Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Revista inglesa retira publicação de estudo que invalidava cloroquina

Publicado em 22 maio, o estudo afirmava que o uso de quatro protocolos diferentes de medicamentos - todos usando cloroquina ou sua variação moderna, a hidroxicloroquina - não surtiu efeito sobre o vírus SARS-CoV-2, agente causador da covid-19
19:01 | Jun. 04, 2020
Autor - Agência Brasil
Foto do autor
- Agência Brasil Autor
Tipo Notícia

Três dos quatro autores do estudo que invalidou o uso da cloroquina e do seu derivado, a hidroxicloroquina, em casos de covid-19, afirmaram que não é possível garantir a veracidade dos dados do estudo, de acordo com o comunicado divulgado na tarde de hoje (4) no site da revista médico-científica britânica The Lancet. Por isso, os cientistas pediram a retirada do estudo da publicação.

Os cardiologistas e cirurgiões Mandeep Mehra, Frank Ruschitzka e Amit Patel não obtiveram sucesso na validação independente dos dados usados para a publicação do estudo, o que torna impossível a checagem dos óbitos e o acesso às fichas completas dos 96 mil pacientes que fizeram parte do levantamento.

"Nós não podemos mais garantir a veracidade das fontes dos dados primários. Por causa deste desenvolvimento infeliz, os autores pedem que o artigo seja retratado", afirma o médico e cientista Mandeep Mehra, em comunicado.

Publicado em 22 maio, o estudo afirmava que o uso de quatro protocolos diferentes de medicamentos - todos usando cloroquina ou sua variação moderna, a hidroxicloroquina - não surtiu efeito sobre o vírus SARS-CoV-2, agente causador da covid-19. O estudo relata que um dos efeitos colaterais descritos na bula dos medicamentos, a arritmia cardíaca, colocou em risco a vida de pacientes de diversos grupos, desde os menos severos até os que estavam em estado crítico. 

A retratação do estudo acontece um dia após a Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciar a retomada dos testes com ambas as substâncias. Médicos, cientistas e estatísticos de diversos países também se manifestaram sobre a metodologia aplicada, que utilizou um banco de dados da empresa  Surgisphere especializada em informações médicas 

Em carta pública, 120 autoridades médicas contestaram os números, e solicitaram que a OMS conduzisse auditorias independentes para validar as informações relativas ao tratamento de pacientes com covid-19.

"Nós todos entramos nesta [jornada de] colaboração para contribuir, em boa fé e em um tempo de grande necessidade, com a pandemia de covid-19. Pedimos desculpas sinceras para você, para os editores e para os leitores do jornal [a revista The Lancet] pelo constrangimento e pela inconveniência causados", informa a carta.

A retratação do estudo, assim como a íntegra da publicação original, ainda se encontram disponíveis no site da The Lancet.

Acesse a cobertura completa do Coronavírus >

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

SP diz que acionará a Justiça após repasse menor de doses da Pfizer

Saúde
15:33 | Ago. 05, 2021
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O governo de São Paulo anunciou hoje (5) que acionará a Justiça para questionar o Ministério da Saúde sobre repasse menor de doses da vacina contra covid-19 da Pfizer.

Nessa quarta-feira (4), o governador de São Paulo, João Doria, informou ter encaminhado um ofício ao Ministério da Saúde. Segundo o governador, São Paulo recebeu 228 mil doses do imunizante que chegaram nesta semana ao país e o estado teria direito a 456 mil doses.

“Em nome do interesse público e do cidadão, acionaremos o Poder Judiciário para discutir o critério adotado”, disse Lia Porto, procuradora-geral do estado. A procuradora Camila Pintarelli classificou a situação de “inusitada” e disse que o governo estadual acionará a Justiça assim que forem concluídos estudos técnicos.

Comissão tripartite

Em entrevista hoje (5), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse que a judicialização dessa questão é um direito, mas não concorda com a decisão do governo estadual. “A judicialização é um direito que todos têm, mas nós não defendemos a judicialização como forma de implementação de políticas públicas. Se busca o Judiciário para satisfazer essas irresignações, mas eu penso que essas questões devem ser discutidas no âmbito administrativo”, disse o ministro.

De acordo com o ministro, não é o ministério que define a quantidade de doses, mas uma comissão tripartite, com a participação dos secretários de Saúde estaduais e municipais. “De minha parte, se ficar demonstrado que não houve essa alocação adicional para São Paulo, isso pode ser corrigido. Mas creio que a decisão foi tomada pela tripartite de maneira própria”, declarou Queiroga.

Metodologia

Em entrevista coletiva no final da tarde de ontem, a secretária Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, Rosana Leite, disse que houve uma mudança na metodologia de distribuição das vacinas. Se antes as doses eram divididas com base nos públicos prioritários, agora são enviadas a cada estado para a vacinação por faixas etárias. Ela acrescentou que, em razão da disparidade entre os estados, o Ministério da Saúde passou a fazer uma compensação para que os mais atrasados na vacinação possam avançar.

