PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Presidente do BC diz que investir na vacina é mais barato que prorrogar auxílio

Durante evento promovido pela Eurasia Group, Campos Neto ressaltou que o Brasil não tem mais condições fiscais para prolongar gastos públicos

07:47 | 16/12/2020
O  presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto  (Foto: Marcello Casal JrAgência Brasil)
O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto (Foto: Marcello Casal JrAgência Brasil)

Roberto Campos Neto, presidente do BC (Banco Central), afirmou, nesta terça-feira, 15, que investir em vacinas contra a Covid-19 é mais barato que prorrogar os programas assistenciais do governo de enfrentamento à pandemia, como o auxílio emergencial. A declaração foi feita durante evento promovido pela Eurasia Group.

Neto disse que o mercado está focado em quem tem estratégia para a vacinação e reforçou que o Brasil não tem mais condições fiscais para prolongar gastos públicos.

“Entre os emergentes ficamos melhores, mas gastamos mais. Tivemos melhora nas previsões para a queda da atividade econômica, antes era de 10%, agora está entre 4% e 4,2%. Quando observamos a dívida pública e o risco, nos perguntamos, vale a pena?”, questionou.

O presidente do BC frisou que os gastos com a pandemia foram necessários, mas há a necessidade de “acenar” para o mercado, com a intenção de retorno da austeridade fiscal.

“A discussão agora é de como vai ser o gerenciamento dessa dívida. O efeito colateral da dívida alta é que vamos mudar o seu perfil, que começará a ser financiada no curto prazo.”

A declaração logo gerou repercussão entre representantes públicos. O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) disse, nas redes sociais, que as afirmações são óbvias, mas “a realidade é que não temos programa de vacinação viável nos próximos meses. A renovação do auxílio é necessária".