PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Governo de SP solicitará uso emergencial de vacina contra Covid-19 na quinta, 7, diz portal

A expectativa por parte do governo paulista é conseguir cumprir a promessa de iniciar a imunização da população no dia 25 deste mês. O governador João Dória deve fazer o anúncio em coletiva de imprensa

Alan Magno
23:44 | 04/01/2021
O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), pretende solicitar o uso emergencial da vacina CoronaVac contra Covid-19 nesta quinta-feira, 7 (Foto: NELSON ALMEIDA / AFP)
O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), pretende solicitar o uso emergencial da vacina CoronaVac contra Covid-19 nesta quinta-feira, 7 (Foto: NELSON ALMEIDA / AFP)

Em meio à crescente nos registros de novos casos e óbitos pela Covid-19 e o negacionismo do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), o governo de São Paulo (SP) irá protocolar o pedido de uso emergencial da vacina CoronaVac nesta quinta-feira, 7. A informação foi divulgada pelo portal de notícias UOL, que apurou o fato com uma fonte ligada à gestão de Dória.

LEIA TAMBÉM | Mais 500 mil doses da vacina CoronaVac chegam ao Instituto Butantan

O pedido deve ser comentado publicamente pelo governador do estado, João Dória (PSDB), durante coletiva de imprensa na qual pretende anunciar a reclassificação dos municípios dentro do plano São Paulo, que determina as regras de isolamento social para combater a propagação da Covid-19.

A solicitação será enviada para a Agência Nacional de Fiscalização Sanitária (Anvisa). Após o recebimento do pedido, bem como da documentação necessária, acrescida dos resultados de todas as fases de testes da vacina, a entidade terá um prazo de 10 dias para se posicionar, autorizando a aplicação do agente imunizador ou não.

Os dados são de responsabilidade do laboratório multinacional chinês Sinovac Biotech, que atuou em parceria com o Instituto Butantan, incumbido da fabricação da vacina em solo brasileiro. A divulgação dos mesmos precisou ser adiada diante de impasses políticos envolvendo o governo federal, a Sinovac e os demais países em que a vacina foi testada.

LEIA TAMBÉM | CoronaVac mostra 91,25% de eficácia em ensaios clínicos de fase 3 na Turquia

Ainda segundo o UOL, em meio às polêmicas ideológicas levantadas por Bolsonaro, as informações sobre os testes feitos em brasileiros serão divulgadas diretamente para a Anvisa e não mais tornados públicos pelo governo paulista, conforme previsto por Dória. Até o momento, o Butantan apenas pontuou que a vacina é eficaz, e que ultrapassou o limite mínimo de 50% de eficácia. 

Junto ao pedido de uso emergencial, deve ser feita a solicitação do uso permanente da CoronaVac na população do estado de SP. O pedido permanente requer uma análise mais minuciosa por parte da Anvisa, sujeito a contestações dos dados em um processo que pode levar mais de 6 meses. Apesar disso, a posição do governo de São Paulo é que, com ou sem acordo com a entidade, a vacinação no estado começará daqui a 11 dias, conforme frisou o secretário de Saúde de SP, Jean Gorinchteyn, em entrevista à GloboNews nesta segunda, 4.