PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Cientistas britânicos testam medicamento para prevenir a Covid-19

A terapia de anticorpos conferiria imunidade instantânea contra a doença e poderia ser administrada como tratamento de emergência

17:34 | 26/12/2020
O remédio está sendo desenvolvido pela University College London Hospitals (UCLH) em parceria com a farmacêutica AstraZeneca. (Foto: JEFF PACHOUD / AFP)
O remédio está sendo desenvolvido pela University College London Hospitals (UCLH) em parceria com a farmacêutica AstraZeneca. (Foto: JEFF PACHOUD / AFP)

Cientistas do Reino Unido estão testando um novo medicamento que poderia impedir alguém que tenha sido exposto ao coronavírus de desenvolver a Covid-19. O remédio está sendo desenvolvido pela University College London Hospitals (UCLH) em parceria com a farmacêutica AstraZeneca. As informações são do jornal britânico The Guardian e foram publicadas nessa sexta-feira, 25.

Conforme a reportagem, a terapia de anticorpos conferiria imunidade instantânea contra a doença e poderia ser administrada como tratamento de emergência a doentes internados em hospitais e em residentes em lares para ajudar a conter os surtos.

Dessa forma, as pessoas que vivem em casas onde alguém foi infectado pelo Sars-Cov-2 poderiam receber o medicamento para garantir que não ficassem doentes também. Outra possibilidade de aplicação seria em grupos como estudantes universitários, entre os quais o vírus pode se propagar rapidamente.

Catherine Houlihan, virologista do University College London Hospitals (UCLH) que lidera um estudo chamado "Storm Chaser" sobre o fármaco, disse que a substância pode ser uma arma importante no combate à pandemia caso venha se mostrar eficaz.

"Se pudermos provar que este tratamento funciona e previne as pessoas que estão expostas ao vírus de desenvolver o Covid-19, seria uma adição importante ao arsenal de armas que está a ser desenvolvido para combater este vírus horrível", afirmou.

LEIA TAMBÉM | OMS: 60% a 70% da população terá que ser vacinada para imunidade de rebanho

Testes em andamento

O medicamento foi desenvolvido pela UCLH em parceria com a AstraZeneca, empresa farmacêutica que também, juntamente com a Universidade de Oxford, criou uma vacina. A Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde do Reino Unido (MHRA, em inglês) deverá aprovar o imunizante para utilização na Grã-Bretanha na próxima semana.

A equipe à frente dos testes desse novo medicamento espera que o ensaio demonstre que o coquetel de anticorpos protege contra a Covid-19 durante entre seis e 12 meses. Os participantes do ensaio estão recebendo o medicamento em duas doses, uma após a outra. Se for aprovado, será oferecido a alguém que tenha sido exposto ao Covid nos oito dias anteriores.

Com a aprovação, a perspectiva é que o remédio possa estar disponível logo em março ou abril, se for aprovado pelo órgão regulador de medicamentos depois de as provas do estudo terem sido revistas.

O ensaio envolve a UCLH, vários outros hospitais britânicos e uma rede de 100 locais a nível mundial. Neste mês, o hospital universitário tornou-se a primeiro unidade no mundo a recrutar pacientes para o ensaio de controle aleatório e a dar-lhes a injeção ou um placebo.

"Injetamos em 10 participantes - pessoal, estudantes e outras pessoas - que foram expostos ao vírus em casa, num ambiente de cuidados de saúde ou em salas de estudantes", disse Houlihan. Ela e os colegas seguiriam de perto os participantes para ver qual deles desenvolveria o Covid-19.

A proteção imediata que a droga promete poderia desempenhar um papel vital na redução do impacto do vírus até que todos estivessem imunizados. O programa de vacinação está em curso utilizando a vacina Pfizer/BioNTech e espera-se que seja levado até ao próximo verão, segundo informou o The Guardian.

O NHS England acelerou o lançamento da vacina esta semana após críticas dos chefes dos hospitais, dos chefes dos médicos de clínica geral e do antigo secretário de saúde Jeremy Hunt sobre a demora.

