PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Covid-19: instituto norte-americano prevê mais de 160 mil mortes no Brasil até outubro

O número pode diminuir ou aumentar de acordo com as medidas que serão tomadas para conter a contaminação

15:57 | 26/06/2020

O Instituto de Métricas e Avaliação em Saúde (IHME), da Universidade de Washington (EUA), fez projeções sobre a transmissão de Covid-19 no mundo. Para o Brasil, a pesquisa aponta que devem ocorrer 166.362 mortes ocasionada por complicações da doença até 1° de outubro de 2020. O número pode diminuir ou aumentar de acordo com as medidas que serão tomadas para conter a contaminação. O IHME disponibilizou uma previsão de cada estado brasileiro, e também de outros países. O instituto é uma organização global independente, da Faculdade de Medicina. 

Para o Ceará, a previsão é de cerca de 7.896 mortes por Covid-19, com medidas de isolamento mais restritivas, e cerca de 9.681, em cenário onde haverá poucas medidas sendo tomadas.

De acordo com o Instituto, se as autoridades do País implementarem normas mais rigorosas de isolamento social e o uso de máscaras, o total pode ser reduzido para 18.930 vítimas. Mas, se o País continuar a afrouxar medidas de distanciamento, o número de mortos pode subir para 340.476. A previsão é que se o uso de máscaras for aumentado para 95%, o número poderá ser reduzido para 147.431  no Brasil

O Diretor do IHME Dr. Christopher Murray indica que o País continuará com uma "trágica trajetória ascendente de infecções e mortes" se autoridades governamentais não tomarem medidas para a diminuição. Ele também indica que a sazonalidade pode agravar a situação, principalmente, de estados do sul do País.

Métricas

Previsões feitas em países e estados brasileiros são com base em situações de referência, em que as medidas de distanciamento social sejam implementadas por seis semanas a partir do momento em que as mortes atingirem 8 por cada um milhão de pessoas. Em casos onde nenhuma ação é tomada, podem gerar os piores cenários.  Confira mais detalhes na tabela:

ESTADO: PREVISÃO COM MEDIDAS/ PIOR CENÁRIO

Acre: 813 (variação de 515 a 1.226) / 1.234 (variação de 678 a 1.852)
Alagoas: 2.992 (variação de 1.927 a 4.779) / 3.386 (variação de 2.053 a 5.773)
Amapá: 910 (variação de 594 a 1.339) / 1.060 (variação de 631 a 1.601)
Amazonas: 4.274 (variação de 3.425 a 5.333) / 4.274 (variação de 3.425 a 5.333)
Bahia: 9.762 (variação de 4.276 a 20.144) / 20.204 (variação de 6.476 a 44.045)
Ceará: 7.896 (variação de 6.459 a 10.292) / 9.681 (variação de 6.652 a 15.105)
Distrito Federal: 1.997 (variação de 1.369 a 3.002) / 4.636 (variação de 2.946 a 6.747)
Espírito Santo: 3.890 (variação de 2.960 a 5.044) / 6.436 (variação de 4.490 a 8.724)
Goiás: 4.319 (variação de 1.245 a 11.072) / 14.198 (variação de 3.821 a 24.696)
Maranhão: 4.001 (variação de 2.771 a 6.614) / 4.001 (variação de 2.771 a 6.614)
Mato Grosso: 3.418 (variação de 1.801 a 5.552) / 7.135 (variação de 3.978 a 9.968)
Mato Grosso do Sul: 1.709 (variação de 185 a 6.023) / 5.140 (variação de 369 a 11.440)
Minas Gerais: 14.952 (variação de 4.847 a 34.635) / 48.141 (variação de 13.274 a 94.169)
Pará: 6.550 (variação de 5.572 a 8.024) / 6.550 (variação de 5.572 a 8.024)
Paraíba: 3.175 (variação de 1.621 a 5.630) / 5.974 (variação de 2.185 a 12.156)
Paraná: 7.810 (variação de 2.273 a 19.310) / 21.180 (variação de 5.088 a 42.398)
Pernambuco: 10.333 (variação de 7.514 a 15.486) / 12.186 (variação de 8.215 a 19.741)
Piaui: 2.431 (variação de 1.599 a 3.578) / 7.535 (variação de 4.018 a 11.858)
Rio de Janeiro: 19.141 (variação de 13.893 a 29.258) / 44.221 (variação de 24.907 a 70.160)
Rio Grande do Norte: 3.245 (variação de 1.045 a 9.063) / 5.674 (variação de 1.200 a 13.394)
Rio Grande do Sul: 6.595 (variação de 1.829 a 19.746) / 11.505 (variação de 2.525 a 34.684)
Rondônia: 1.337 (variação de 760 a 2.289) / 1.337 (variação de 760 a 2.289)
Roraima: 497 (variação de 341 a 770) / 866 (variação de 435 a 1.243)
Santa Catarina: 3.424 (variação de 672 a 11.909) / 3.824 (variação de 706 a 13.607)
São Paulo: 36.914 (variação de 23.948 a 56.506) / 81.830 (variação de 40.829 a 135.270)
Sergipe: 3.000 (variação de 1.789 a 4.863) / 6.247 (variação de 4.126 a 8.100)
Tocantins: 976 (variação de 432 a 1.972) / 2.022 (variação de 631 a 4.040)

As situações de outros países da América Latina mostram epidemias crescentes, o que pode indicar que medidas não estão sendo seguidas corretamente. A sazonalidade que indica o inverno no Hemisfério Sul também pode agravar a situação. Detalhes sobre outros países podem ser verificados na pesquisa completa