordaça...
Vendeu-se o Brasil do sertão até o mangue
E o homem servil verteu lágrimas de sangue
Do nada um Bode vindo lá do interior
Destino pobre, nordestino sonhador
Vazou da fome, retirante ao Deus dará
Soprou as chamas do dragão do mar
Passava o dia ruminando poesia
Batendo cascos no calor dos mafuás
Bafo de bode perfumando a boemia
Levou no colo Iracema até o cais
Com luxo não! Chão de capim!
Nasceu Muderna Fortaleza pro Bichim
Pega na viola, diz um verso pra iô iô
O salvador! O salvador! (Da pátria)
Ora, meu patrão, vida de gado desse povo tão marcado
Não precisa de dotô
Quando clareou o resultado
Tava o bode ali sentado aclamado vencedor
Nem berrar, berrou, sequer assumiu
Isos aqui iô iô é um pouquinho de Brasil
O meu Bode tem cabelo na venta
O Tuiuti me representa
Meu Paraíso escolheu o Ceará
Vou bodejar, lá iá lá iá
 
 
 
Redação O POVO Online