Participamos do

Covid-19 assola Uruguai, Argentina e Paraguai

Entre países do Cone Sul, a exceção é o Chile, onde há "uma redução gradual de novos casos".
15:19 | Mai. 27, 2021
Autor AFP
Tipo Notícia

A pandemia tem dominado os países do sul da América Latina, onde nem a política permissiva do Uruguai nem os confinamentos obrigatórios da Argentina os impediram de liderar a taxa de mortalidade mundial por covid-19 juntamente como seu vizinho Paraguai.

 

Quinze meses após o aparecimento do vírus na região, esses países vivem hoje o pior momento da crise sanitária.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

 

"A carga dos serviços, inclusive para pacientes graves e em unidades de terapia intensiva, ainda é muito alta na maioria dos países do Cone Sul", alertou Sylvain Aldighieri, gerente de incidentes para a covid-19 da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS).

 

A exceção é o Chile, onde há "uma redução gradual de novos casos".

 

O responsável advertiu sobre a pressão que "virá com o início do inverno austral, que historicamente coincide com o período das doenças respiratórias agudas", e exortou as autoridades a aplicar e fiscalizar com rigor as medidas de saúde pública.

 

A prevalência da variante brasileira do vírus e o aumento da mobilidade podem explicar o agravamento, concordam os especialistas.

 

No Uruguai, "as pessoas não acreditam" na gravidade do vírus, disse à AFP o intensivista Francisco Domínguez. "Até que você tenha um parente aqui, você não acredita".

 

Depois de ocupar as manchetes internacionais por sua gestão exemplar da pandemia, o país passou a liderar o ranking de mortes por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias, com 22, segundo dados da AFP estabelecido nesta quinta-feira a partir de dados oficiais.

 

Atrás, estão Paraguai, com 19 mortos, e Argentina, com 15. Colômbia, Brasil e Peru continuam na lista. Para referência, os Estados Unidos registram 2,5.

 

Com 3,6 milhões de habitantes, o Uruguai apresenta hoje números "históricos" de internações em unidades de terapia intensiva (UTI), disse à AFP Julio Pontet, presidente da Sociedade Uruguaia de Medicina Intensiva.

 

Para proteger a economia, o presidente Luis Lacalle Pou defende a "liberdade responsável" dos cidadãos e se recusou a confinar a população, apesar da pressão do sindicato médico e de setores da oposição e da sociedade civil.

 

Um ritmo intenso de imunização - 28% da população completamente vacinada e 47% com uma dose - ainda não se refletiu claramente na curva de contágio e mortalidade, como está acontecendo no Chile.

 

Esta campanha já alcançou os jovens uruguaios. Florencia de Britos, de 19 anos, encarou na quarta a longa fila de um posto móvel de vacinação no departamento de Canelones (sul), uma iniciativa do governo destinada a inocular habitantes de áreas menores ou de difícil acesso.

 

"Obviamente, não vou me aposentar", disse à AFP. "Sempre quis ser vacinada".

 

 

O cansaço se faz notar na Argentina após um 2020 de toques de recolher e confinamentos, que recentemente foram alternados com períodos de flexibilização.

 Neste arquivo foto tirada em 13 de abril de 2021 trabalhadores de saúde atendem paciente COVID-19 na Unidade de Terapia Intensiva de El Cruce - Hospital Dr. Nestor Kirchner em Florencio Varela.
Neste arquivo foto tirada em 13 de abril de 2021 trabalhadores de saúde atendem paciente COVID-19 na Unidade de Terapia Intensiva de El Cruce - Hospital Dr. Nestor Kirchner em Florencio Varela. (Foto: RONALDO SCHEMIDT / AFP)

 

"Estou uma pilha de nervos, tive que ir ao psiquiatra", reclamava Nadia Mariella, aposentada de 73 anos, após se vacinar no estádio coberto Luna Park, em Buenos Aires.

 

No sábado, o país iniciou nove dias de quarentena total para enfrentar um novo combate, com uma média diária sem precedentes de 30 mil infecções e 500 mortes.

 

Comportamentos irresponsáveis, adoção tardia de restrições mais duras, falta de vacinas e as novas e mais agressivas variantes do vírus explicam a voracidade dessa nova onda, segundo Elisa Estenssoro, integrante do comitê de especialistas que assessora o governo de Alberto Fernández.

 

"Os hábitos da população não são consistentes: encontros sociais, gente sem máscara... Tem uma parte que cumpre e outra que nega ou se rebela", comentou.

 

A infraestrutura de saúde está no limite. Em Neuquén (sudoeste), o hospital Heller, o maior da província, fechou as portas por falta de oxigênio.

 

No hospital Durand, em Buenos Aires, há "falta de leitos e o pessoal está exausto", contou o enfermeiro Héctor Ortiz. "Quando os leitos se liberam é devido a mortes e eles se reocupam".

 

Na terça-feira, protestos convocados nas redes sociais ocorreram em várias cidades contra as restrições, que dividem um país que começava a dar sinais de reativação após três anos de recessão agravada pela pandemia.

 

Em relação à vacinação, cerca de 8,7 milhões dos 45 milhões de cidadãos (menos de 20%) receberam a primeira dose e 2,4 milhões estão com o esquema completo, segundo dados oficiais.

 

A falta de insumos e vacinas é crítica no Paraguai.

 

O governo de Mário Abdo Benitez estendeu o toque de recolher noturno até 7 de junho, enquanto a mobilidade diurna é pouco afetada, fundamentalmente com capacidade reduzida.

 

"Hoje vivemos uma circulação comunitária alta, com pouca resposta sanitária, com falta de insumos e falta de vacinas", lamentou o epidemiologista Tomás Mateo Balmelli.

 

Apenas 3% dos 7,3 milhões de habitantes estão vacinados e as autoridades reconheceram em março 100% de ocupação das UTIs.

 

Os pacientes "estão morrendo nos bancos ou leitos de hospitais, ou em corredores de hospitais e (...) em suas próprias casas", afirmou o especialista.

 

Dezenas de pessoas se aglomeram nas entradas dos hospitais para acompanhar a evolução de seus familiares, impossibilitados de acompanhá-los.

 

Uma enfermeira, Elizabeth Marín, se acorrentou na semana passada em frente à sede do Ministério da Saúde para exigir um leito de terapia intensiva. "Tem que haver um lugar para meu pai. É seu direito", disse a repórteres.

 

O vice-ministro Hernán Martínez prometeu conseguir um para ela depois de pedir "um pouco de paciência". Paciência que geralmente é letal.


Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags