PUBLICIDADE
Coronavírus
Noticia

Ao contrário do dito por Bolsonaro, especialistas veem subnotificação de covid no Brasil

Presidente diz que mortes pela doença estão infladas, mas a verdade é que ocorre justo o contrário

12:29 | 11/06/2021
Presidente Jair Bolsonaro (Foto: EVARISTO SA / AFP)
Presidente Jair Bolsonaro (Foto: EVARISTO SA / AFP)

O presidente Jair Bolsonaro denunciou no último dia 7 de junho uma suposta supernotificação de óbitos por Covid-19 no Brasil, citando como fonte um relatório do Tribunal de Contas da União (TCU), que negou a autoria do documento. Especialistas indicaram à AFP que, ao contrário do que apontaria o relatório, é muito provável que o número de mortes por covid-19 no país seja superior ao das estatísticas oficiais.

Ao deixar o Palácio da Alvorada no último dia 7 de junho, Bolsonaro disse a apoiadores que divulgaria "em primeira mão" um relatório do TCU mostrando que "em torno de 50% dos óbitos por covid-19 no ano passado não foram por covid". Oficialmente, foram registrados 194.949 óbitos pela doença no Brasil em 2020.

Após a fala, o TCU esclareceu que a informação citada não pertencia a nenhum relatório do órgão, mas a "uma análise pessoal de um servidor do Tribunal" sem respaldo "em nenhuma fiscalização do TCU".

Em 8 de junho de 2021, o presidente admitiu que errou ao atribuir o documento ao TCU, mas insistiu na existência de uma supernotificação de óbitos por Covid-19. "Vocês devem ter visto muitos vídeos no WhatsApp de pessoas falando 'meu pai, meu tio, meu irmão, não morreu de covid' e botaram Covid por quê?", questionou.

No entanto, para especialistas, a realidade do Brasil é oposta à citada por Bolsonaro.

"Muito mais mortes"

"Nós, com certeza, temos muito mais casos e muito mais mortes do que as estatísticas oficiais informam", disse à AFP Paulo Petry, doutor em Epidemiologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

"Primeiramente, em função da pouca testagem. O Brasil, de fato, nunca testou em massa a sua população. Uma das premissas da epidemiologia, [que] chamamos de busca ativa, é testar em massa a população, identificar os casos positivos, isolar esse caso e rastrear os seus contactantes diretos. Essa política nunca foi implementada e, com isto, nós temos uma subnotificação", detalhou o especialista.

Outro motivo, citou Petry, é que a Covid-19 muitas vezes é "silenciosa". "Nós chamamos de assintomáticos aqueles que têm o vírus, mas não apresentam nenhum tipo de sintoma, o que faz com que normalmente essas pessoas sigam a sua vida normal" e não sejam diagnosticados, disse o epidemiologista.

A identificação da doença também é difícil quando o vírus se manifesta de maneira atípica, indicou à AFP o infectologista Evaldo Stanislau, do Hospital das Clínicas, em São Paulo.

Ele também explicou que, mesmo quando o teste é realizado, o resultado pode não ser confiável: "Muitas vezes a amostra pode sair como negativa, mas é um falso negativo porque colheu no momento errado, porque [o laboratório] transportou errado". Resultados falso positivos também são possíveis, mas mais raros, como explicou o editor-chefe da Harvard Health Publishing, Robert Shmerling, em artigo de agosto de 2020.

Essas possíveis falhas no processo de diagnóstico podem afetar o preenchimento das declarações de óbito, impactando diretamente na contagem de mortes por covid-19, explicou o infectologista: "Então, o sistema naturalmente te empurra para a subnotificação".

Estudos reforçam subnotificação

No início de maio de 2021, o Instituto de Métricas e Avaliação em Saúde (IHME, na sigla em inglês) da Universidade de Washington estimou que o Brasil teria 595.903 mortes por covid-19, mais do que as 408.680 registradas oficialmente na época.

Um estudo com participação de pesquisadores da Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz) também estimou a existência de "alta subnotificação de mortes por covid-19", ao identificar um excedente de mortes por causas naturais em quatro cidades durante a pandemia do coronavírus.

Em junho de 2020, o Centro de Pesquisas Epidemiológicas da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) apontou um quadro semelhante. De acordo com o levantamento, para cada caso confirmado de covid-19 segundo as estatísticas oficiais, existiam sete casos reais nos principais centros urbanos brasileiros.

Até este dia 9 de junho, foram registrados oficialmente 476.792 óbitos por covid-19 no Brasil, tornando o país o segundo com o maior número de mortes pela doença.