Nesta quinta-feira, o governo de São Paulo voltou a questionar o ministério e informou que não foi comunicado anteriormente sobre a redução nas doses. “Não estamos falando em ajuste fino [pelo Ministério da Saúde], o que acontece ao longo da vacinação. Pequenos ajustes acontecem e aconteceram. Mas em nenhum momento isso virou situação critica. Estamos falando aqui não de mera adequação, mas de ruptura do processo que vinha sendo praticado pelo ministério”, disse Eduardo Ribeiro, secretário-executivo da secretaria estadual da Saúde de São Paulo.

O governo paulista também negou que tenha retido doses a mais da vacina CoronaVac, do Instituto Butantan, que deveriam ter sido repassadas ao ministério.

Vacinação de adolescentes

Essas doses da vacina da Pfizer seriam utilizadas pelo governo de São Paulo para iniciar a vacinação de adolescentes entre 12 e 17 anos. A Pfizer é, atualmente, a única vacina com aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a imunização dessa faixa etária.

A intenção do governo de São Paulo era vacinar os adolescentes a partir do dia 18 de agosto, iniciando por aqueles que têm comorbidades. Segundo Ribeiro, a vacinação de adolescentes planejada pelo governo de São Paulo fica prejudicada com a redução do envio das doses desse imunizante. “A vacinação desses adolescentes está em aberto até que o Ministério da Saúde regularize essa situação”, destacou..

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Ator Eduardo Moscovis é internado com Covid-19, informa jornalista

SAÚDE
13:28 | Ago. 05, 2021
Autor Redação O POVO
Foto do autor
Redação O POVO Autor
Ver perfil do autor
Tipo Noticia

O ator Eduardo Moscovis, 53 anos, foi internado com Covid-19. Ele está no Hospital CopaStar, no Rio de Janeiro, e, segundo o jornalista Ancelmo Gois, do jornal O Globo, o quadro de saúde evolui bem.

Participou de mais de uma dezena de novelas da Globo, desde Pedra sobre Pedra, passando por Kubanacan, Senhora do Destino, Alma Gêmea e um de seus papeis mais lembrados: o Petruchio de O Cravo e a Rosa. No SBT, fez As Pupilas do Senhor Reitor. Viveu também o Brandão na série "Bom dia, Verônica", da Netflix.

O nome de registro dele é Carlos Eduardo de Andrade.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Assembleia retoma atividades com homenagem aos mortos pela Covid-19 no Brasil

AL-CE
13:14 | Ago. 05, 2021
Autor Filipe Pereira
Foto do autor
Filipe Pereira Autor
Ver perfil do autor
Tipo Noticia

A Assembleia Legislativa do Ceará (AL-CE) iniciou nesta quarta-feira, 5, as atividades do segundo semestre letivo de 2021 após o recesso parlamentar. Antes do pronunciamento oficial, o presidente da Casa, Evandro Leitão (PDT), pediu um minuto de silêncio aos deputados para prestar homenagem as 560 mil pessoas mortas pela Covid-19 no Brasil. 

Após a chegada no coronavírus em março de 2020, os deputados enfrentam o quarto semestre legislativo consecutivo com o desafio de focar em ações voltadas ao combate do vírus e em projetos que amenizem as consequências socioeconômicas na vida da população cearense. O presidente aproveitou seu primeiro pronunciamento para sair em defesa das urnas eletrônicas e criticar os ataques do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), ao sistema eleitoral vigente e às instituições brasileiras.

Nas ações relativas a pandemia, Evandro Leitão fez ainda um retrospecto das ações do Pacto contra o Coronavírus, dos últimos 15 dias. A iniciativa da Casa conta com a parceria com outras 15 instituições públicas e privadas. Em quase duas semanas, o projeto promoveu visitas pelo interior do Ceará com o objetivo de reforçar o cadastro da vacinação e as informações sobre as medidas sanitárias contra a pandemia. 

Segundo o parlamentar, a partir de agosto, começa um segundo momento, quando devem ocorrer reuniões regionalizadas, de forma virtual, a fim de ouvir as demandas do setor produtivo de cada região. "O setor produtivo foi um dos mais impactados durante a pandemia, e o Estado já tomou alguma iniciativas no sentido de diminuir esse impacto, como a liberação de crédito para os micro e pequenos empreendedores, mas ainda há outras demandas, e precisamos ouvir cada região e suas especificidades”, disse em entrevista à rádio FM Assembleia. 

LEIA MAIS l Sob comando de Evandro Leitão, Assembleia fará debates nas 14 macrorregiões do Ceará

"Partimos em uma agenda para fortalecer a conscientização sobre a importância da vacina e dos cuidados sanitários. Queria aqui agradecer a todos os 18 parceiros e entidades que integram o pacto, em especial a Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL), a Associação dos Municípios do Estado do Ceará (Aprece) e o Instituto de Desenvolvimento do Trabalho (IDT), bem como o Ministério Público Federal e o Ministério Público, que estão desempenhando um grande serviço para a população cearense", disse o presidente. 

