PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Taxa de positividade da Covid-19 cai para 24,4% em Fortaleza

Segundo a SMS, a tendência de "achatamento" da curva de casos se consolidou e deve ser monitorada diariamente

Ismia Kariny
14:50 | 06/07/2020
Movimentação no bairro Edson Queiroz em época de Covid-19 (Foto: Aurelio Alves/ O POVO)
Movimentação no bairro Edson Queiroz em época de Covid-19 (Foto: Aurelio Alves/ O POVO)

 

A proporção de positividade das amostras de residentes de Fortaleza analisadas pelo Laboratório Central de Saúde Pública do Ceará (Lacen-CE) caiu para 24,4%, entre os dias 21 a 29 de junho. De acordo com o último boletim da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de Fortaleza, divulgado na última sexta-feira, 3, esse índice de positividade também foi extrapolado para os exames que ainda aguardam resultado nos laboratórios privados.

Segundo o relatório da SMS, uma primeira onda de casos foi registrada até o fim de março, e outra de maior magnitude foi observada entre o início de abril e meados de maio, quando foi observada a tendência de redução no número diário de casos. A desaceleração foi percebida também pela redução do índice de positividade, que compreende os casos confirmados e aqueles cujos exames ainda estão em análise.

Leia também | Retomada avança em Fortaleza, mas bares e barracas permanecem fechados 

Conforme a epidemiologista Lígia Kerr explicou ao O POVO, a taxa de positividade se refere ao percentual de confirmação em relação ao total de testes realizados cujos resultados já foram apresentados. Com o índice atual de 24,4%, a cada 100 casos que estão sendo levados à suspeita, pelo menos 24 estão se confirmando na Capital. O boletim divulgado na semana anterior, em 26 de junho, apresentou uma taxa de 31%.

Segundo a SMS, a tendência de “achatamento” da curva de casos se consolidou e deve ser monitorada diariamente. “O aumento da oportunidade (rapidez) da liberação dos resultados dos exames pelos laboratórios diminuiu o número de casos em análise. Dessa forma, mesmo que todos resultados pendentes fossem positivos, o impacto no formato da curva seria mínimo”, destaca trecho do boletim. Conforme o documento, o platô de casos confirmados do ciclo epidêmico ocorreu no intervalo de 20 dias entre o mês de abril e maio.