PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Ceará vai vacinar pessoas com HIV na 3ª fase da campanha contra Covid

Inclusão foi realizada pelo Ministério da Saúde (MS) em nota técnica emitida nessa segunda-feira, 29

Gabriela Almeida
21:27 | 30/03/2021
O grupo agora recebe as doses contra a doença junto às pessoas que apresentam comorbidades como diabetes e hipertensão, discriminadas na terceira etapa da campanha. (Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)
O grupo agora recebe as doses contra a doença junto às pessoas que apresentam comorbidades como diabetes e hipertensão, discriminadas na terceira etapa da campanha. (Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Atualizada no dia 31/03 às 8h20min

O Ministério da Saúde (MS) emitiu uma nota técnica nessa segunda-feira, 29, informando a inclusão de pessoas com HIV no grupo prioritário da campanha de vacinação contra a Covid-19. Com a medida, o Ceará e demais estados brasileiros devem imunizar contra o vírus pandêmico os indivíduos que se enquadram nesse perfil, e que tenham idade entre 18 e 59 anos, durante a terceira fase da campanha. 

A pasta já havia anunciado, em janeiro deste ano, a entrada de pessoas que convivem com HIV no grupo prioritário do processo de imunização, mas somente aquelas cujo nível das células do sistema imunológico denominadas CD4, principal alvo do vírus da imunodeficiência humana, estivesse menor que 350. Na nota emitida ontem, o órgão descartou essa regra de contagem e estendeu priorização a todos que convivem com HIV, determinando apenas a faixa etária. 

De acordo com o ministério, a intenção da decisão é "reduzir o impacto da pandemia" nas pessoas que têm HIV, após evidências científicas apontarem que elas correm riscos de serem alvos de "desfechos negativos da Covid-19". Nesse sentido, o grupo agora recebe as doses contra a doença junto às pessoas que apresentam comorbidades como diabetes e hipertensão, discriminadas na terceira etapa da campanha.

| LEIA MAIS |

Polícia diz que houve assalto e vítimas se esconderam, mas não houve reféns em farmácia

Presa quadrilha que roubava motos e vendia em feira de Fortaleza

Incêndio atinge prédio do jornal Folha de S.Paulo nesta terça-feira

A nota explica ainda que a limitação da idade se deve pelo fato de pessoas acima de 60 anos já estarem contempladas na priorização por faixa etária no Plano Nacional de Imunização (PNI). Ou seja, independente de conviverem ou não com HIV, os indivíduos considerados idosos já estão inclusos no grupo prioritário. 

Embora a pasta tenha realizado a inclusão, alguns governadores e gestores municipais podem ainda acabar por optando não seguindo algumas determinações do PNI. Procurada pelo O POVO, a Secretária de Saúde do Ceará (Sesa) afirmou que vai obedecer recomendação e já incluiu pessoas com HIV, entre 18 a 59 anos, no Plano de Operacionalização da Vacinação do Estado.

Na quarta-feira, 31, secretária executiva de Vigilância e Regulação da Sesa, Magda Almeida, acrescentou que a população vivendo com HIV estava prevista no plano estadual de vacinação dentro do grupo de imunossuprimidos. "Neste momento, a partir do cadastro no Saúde Digital, a gente vai conseguir identificar essas pessoas para que elas tomem a vacina de acordo com autorização do Ministério da Sáude", afirmou em vídeo divulgado.

Inclusão do grupo no Ceará 

Vando Oliveira, coordenador da Rede Nacional de Pessoas Vivendo com HIV e Aids (RNP CE), afirma que a inclusão "é uma grande vitória". O ativista destaca ainda que a preocupação agora é em como será realizado o processo de vacinação desse grupo, uma vez que pessoas que convivem com o vírus têm o direito de manter em sigilo a sua condição sorológica.

"A gente precisa agora dialogar com o programa de imunização municipal quanto a um preocupação da gente que é como vai ser a vacinação dessas pessoas. Se vai ser em um local onde ela já faz acompanhamento. Para que seja garantido esse sigilo sorológico das pessoas com HIV", destaca o coordenador.

De acordo com a Sesa, a logística da vacinação deve ser elaborada e anunciada por cada município a medida em que fases são avançadas. No entanto, algumas cidades cearenses, como Fortaleza, ainda seguem vacinando idosos acima de 68 anos, migrando agora para a segunda fase do plano de imunização.

A Secretaria de Saúde Municipal (SMS) também foi procurada pelo O POVO mas, até o fechamento desta matéria, não havia retornado.