PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Volta às aulas na Itália em tempos de coronavírus

O ano letivo já começou em alguns centros do norte da Itália, mas a maioria dos oito milhões de alunos retornam na segunda-feira aos colégios - fechados desde o início de março devido ao coronavírus

11:05 | 11/09/2020
Alunos usando máscara protetora participam de cursos de recuperação na Escola Secundária Alessandro Volta em 7 de setembro de 2020 em Milão (Foto: AFP)
Alunos usando máscara protetora participam de cursos de recuperação na Escola Secundária Alessandro Volta em 7 de setembro de 2020 em Milão (Foto: AFP)

Milhões de estudantes italianos voltam às aulas na próxima semana depois de seis meses em casa, mas encontrarão uma nova realidade: aulas ao ar livre, "salas de isolamento" e inclusive podem ser proibidos de cantar.

 

O ano letivo já começou em alguns centros do norte da Itália, mas a maioria dos oito milhões de alunos retornam na segunda-feira aos colégios - fechados desde o início de março devido ao coronavírus.

 

Algumas regiões, como Apulia e Calábria, no entanto, decidiram adiar o início do ano escolar para 24 de setembro.

 

A Itália foi um dos primeiros países europeus afetados pela pandemia do coronavírus, que já matou mais de 35.500 pessoas de um total de mais de 280.000 casos no país.

 

O chefe de Governo, Giuseppe Conte, prometeu na quarta-feira uma volta às aulas "em total segurança".

 

"Me dirijo a vocês para agradecer-lhes, vocês pagaram o preço mais alto desta crise. A escola fechada e o ensino à distância foram um fardo enorme", disse Conte aos jovens em coletiva de imprensa.

 

 

 

O instituto técnico Luigi Einaudi de Roma já se preparou para receber aproximadamente 1.000 alunos na volta às aulas na segunda-feira. Na entrada do colégio, uma câmera especial controla se um aluno tem febre ou se entra sem máscara.

 

Os estudantes com febre serão imediatamente isolados em uma sala especial "anticovid", com protocolos para realizar testes de coronavírus, explica a professora Marina Di Foggia.

 

"Somos um colégio completamente diferente do de 6 de março", quando fechou pela pandemia, declarou à AFP Diana Guerani, diretora do instituto.

 

A estratégia de retorno às escolas na Itália gira em torno da quarentena imediata para aqueles que tiverem "em contato estreito" com um aluno ou professor que dê positivo para a Covid-19.

 

Um aluno que testar positivo só poderá retornar após dois testes negativos e os cientistas recomendam às autoridades medidas drásticas, como a proibição de cantar para evitar expelir gotículas.

 

Em Milão, capital da Lombardia - região mais afetada pela epidemia -, várias escolas de ensino médio abriram na segunda-feira. O de Volta adiantou sua abertura para 1o de setembro.

 

"Voltamos para a escola na semana passada, depois de seis meses de interrupção. Depois de tanto tempo, fiquei contente. Temos que usar máscara o dia todo, assim como os professores. É um pouco chato (...), mas depois de um tempo você se acostuma", declarou à AFP Laura Bonnano, de 16 anos.