PUBLICIDADE
Coronavírus
Noticia

Pela regra atual, igrejas não devem poder funcionar durante lockdown em Fortaleza

A medida anunciada na noite desta quarta-feira em transmissão ao vivo proíbe o funcionamento de atividades consideradas não essenciais durante os dias 5 e 18 de março

Leonardo Maia
22:22 | 03/03/2021
Antes do lockdown, missas já aconteciam em horário restrito. (Foto: FABIO LIMA)
Antes do lockdown, missas já aconteciam em horário restrito. (Foto: FABIO LIMA)

Com o lockdown decretado no Ceará, igrejas não deverão poder funcionar com público em Fortaleza a partir da próxima sexta-feira, 5, a serem mantidas as regras do decreto anterior. O reinício do isolamento social rígido foi divulgado em live do governador Camilo Santana na noite desta quarta, 3. O período em que apenas atividades essenciais podem funcionar na Capital vai durar duas semanas — tempo do ciclo do novo coronavírus — e segue até o dia 18 deste mês.

Nos decretos até aqui, as igrejas têm tido restrições de horário e público. Na Assembleia Legislativa e na Câmara Municipal de Fortaleza, tramitam medidas para tornar igrejas atividades essenciais, mas ainda não foram sancionadas e nenhuma delas está em vigor.

Camilo recomendou ainda que outros municípios em estado grave do Ceará também adotem a medida. O governador disse que a decisão foi tomada após um dia inteiro de reuniões com o comitê que decide ações da Covid-19 e, nesta noite, com o setor produtivo. Ele chegou a citar o novo recorde de mortes que o Brasil registrou novamente na noite desta quarta-feira, 3.

Após decretos estaduais anteriores, que iniciaram e ampliaram o toque de recolher, a Arquidiocese de Fortaleza reduziu o horário das missas para que os fiéis pudessem cumprir a medida, assim como ampliou o número de eventos em cada dia. O rigor do cumprimento das normas sanitárias também foi intensificado.

Inicialmente, mesmo com autorização do Executivo estadual para retomada das atividades em 2020, as igrejas preferiram aguardar mais tempo para voltar presencialmente. O retorno dos templos em setembro de 2020 foi conduzido de acordo com os protocolos, que foram indicados à época por meio de Carta Circular.