"A vantagem deste medicamento é que lhe dá anticorpos imediatos", disse Houlihan. "Poderíamos dizer aos participantes do ensaio que foram expostos ao vírus: sim, você pode ter a vacina. Mas não poderíamos dizer que isso os protegeria da doença, porque já seria tarde [pois as vacinas Pfizer e Oxford não conferem imunidade total em até um mês]".

LEIA TAMBÉM | Não há conhecimento suficiente sobre imunidade para deixar de vacinar quem já teve covid-19

Possibilidades para o futuro

Paul Hunter, professor de medicina na Universidade de East Anglia, especialista em doenças infecciosas, disse que o novo tratamento poderia reduzir significativamente o número de mortes por Covid-19.

"Se lidarmos com surtos em locais como residências, ou se tivermos pacientes que estão particularmente em risco de contrair Covid-19 de forma grave, como os idosos, isto pode muito bem salvar muitas vidas. Desde que se confirme nos ensaios da fase 3, poderia desempenhar um grande papel na manutenção de pessoas que, de outra forma, morreriam. Portanto, deveria ser uma coisa importante", disse ele.

Ainda segundo o professor, o remédio poderia ser eficaz para combater surtos em lares de idosos ou prevenir que pessoas mais velhas que tiveram contato com familiares infectados pelo coronavírus possam adoecer.

Componentes do remédio

O remédio envolve uma combinação de anticorpos de ação prolongada conhecida como AZD7442, que foi desenvolvida pela AstraZeneca. Em vez de anticorpos produzidos pelo corpo para ajudar a combater uma infecção, o AZD7442 utiliza anticorpos monoclonais, que foram criados num laboratório.

Em documentos sobre um ensaio clínico que a AstraZeneca registrou nos EUA, consta uma investigação sobre "a eficácia do AZD7442 para a profilaxia pós-exposição de Covid-19 em adultos. A proteína spike do Sars-CoV-2 contém o RBD [domínio de ligação dos receptores] do vírus, o que permite que o vírus se ligue aos receptores em células humanas. Ao visar esta região da proteína do vírus, os anticorpos podem bloquear a ligação do vírus a células humanas e, portanto, espera-se que bloqueie a infecção".

Num ensaio separado, chamado Provent, a UCLH está estudando se o medicamento poderia também proteger pessoas com sistemas imunitários comprometidos, tais como as que se submetem à quimioterapia para tratamento do câncer, que foram recentemente expostas ao vírus mas que não tiveram uma vacina ou em quem não desenvolveu imunidade a alguma condição pré-existente. Os ensaios "Provent" e "Storm Chaser" estão agora na fase 3.

Opção além da vacina

Nicky Longley, consultor em doenças infecciosas da UCLH, que lidera o segundo estudo, explicou que o medicamento pode funcionar como uma opção fora a vacina.

"Iremos recrutar pessoas mais velhas ou em cuidados prolongados, e que têm doenças como o câncer e o HIV que podem afetar a capacidade do seu sistema imunológico de responder a uma vacina. Queremos assegurar a qualquer pessoa para quem a vacina possa não funcionar que podemos oferecer uma alternativa que seja igualmente protetora", destacou ao The Guardian.

Ambos os ensaios estão sendo realizados no novo centro de investigação de vacinas da UCLH, que é financiado pelo braço de investigação do Serviço Nacional de Saúde (NHS, em inglês), o Instituto Nacional de Investigação da Saúde, e liderado pelo Prof. Vincenzo Libri.

O Dr. Richard Jarvis, vice-presidente do comitê de medicina de saúde pública da Associação Médica Britânica, esclareceu que para a grande maioria da população, a vacinação oferece a melhor proteção contra a Covid-19. "O pessoal do NHS está trabalhando 24 horas por dia para administrar a vacina ao maior número possível de pacientes vulneráveis nesta primeira etapa."

"Vai certamente ser interessante ver se estes ensaios são eficazes. Mas é importante que quaisquer novos tratamentos sejam minuciosamente investigados, escrutinados e, mais importante ainda, seguros antes de considerarmos a sua introdução", finalizou.