PUBLICIDADE
Coronavírus
Noticia

Compra de 70 milhões de doses da vacina contra Covid-19 da Pfizer será finalizada ainda esta semana, segundo Ministério da Saúde

A informação foi confirmada em nota divulgada pela pasta na noite desta segunda-feira, 7, ao tratar sobre o avanço da negociação

Alan Magno
07:27 | 08/12/2020
A vacina desenvolvida pela gigante americana Pfizer e a empresa alemã BioNTech demonstrou eficácia de 95% (Foto: JOEL SAGET / AFP)
A vacina desenvolvida pela gigante americana Pfizer e a empresa alemã BioNTech demonstrou eficácia de 95% (Foto: JOEL SAGET / AFP)

A corrida pela imunização contra Covid-19 no Brasil ganhou mais um capítulo nesta segunda-feira, 7. De acordo com o Ministério da Saúde, o governo federal avançou na garantia de 70 milhões de doses da vacina contra a infecção pelo novo coronavírus desenvolvida pela parceria entre a biofarmacêutica Biontech e o laboratório Pfizer.

A informação foi confirmada em nota divulgada pela pasta na noite desta segunda, 7. A expectativa é de que até o fim desta semana seja concluído o processo de licitação da compra das vacinas.

A previsão é de que haja disponibilidade no início de 2021 aos brasileiros, mas o Ministério não revelou uma data específica. “Os termos já estão bem avançados e devem ser finalizados ainda no início desta semana com a assinatura do memorando de intenção”, afirma a nota da pasta.

O anúncio ocorre no mesmo dia em que o presidente da República, Jair Bolsonaro (Sem Partido), afirmou que a vacinação para Covid-19 no Brasil seria totalmente gratuita e não obrigatória. Bolsonaro, por conta de embates políticos e ideológicos, nutre uma aversão à vacina CoronaVac, patrocinada pela China em parceria com o Instituto Butantan.

Ele também já havia descartado negociar o agente imunizador feito pela Pfizer e pela Biontech, tendo escolhido a vacina patenteada pela universidade britânica de Oxford, como sua preferida, ainda que estudos recentes mostrem outras vacinas mais promissoras.

Em contrapartida, o governador de São Paulo, João Dória (PSDB), defensor dos resultados obtidos pela CoronaVac e opositor de Bolsonaro, anunciou nesta segunda-feira, 7 de dezembro, que irá dar início à vacinação no estado paulista no dia 25 de janeiro, com 10 milhões de doses e público-alvo de profissionais de saúde, indígenas e quilombolas.

A nível estadual, o Ceará se antecipa nas negociações diretas com o Instituto Butantan. Na próxima segunda-feira, 14 de dezembro, o governador do Estado Camilo Santana (PT) se reúne com Dória e representantes do Instituto para negociar a aquisição da vacina contra a Covid-19 para os cearenses. Encontro acontecerá em SP, onde ocorrem testes do imunizante CoronaVac. Camilo divulgou a informação por meio das redes sociais na noite desta segunda-feira, 7.