Segundo o pedetista, a comitiva reforçou as medidas preventivas contra o coronavírus e potencializou os cadastros para vacinas em 16 municípios. No total, o grupo passou por: Sobral, Tianguá, Viçosa do Ceará, Crateús, Tauá, Aracati, Morada Nova, Canindé, Baturité, Juazeiro do Norte, Barbalha, Crato, Camocim, Granja, Quixeramobim e Iguatu. 

Como início das atividades do Agosto Lilás, o deputado destacou ainda campanhas de enfrentamento à violência doméstica e familiar contra a mulher. "Não poderia deixar de citar a inauguração da nova estrutura da Procuradoria Especial da Mulher (PEM) que tem na frente a deputada Augusta Brito". Representantes de Câmaras Municipais e da Assembleia ampliaram as discussões sobre ações de proteção à mulher após o recente caso de agressão do DJ Ivis contra ex-mulher Pamella Holanda.

Na ocasião, Evandro também destacou que a prova do concurso público da AL, que recebeu 33 mil inscritos, será ministrada em 7 de novembro. Anunciado ainda em 2019, o concurso da AL prevê o preenchimento de 100 vagas, sendo 70 de nível superior e 30 de nível médio. 

O presidente também comentou sobre o projeto de lei de autoria da Mesa Diretora, e aprovado pela Casa, que autoriza a AL a adquirir e distribuir 10 mil cestas básicas por mês para a população cearense enquanto durar o decreto de calamidade pública do estado. A proposta surgiu a partir de uma campanha de arrecadação promovida em março deste ano, quando foram arrecadadas 33 toneladas de alimentos para distribuição para população em situação de vulnerabilidade.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

83% dos condados dos EUA registram transmissão alta ou substancial de coronavírus

INTERNACIONAL
13:13 | Ago. 05, 2021
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Os Estados Unidos registram transmissão "substancial ou alta" do coronavírus em ao menos 83% dos condados do país, segundo alertou nesta quinta-feira, durante coletiva de imprensa, a diretora do Centro de Controle de Doenças (CDC, na sigla em inglês), Rochelle Walensky. Segundo ela, o recrudescimento da pandemia de covid-19 na maior parte das subdivisões dos Estados americanos se dá pela acelerada propagação da variante delta do vírus.
Coordenador da resposta da Casa Branca à crise sanitária nos EUA, Jeffrey Zients também destacou o impacto da cepa no nível de infecções locais registradas recentemente, ressaltando que mais da metade dos casos de covid-19 no país nos últimos sete dias ocorreram nos sete Estados com as menores taxas de vacinação. Somente Flórida e Texas foram responsáveis por um terço das infecções, relatou Zients.
De acordo com Walensky, a média diária de casos da doença na última semana é de 89.463, número 43,3% maior que a média dos sete dias anteriores.
Já as hospitalizações subiram 41,1% na mesma base comparativa, a 7.348, e as mortes por covid-19 aumentaram 39,3% no período, a 381 por dia.
A única forma de frear esta tendência de alta, segundo Zients, é vacinando a população. Segundo ele, nas últimas 24 horas, 864 mil doses dos imunizantes foram aplicadas nos EUA, maior registro de doses aplicadas em um dia desde 1º de julho.
Ainda sobre vacinação, Anthony Fauci, infectologista e principal consultor médico da Casa Branca, disse que o governo norte-americano está trabalhando para aplicar doses de reforço em pessoas com sistemas imunológicos comprometidos.
Segundo Walensky, o CDC ainda está avaliando uma eventual decisão sobre as doses de reforço.
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Ministro defende transferência de tecnologias para produção de vacinas

Saúde
13:13 | Ago. 05, 2021
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O ministro das Relações Exteriores, Carlos França, defendeu hoje (5) a transferência de tecnologias a países em desenvolvimento, visando à fabricação local de vacinas. Segundo o ministro, a falta de acesso a vacinas contra a covid-19 representa risco para todos países.

Carlos França fez a afirmação, por meio de videoconferência, durante o Fórum Internacional sobre Cooperação em Vacinas contra Covid-19. “Os países menos desenvolvidos estão sofrendo com a falta de acesso às vacinas existentes, com consequências perigosas em todo o mundo”, disse o chanceler brasileiro, ao apontar como prioridade de sua pasta o comprometimento com o acesso “igualitário e acessível” a vacinas seguras, eficazes e de qualidade.

“Esta pandemia também mostrou que a promoção da produção local e os mecanismos de transferência de tecnologia são essenciais para fortalecer e garantir sistemas nacionais de saúde sustentáveis”, disse o ministro, ao afirmar que a escassez global de vacinas resulta de limitações na capacidade de fabricação e de gargalos na cadeia de abastecimento global.

O ministro reiterou que o Brasil tem trabalhado para consolidar uma estrutura internacional que incentive a produção e distribuição local de vacinas, insumos farmacêuticos ativos e outros produtos para a saúde. “Instamos todos os países a fazerem o seu melhor para facilitar a transferência de tecnologia para os países em desenvolvimento, que é de interesse estratégico para promover a saúde global”, completou França.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags