PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Dez países se mantêm sem casos confirmados de Covid-19; saiba quais são eles

Mesmo prejudicados pela falta de turistas, fonte da economia da maioria dos países, a população espera que as fronteiras fiquem fechadas por medo de uma situação pior

Júlia Duarte
12:48 | 28/08/2020
Os pequenos países fecharam fronteias e seguiram medidas rígidas no controle de pessoas (Foto: Josué Damacena / Divulgação)
Os pequenos países fecharam fronteias e seguiram medidas rígidas no controle de pessoas (Foto: Josué Damacena / Divulgação)

Em meio à pandemia de Covid-19, 10 países se mantêm sem casos confirmados da doença. Os pequenos locais fecharam fronteias e seguiram medidas rígidas no controle de pessoas. Todos eles estão localizados na Oceania. Entretanto, mesmo sem o vírus dentro dos territórios, estão sendo afetados com a escassez de turistas, principal fonte da economia das localidades.

Países sem casos Covid-19 registrados


Palau
Micronésia
Ilhas Marshall
Nauru
Kiribati
Ilhas Salomão
Tuvalu
Samoa
Vanuatu
Tonga

As fronteiras de Palau, um arquipélago com mais de 500 ilhas na Oceania, estão fechadas desde março, impedindo a entrada do coronavírus, e os habitantes estão recebendo apoio governamental. Antes da Covid-19, alguns hotéis se mantinham com taxa de ocupação entre 70% e 80%. A presença de estrangeiros mobilizava o setor de hotéis, lojas e restaurantes.

Ainda no Oceano Pacífico, a cerca de 2.500 milhas (4.000 km) a leste, as Ilhas Marshall também permanecem livres de Covid, mas como Palau, têm sofrido os impactos econômicos da pandemia. Especializado em peixes de aquário, o local tem seguido medidas rígidas. Por exemplo, barcos, que estiveram em países infectados, estão proibidos de entrar nos portos do País. Outras embarcações, incluindo tanques de combustível e navios porta-contêineres, devem passar 14 dias de quarentena mar antes de entrar. As licenças de pesca não foram vendidas e os voos de carga foram cancelados. As informações são BBC.

As exportações do País caíram 50%, de acordo com um relatório dos EUA. A remessa de atum sashimi da costa caiu na mesma proporção. Outras indústrias pesqueiras esperam uma queda de 30% durante o ano. O País deverá perder mais de 700 empregos com a crise da Covid-19, a maior queda desde 1997. Destes, 258 serão no setor de hotelaria e restauração.

Já em Vanuatu, o Banco Asiático de Desenvolvimento espera que o PIB caia quase 10%, a maior queda desde a independência, em 1980. Diretor de saúde pública em Vanuatu, Len Tarivonda afirma que mesmo assim a população espera que as fronteiras permaneçam fechadas. “Se você falar com eles [em Ambae], a maioria diz para manter a fronteira fechada pelo maior tempo possível”, diz ele. “Eles dizem: 'Não queremos a doença - caso contrário, estamos condenados, basicamente', ressalta ele. Em abril, o ciclone tropical Harold atingiu grande parte do país, matando três pessoas e afetando mais da metade da população.

O Dr. Tarivonda olha para Papua Nova Guiné, que estava quase livre de Covid até julho, com preocupação. “Se o vírus vier, provavelmente será como um incêndio - e o que estamos vendo em Papua-Nova Guiné é um reflexo de por que estamos preocupados”, afirma.