PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Manaus registra recorde de internações por Covid e abertura de covas na véspera de Réveillon

Número de internações alcançado em Manaus, capital do Amazonas, é maior do que o registrado em maio, no pico da pandemia no Brasil. Dados são da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas

23:50 | 01/01/2021
Foto aérea de arquivo tirada em 21 de junho de 2020 mostrando os túmulos no cemitério de Nossa Senhora Aparecida, em Manaus, Amazonas.  (Foto:  Michael Dantas/ AFP)
Foto aérea de arquivo tirada em 21 de junho de 2020 mostrando os túmulos no cemitério de Nossa Senhora Aparecida, em Manaus, Amazonas. (Foto: Michael Dantas/ AFP)

A cidade de Manaus registrou o número recorde de 124 pessoas internadas com Covid-19 em um período de 24 horas, em 31 de dezembro de 2020, na véspera do Réveillon. O número é maior que o registrado em maio, no pico da pandemia do novo coronavírus no Brasil, e mais alto que o recorde anterior, registrado em 29 de dezembro, com 112 internados.

Os dados foram divulgados por boletim epidemiológico da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM) e as informações são do jornal Folha de S.Paulo.

LEIA TAMBÉM | Brasil tem 200 mil mortes além do esperado em 2020; Ceará tem alta de 45%

Na última segunda-feira, 28 de dezembro, o decreto que restringia comércios e serviços não essenciais até 10 de janeiro foi revogado. O governo do estado iniciou a instalação de contêineres com câmaras frias para condicionar os corpos de vítimas de Covid-19 nos hospitais de referência e de tendas para a triagem dos pacientes e atendimento de familiares.

LEIA MAIS | Camilo lamenta marca de 10 mil mortos por Covid-19 no Ceará

Em outra iniciativa, a Prefeitura de Manaus anunciou a preparação de um novo terreno no maior cemitério municipal, com a abertura de espaço para mais de mil covas, além da construção de gavetas funerárias para atender a demanda por enterros, que em dezembro de 2020 foi 21% maior do que o mês de dezembro de 2019.

Recomendações


Na última terça-feira, 29 de dezembro, diversos órgãos do estado do Amazonas entregaram uma carta ao governador Wilson Lima (PSC) com a recomendação do fechamento dos comércios e serviços não essenciais, como lojas, shoppings, bares, restaurantes, flutuantes e casas noturnas enquanto a taxa de ocupação dos leitos de UTI para Covid-19 na rede pública estiver acima de 85%. O pedido foi assinado pelo Ministério Público Estadual (MPE), o Ministério Público do Trabalho (MPT), a Defensoria Pública do Estado (DPE) e pela Defensoria Pública da União (DPU).

No dia que a recomendação foi feita, a taxa de ocupação dos leitos era de 92%. O governador do estado chegou a anunciar que a recomendação seria avaliada pelos técnicos responsáveis, mas não foi acatada pelo gestor do Amazonas.

Novos leitos de UTI foram abertos nos hospitais públicos na quarta-feira, 30 de dezembro, e a taxa de ocupação divulgada pela FVS-AM desceu para 85%. Durante a véspera do Ano Novo, a taxa de ocupação dos leitos de UTI foi registrada em 81% na rede pública.

Na rede privada de hospitais, a taxa cresceu. Na quinta-feira, 31 de dezembro, registrou 93% dos leitos de UTI ocupados. Segundo a Folha de S.Paulo, sete dos 11 hospitais particulares de Manaus já anunciaram que chegaram à lotação máxima dos leitos.