Participamos do

Torcidas do Fortaleza doam alimentos a famílias em vulnerabilidade econômica no Estado

Ao todo foram doadas cerca de 500 cestas básicas para famílias da Capital e do interior do Estado
21:27 | Mai. 23, 2020
Autor Alan Magno
Foto do autor
Alan Magno Estagiário de jornalismo
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

 

As torcidas organizadas do Fortaleza realizaram campanha para arrecadação de alimentos que serão doados para famílias em vulnerabilidade socioeconômica no Estado. Ao todo, foram arrecadados cerca de 500 cestas básicas, o equivalente a 10 toneladas de alimentos. A ação durou todo o mês de abril e terminou no dia 10 de maio.

A ação de solidariedade ocorre anualmente, mas foi intensificada em 2020 devido à realidade excepcional da pandemia do novo coronavírus. De acordo com o diretor social da Torcida Uniformizada do Fortaleza (TUF), Philipe Araújo, a ação foi idealizada pelo membro da diretoria da torcida, que entrou em contato com as outras torcidas organizadas que pudessem ajuda direta ou indiretamente com voluntários, doações ou divulgação da campanha.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

“Nós não queremos saber o time das pessoas nesse momento, só queremos ajudar”, pontuou Philipe. Ele destaca que as torcidas deixaram qualquer tipo de rivalidade de lado e se uniram na ideia de ajudar o próximo. Com a ação, as torcidas também esperam combater a imagem de violência à qual é associada algumas vezes. 

“É difícil explicar o que essa ação representa. Representa coisa, mas o principal é a humanidade”, destacou ao mencionar que um dos focos das torcidas era lembrar as pessoas da importância de fazer o bem, completou Philipe. Ao todo, cerca de 50 voluntários trabalharam diariamente reunindo os alimentos e organizando as cestas. Os recursos envolveram doações de terceiras pessoas, dos próprios torcedores e de alguns pequenos patrocinadores.

As famílias beneficiadas foram indicadas pelos próprios voluntários, de acordo com vivências em suas respectivas comunidades, dando prioridade para famílias com idosos e crianças. “Eu sou do Antônio Bezerra, conheço 12 famílias que estão no aperreio, precisando mesmo”, explicou Philipe. 


Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags