PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Fortaleza está entre as nove capitais brasileiras que apresentam aumento de casos da Covid-19

Os dados foram coletados pela plataforma InfoGripe, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Município registra uma "probabilidade moderada" de 75% de crescimento da patologia em sua região

Gabriela Almeida
15:16 | 14/11/2020
FORTALEZA, CE, 06-11-2020: Circulacao de pessoas no Centro no periodo da tarde; alguns sem utilizar ou utilizando incorretamente a mascara. Centro, Fortaleza. (BARBARA MOIRA/ O POVO) (Foto: Barbara Moira)
FORTALEZA, CE, 06-11-2020: Circulacao de pessoas no Centro no periodo da tarde; alguns sem utilizar ou utilizando incorretamente a mascara. Centro, Fortaleza. (BARBARA MOIRA/ O POVO) (Foto: Barbara Moira)

Fortaleza é uma das nove capitais brasileiras que têm registrado aumento do número de infecções pela Covid-19 nas últimas semanas, evidenciando uma possível segunda onda da doença na região. Os dados foram coletados pela plataforma InfoGripe, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), e divulgados nesta sexta-feira, 13, pelo jornal O Globo.

Para realizar o levantamento, foram utilizadas informações reunidas pelo Ministério da Saúde (MS), que correspondem até o último dia 31 de outubro. Fortaleza aparece no balanço com um índice crescente de infecções pela doença, ao lado das capitais: Natal (RN), São Luís (MA), Florianópolis (SC), João Pessoa (PB), Maceió (AL), Belém (PR), Macapá (AP) e Salvador (BA).

Entre as metrópoles citadas, o município cearense registra uma "probabilidade moderada" de 75% de crescimento da patologia em sua região. João pessoa, Florianópolis e Maceió são as capitais brasileiras que apresentam o quadro mais preocupante - com índice probatório de elevação estimado em 95%.

| LEIA MAIS |

China encontra coronavírus em embalagem de carne brasileira

Fiocruz: testagem para Covid-19 mostra desigualdade social no Rio

O número de pessoas infectadas pela doença em Fortaleza começou a aumentar ainda em outubro deste ano, quando a transmissão do vírus tornou a sofrer uma elevação em alguns bairros da Capital - conforme boletim epidemiológico divulgado semanalmente pela Secretaria de Saúde Municipal (SMS). 

De acordo com a pasta, os bairros da Regional II de Fortaleza são o que concentram "majoritariamente" o aumento de casos observados. A faixa-etária dos pacientes atingidos está entre 20 a 39 anos e a suspeita é de que os jovens tenham contraído a doença durante os chamados "eventos superdisseminadores", aqueles que ocorrem com aglomerações e pouco uso de máscaras.

O nome dos bairros não foram discriminados pela pasta. Em análise feita em boletins anteriores pelo O POVO, contudo, foi percebido que a Regional II teve 218 novos casos na última semana, concentrados na região do Meireles e do Cocó. 

Possibilidade de uma segunda onda

Com o aumento dos casos em alguns bairros de Fortaleza, teve inicio uma especulação sobre a possibilidade de que a Capital venha a enfrentar uma segunda onda da doença. Procurada pelo O POVO há cerca de duas semanas, a SMS afirmou que ainda não era possível ter essa possibilidade como certa.

Nesta sexta-feira, o epidemiologista Antonio Lima, gerente da célula de epidemiologia da pasta, comentou acerca dos dados do último boletim e afirmou existir uma persistência do aumento de casos. Apesar disso, o especialista não considerou como certo que uma segunda onda possa surgir na Capital.

Lima afirma que a elevação de casos acontece apenas em uma parte da Cidade, classificando atos como "mini-surtos". O epidemiologista também destaca que, por esse motivo, a curva de mortalidade da doença não tem sofrido impacto.

"Existe circulação viral na cidade como um todo ainda, a pandemia não acabou. No entanto, existe diferencial de transmissibilidade em algumas áreas, que estão sendo mais afetadas que outras. Felizmente, não há um impacto sobre a taxa de mortalidade", destaca.