PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Pessoas com enfisema pulmonar estão no grupo de risco da Covid-19

Por ano, cerca de 40 mil pessoas morrem no Brasil por complicações da doença

Carlos Viana
22:51 | 16/06/2020
Pessoas com doenças pulmonares obstrutivas crônicas estão no grupo de risco da Covid-19 (Foto: PIXABAY)
Pessoas com doenças pulmonares obstrutivas crônicas estão no grupo de risco da Covid-19 (Foto: PIXABAY)

Fumantes, ex-fumantes e pessoas com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), conhecida como enfisema pulmonar, precisam aumentar os cuidados para não serem contaminados com o novo coronavírus, a Covid-19. O alerta é do médico pneumologista e professor do curso de medicina da Faculdade do ABC, em São Paulo, Franco Martins.

Segundo ele, essas pessoas, por apresentarem problemas respiratórios crônicos, estão no grupo de risco da Covid-19. “Essas doenças provocam uma resposta mais lenta do organismo para combater os efeitos do vírus, e aumenta conforme a idade do paciente. Os casos mais graves estão sendo registrados em pessoas acima dos 40 anos, mas também podem acontecer em pacientes mais jovens,” explica.

Conforme o especialista, a subnotificação no número de brasileiros com enfisema pulmonar e falta de tratamento adequado agravam o quadro, uma vez que estimativas apontam que uma em cada cinco pessoas com DPOC são diagnosticadas no País.

O médico também alerta para a necessidade dos pacientes já diagnosticados continuarem com seu tratamento e visitas aos consultórios médicos. “Muita gente não está fazendo o acompanhamento do seu estado de saúde, e isso pode complicar a situação em caso de infecção pela Covid-19. É importante que o paciente continue fazendo o tratamento corretamente porque essas doenças, mesmo não tendo cura, conseguem ser controladas,” afirma Martins.

Caso a pessoa seja fumante ou ex-fumante e tenha suspeita de contaminação pela Covid-19, é recomendável que o fato seja explicado ao profissional de saúde que fizer o atendimento. “A Covid-19 não deve ser subestimado. Em janeiro, quando começaram a ser divulgados os primeiros casos, imaginávamos que seria uma epidemia restrita a países asiáticos, mas com o passar do tempo, fomos percebendo que a situação era diferente, sobretudo num país com o sistema de saúde que já enfrenta dificuldades,” finaliza.

Por ano, morrem cerca de 40 mil pessoas no Brasil com doença pulmonar crônica obstrutiva. No mundo, essa é a terceira principal causa de mortes. Além de fumantes e ex-fumantes, pessoas que utilizaram fogão a lenha e vivem em locais muito poluídos podem desenvolver a doença.