PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Caso de recorrência de Covid-19 em Tauá ainda passará por avaliação da Secretaria da Saúde do Ceará

Até o momento foi confirmado um caso de recorrência em Tauá, referente a uma idosa de 72 anos, moradora do distrito de Santa Tereza, que testou positivo para Covid-19 em julho e em dezembro

Lais Oliveira
16:04 | 11/12/2020
Recorrência de Covid-19 ocorre quando o teste do tipo RT-PCR apresenta resultado detectável para o coronavírus novamente, após uma primeira infecção. (Foto: FÁBIO LIMA)
Recorrência de Covid-19 ocorre quando o teste do tipo RT-PCR apresenta resultado detectável para o coronavírus novamente, após uma primeira infecção. (Foto: FÁBIO LIMA)

Ainda não há confirmação oficial da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) para reinfecção por Covid-19 na cidade de Tauá. Até o momento foi confirmado um caso de recorrência, referente a uma idosa de 72 anos, moradora do distrito de Santa Tereza, que testou positivo para Covid-19 em julho e em dezembro. Ela morreu no dia 2 de dezembro, mas o segundo resultado positivo para coronavírus só saiu na quarta-feira, 9. O caso ainda passará por avaliação de especialistas, assim como outros 183 que são investigados.

Conforme a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) da cidade de Tauá divulgou em boletim na quarta-feira, 9, o óbito foi investigado pela Vigilância Epidemiológica do município, sob a orientação da Sesa, por tratar-se de uma recorrência, isto é, quando o teste do tipo RT-PCR apresenta resultado detectável para o coronavírus novamente, após uma primeira infecção.

A moradora de Tauá já havia testado positivo pela primeira vez para Covid-19 no dia 15 de julho deste ano, conforme apontou um teste do tipo RT-PCR. De acordo com o médico Yure Hermerson Pereira Lima, diretor clínico da SMS de Tauá, a mulher deu entrada no Hospital Regional Dr. Alberto Feitosa Lima apresentando desconforto respiratório, tosse, febre e dor de garganta.

“Ela desenvolveu a forma grave da doença e deu entrada na UTI (Unidade de Terapia Intensiva). Ficou um tempo hospitalizada e após alta a família disse que ela ficou bem, sem sintomatologia nenhuma”, afirma Yure.

Contudo, no dia 13 de novembro, a idosa deu entrada novamente na emergência do Hospital com um quadro de diarreia, febre e aumento da frequência respiratória. Na sequência, no dia 21 do mesmo mês, recebeu alta novamente.

Na ocasião desse segundo internamento, não foi feito nenhum exame para coronavírus na paciente. Assim, no dia 2 de dezembro ela evoluiu para um desconforto respiratório súbito, associado a mal estar e chegando a óbito em sua própria casa, segundo descreve o médico. Nesse dia, foi realizado novo teste RT-PCR, e o resultado positivo saiu sete dias depois.

Familiares da paciente testaram positivo

Apesar de o exame para Covid-19 ter sido colhido, a família teve liberação médica para realizar o velório. “A família foi informada, não era para ter havido velório. Entramos em contato com o hospital para saber por que a paciente, mesmo após ter coletado um exame para suspeita de Covid foi velada e estamos aguardando retorno”, afirma o diretor clínico.

Ainda conforme o diretor clínico, das dez pessoas que conviviam com a paciente na mesma casa, oito tiveram resultado positivo para anticorpos do coronavírus, por meio do teste rápido.

Por conta do tempo para a divulgação do resultado do segundo teste RT-PCR da paciente, o primeiro atestado de óbito da mulher aponta causa da morte “indeterminada e hipertensão arterial sistêmica”. Segundo Yure, no mesmo dia em que a secretaria tomou conhecimento do segundo resultado positivo, foi feita uma ressalva no atestado incluindo óbito por Covid-19.

“Até então estamos confirmando como um caso de recorrência do coronavírus. O Estado vai me dizer se foi "Covid-19 longo", se o coronavírus reativou no corpo dela ou se foi reinfecção, mas isso só é possível com o sequenciamento, que é o Estado que realiza”, reforça.

Sesa aguarda dados do caso

Em nota, a Sesa informa que o caso da paciente de Tauá “foi notificado pelo município nos sistemas oficiais, ainda será registrado no link da Recorrência Covid-19 onde passará por uma avaliação dos especialistas.”

Os casos identificados como suspeita de recorrência por coronavírus devem ser notificados conforme a rotina dos serviços, porém, adicionalmente, devem ser notificados como casos prováveis de forma online

O diretor clínico da SMS de Tauá Yure Hermerson explica que devido ao grande histórico da paciente ainda não foi possível registrar os dados no link indicado pela Sesa, porém garante que as informações estão sendo enviadas via superintendência para a Secretaria.

"Covid longo", recorrência ou reinfecção de Covid-19.

O Estado tem hoje 183 casos de pessoas que testaram positivo duas vezes para Covid-19, sendo 12 compatíveis com recorrências. O Ministério da Saúde (MS) confirmou nessa quarta-feira, 10, o primeiro caso de reinfecção por Covid-19 no Brasil. 

Conforme detalha a Secretaria, a vigilância de possíveis casos de recorrência de Covid-19 analisa pessoas com duas amostras de RT-PCR positivas com intervalo mínimo de 21 dias entre os testes para identificar possíveis casos de long covid ("Covid longo"), recorrência ou reinfecção de Covid-19.

Casos "longos" de Covid-19 podem ser caracterizados pela persistência de sintomas após três semanas do início da doença. Enquanto isso, a recorrência é oriunda da mesma infecção. Ou seja, quando alguém tem a doença, melhora, e volta a manifestar sintomas.

Já a reinfecção se dá quando o paciente é infectado por vírus de duas linhagens distintas, o que pode ser comprovado por meio de sequenciamento genético.