PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Associação de administração de condomínios indica que medidas de segurança sigam em áreas compartilhadas

Condomínios de temporada devem permanecer com isolamento total em espaços de lazer

15:43 | 09/07/2020
FORTALEZA, CE, BRASIL, 20-05-2020: Predios. Avenida Engenheiro Santana Junior. Em epoca de COVID-19. (Foto: Aurelio Alves/O POVO) (Foto: Aurelio Alves/O POVO)
FORTALEZA, CE, BRASIL, 20-05-2020: Predios. Avenida Engenheiro Santana Junior. Em epoca de COVID-19. (Foto: Aurelio Alves/O POVO) (Foto: Aurelio Alves/O POVO)

Por Leonardo Reis
Especial para O POVO

Com o prolongamento do isolamento social, medidas de combate à Covid-19 continuam. Moradores de condomínios viram medidas de segurança serem flexibilizadas em algumas áreas, mas a indicação ainda é por ter cautela nas regras de uso de espaços comuns.

De acordo com o Decreto Estadual de nº 33.631, de 20 de junho de 2020, que estabelece a prorrogação das medidas de isolamento social no Ceará, o art. 1º, §3º, flexibiliza o uso de espaços em comuns nos condomínios. Para aqueles condomínios majoritariamente de temporada permanece a vedação total quanto ao uso das áreas de lazer. Na situação dos demais condomínios é possível a criação de protocolos específicos, mas que sigam algumas diretrizes.

Em nota, a Associação das Administradoras de Condomínio do Estado do Ceará (Adconce) reforçou seu posicionamento de manutenção das medidas de segurança contra o novo coronavírus. Segundo o presidente da Adconce, Marcus Melo, as medidas estabelecidas devem ser seguidas conforme o decreto. “As pessoas devem entender a causa e se apropriar dessas recomendações. Isto porque estamos falando de atos que vão levar a um bem comum.” A instituição também alerta as empresas que atuam em gestão condominial que continuem atentas e preocupadas com a necessidade de aplicar medidas de prevenção aos condomínios.

Diretrizes indicadas pela Adconce:

 

- Preservação do distanciamento social mínimo entre moradores quando do uso das áreas e equipamentos comuns;

- Intensificação da limpeza dos locais e equipamentos de uso comum, em especial após cada utilização;

- Disponibilização de álcool, especialmente em gel, nos espaços comuns para uso pelos moradores e empregados do condomínio;

- Definição de número máximo de pessoas que poderão usar simultaneamente espaços e equipamentos, evitando aglomerações;

- Proibição de festas ou eventos de qualquer natureza com aglomerações de pessoas;

- Vedação à utilização de academias;

- Uso obrigatório de máscaras, inclusive em áreas comuns.

Em relação às práticas do combate à Covid-19, em nota, o Grupo Viper de administração de condomínios relata como está tomando suas medidas nessa flexibilização. “Para garantir mais eficácia nos processos de higiene, implementamos o serviço de sanitização de ambientes, que é um processo de higienização e eliminação de agentes causadores de infecções, alergias e patógenos que causam doenças”, explica a empresa.

Sobre o repasse de informações relacionadas ao combate à doença, o Grupo Viper iniciou uma campanha de prevenção do coronavírus no mês de março, com cartazes, cartilhas e manuais dispostos dentro dos condomínios e disponibilizados em plataformas digitais.

Gilvânio de Albuquerque, síndico de condomínio no Joaquim Távora, coloca que providências para evitar o contágio pela Covid-19 foram tomadas desde o início da pandemia no local. “Desde a divulgação do primeiro caso de Covid-19, reunimos o conselho do condomínio para deliberar um plano de ação de prevenção e sanitização das áreas comuns”, explica. "Em conformidade com o último decreto que versava sobre a flexibilização das áreas de lazer, decidimos abrir somente a quadra em grupos de até quatro pessoas da mesma unidade, sob reserva, e a piscina, sob a mesma regra, com duas horas de utilização e 15 dias de carência entre as reservas", dá exemplos.

A epidemiologista Lígia Kerr, professora da Universidade Federal do Ceará (UFC), reforça algumas medidas de segurança. "Tem que ter cuidado com o elevador, sempre que possível usar escadas ao invés do elevador. Ao entrar no elevador sempre com álcool, com máscara, limpar os contatos. Tentar não se encostar, ter contato nesses lugares somente com a família. Os funcionários usarem máscaras e as pessoas terem acesso a álcool, água e sabão”, explica.

Experiência de inquilinos

 

Sabrine Araújo, 19 anos, estudante de publicidade, e a mãe Simone Araújo, 54 anos, promotora de eventos, contam como vem sendo a experiência no condomínio em que moram no Monte Castelo. “Foram colocados dispositivos de álcool entre os elevadores e as recepções e as entradas são higienizadas com solução de água sanitária. Todos os moradores foram obrigados a usar máscara nos espaços públicos e a ficarem em isolamento”, explica a estudante.

No entanto, Sabrine e Simone observam desrespeito das regras por parte de moradores. “Eu fui uma que precisou ir à administração pedir para a síndica colocar aviso adequado e de conscientização para estas pessoas”, diz a promotora de eventos.