PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Atendimentos por sintomas gripais em postos de saúde de Fortaleza têm redução de 39%

A redução foi destacada pelo prefeito Roberto Cláudio como evidência da efetividade do isolamento social em Fortaleza. "Se isolar representa menos doenças, menos sofrimento, menos dor", pontuou

Alan Magno
00:17 | 23/05/2020
Técnica de enfermagem ouvida pelo O POVO notou redução de atendimento por sintomas gripais no posto Anastácio Magalhães, onde ela trabalha (Foto: AURELIO ALVES)
Técnica de enfermagem ouvida pelo O POVO notou redução de atendimento por sintomas gripais no posto Anastácio Magalhães, onde ela trabalha (Foto: AURELIO ALVES)

Em Fortaleza, a procura de pacientes pelos serviços das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e dos postos de saúde tem apresentado redução nos últimos dias. Dados divulgados pelo prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT), nesta sexta-feira, 22, apontam redução de cerca de 39% nos atendimentos realizados nos postos de saúde por sintomas gripais, parecidos aos da Covid-19.

A redução diz respeito aos dados recolhidos em 113 postos da Capital no comparativo entre o número de atendimentos no dia 21 e 18 de maio. Ontem, foram 1.284 atendimentos por sintomas gripais, podendo ser suspeitos de Covid-19, enquanto no dia 18 foram registrados 2.110 ocorrências do gênero. “É a primeira vez [desde o início da pandemia] que eu vejo uma redução assim”, destacou a técnica de enfermagem, Verônica Pereira, que trabalha no posto Anastácio Magalhães.

Com relação às semanas iniciais de enfrentamento ao coronavírus, Verônica relembra que “logo no começo foi muito difícil”, pois rapidamente a demanda superou a capacidade de atendimento dos postos de saúde e das UPAs, impossibilitando transferências. “Eram vários casos graves, pacientes muito debilitados, principalmente os idosos. Mas agora a demanda está bem menor”, completou. Ela disse que acredita que a tendência de redução é consequência do isolamento e torce para que ela possa se manter.

No que diz respeito a procura por atendimento nas UPAs, na semana entre os dias 11 e 15 de maio, houve uma procura de 3.147 pessoas por atendimento por sintomas gripais, enquanto na semana anterior, foram 8.714 atendimentos do gênero. Quanto aos atendimentos gerais, na primeira semana de maio foram 19.886, já na segunda, 8.516.

A redução foi destacada pelo prefeito em pronunciamento pelas redes sociais como evidência da efetividade do isolamento. “Se isolar representa menos doenças, menos sofrimento, menos dor”, disse. Roberto Cláudio pontuou que os números ainda não representam uma estabilização da curva de contaminação por coronavírus na Capital, mas que expressam a possibilidade real de superação da pandemia, caso as devidas medidas de isolamento continuem sendo cumpridas.

A afirmação do prefeito entra em concordância com o posicionamento do Secretário de Saúde do Ceará, Dr. Cabeto. Em coletiva de imprensa nesta manhã, ele apontou a redução dos atendimentos de emergência na rede pública e privada do Estado. Apesar da redução, a realidade ainda deve ser de alerta devido à gravidade da doença, ponderou.

A tendência também complementa as evidências indicadas pelo boletim epidemiológico semanal da Secretaria Municipal de Saúde de Fortaleza (SMS), divulgados nesta sexta-feira, 22. O documento aponta uma "discreta desaceleração" do crescimento de casos de coronavírus na Capital e afirma ainda que o número de óbitos também apresenta tendência de estabilidade, mas destaca que este ainda está em um nível elevado”. 

Acesse a cobertura completa do Coronavírus >