PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Confira medidas previstas no protocolo de retorno das aulas presenciais em escolas particulares de Fortaleza

Aferição de temperatura na entrada e distanciamento de 1,5 metro entre carteiras nas salas de aulas são algumas orientações, conforme o Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do Ceará (Sinepe-CE)

Lais Oliveira
19:20 | 06/07/2020
Plano de retorno contou com atuação de infectologista, epidemiologista e uma comissão do Sinepe-CE (Foto: Sandro Valentim)
Plano de retorno contou com atuação de infectologista, epidemiologista e uma comissão do Sinepe-CE (Foto: Sandro Valentim)

Pensando no possível retorno às aulas presenciais em escolas da rede privada em Fortaleza, previsto para ser autorizado a partir do próximo dia 20, o Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do Ceará (Sinepe-CE), elaborou protocolos e implementou comissão interna composta por diretores e especialistas, entre eles um infectologista e um epidemiologista. O objetivo da ação, segundo a presidente da entidade, Andrea Nogueira, é garantir que essa retomada "aconteça com muito zelo e total prevenção e ao combate da Covid-19".

LEIA MAIS | O que os pais precisam saber sobre crianças, coronavírus e cuidado na volta às aulas

O protocolo construído pela comissão teve como base as orientações do governo estadual e o plano de retorno da Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep), além das experiências de países que já retomaram as atividades presenciais nas escolas.

Confira algumas medidas previstas no protocolo:

- Higienização das escolas por meio da pulverização com água sanitária

- Aferição de temperatura na entrada dos alunos

- Criação de uma sala reservada para acolher alunos que apresentem quadro febril

- Distanciamento de 1,5 metro entre as carteiras na sala de aula

- Adaptação dos bebedouros para uso de garrafinhas individuais 

- Demarcação com fitas adesivas para ilustrar o distanciamento social nos ambientes escolares

Em casos de suspeita

Caso seja detectado em um aluno na escola algum sinal da Covid-19, ele será encaminhado ao espaço reservado para acolhimento. Os pais serão comunicados e esse estudante deverá ficar em casa durante 14 dias em observação.

Para os pais que não pretendem, neste momento de retomada das aulas, encaminharem seus filhos às escolas, o protocolo do Sinepe sugere a possibilidade de esses alunos permanecerem com seus estudos em casa, continuando as aulas remotas como estavam.

Creche e pré-escola

Com relação a educação infantil e creches, a presidente do Sinepe informa que esses dois níveis de ensino terão como base o protocolo setorial com mais algumas especificações. Por exemplo, a criança com idade menor de três não poderá utilizar a máscara, seguindo recomendação de especialistas.  Profissionais ouvidos pelo O POVO afirmam ainda que abaixo de dois anos, o uso do equipamento não é recomendável devido ao risco de sufocamento e inviabilidade de usar adequadamente.

Outra medida será o distanciamento de dois metros entre as camas. É recomendada também a utilização ao máximo de espaços abertos e arejados, "dividindo os alunos de modo que uma parte fique nas salas e outra em espaços abertos."

Além dessas medidas, espaços de uso comum como parquinhos e refeitórios seriam fechados, como sugere o protocolo elaborado pelo Sinepe. "Mas caso alguém for utilizar, deve ser de forma intercalada, com um número mais reduzido de alunos", explica Andrea.

Sobre alimentação, o Sinepe orienta que os pais ou responsáveis encaminhem a merenda escolar para a casa de cada aluno. Para quem não levar de casa, será feita a entrega do alimento individualizada, conforme Andrea.

Colaborou Matheus Facundo

Acesse a cobertura completa do Coronavírus >