Participamos do

Pesquisadores analisam o impacto da Covid-19 na vida dos brasileiros; participe

Objetivo é oferecer subsídios para gestores brasileiros desenvolverem planos de combate ao coronavírus mais eficazes
09:54 | Mai. 22, 2020
Autor Catalina Leite
Foto do autor
Catalina Leite Repórter do OP+
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Além de compreender como o novo coronavírus funciona e descobrir como combatê-lo, também é essencial entender a maneira que a sociedade está reagindo a ele. Quais tipos de sensações a palavra coronavírus desperta? Como a quarentena tem afetado a saúde mental e hábitos de compras das pessoas? Essas são apenas algumas das perguntas que uma pesquisa coordenada pela Universidade de Fortaleza (Unifor) planeja responder.


De acordo com a coordenadora do estudo, Cynthia Melo, orientadora do Laboratório de Estudos e Práticas em Psicologia e Saúde (LEPP-Saúde), os resultados são essenciais para que gestores desenvolvam estratégias de ação mais eficazes. Para isso, a equipe desenvolveu um formulário online a ser respondido nacionalmente. O tempo médio de preenchimento é de 15 minutos.


No formulário, o respondente encontrará questionamentos sobre: a representação social da população em relação ao coronavírus, o isolamento social e a economia; como as pessoas estão percebendo o tempo domiciliar; fatores que levam as pessoas aderirem às orientações de controle da pandemia; como a situação de pandemia está relacionada à saúde mental; o comportamento de consumo da população e a relação pessoa-ambiente dentro das casas no período de isolamento.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine


LEIA TAMBÉM | Opinião: 4 dicas para manter a saúde mental durante a quarentena

Saúde mental em tempos de pandemia e isolamento

Mas como analisar a percepção da sociedade sobre esses aspectos pode ajudar em estratégias de combate ao Sars-Cov-2? Para explicar, Cyntia exemplifica com a experiência chinesa. A comunidade científica do país asiático percebeu que um dos fatores que levavam os cidadãos a cumprir as orientações de controle da pandemia era o altruísmo. A partir daí, as campanhas de prevenção começaram a se utilizar do comportamento de preocupação com o outro para estimular a adesão à quarentena.


“A importância do altruísmo como uma variável que determina estratégias de ação foi detectada por meio de estudos científicos. E aí a gente começa a pensar: que outras variáveis estão relacionadas a isso?”, comenta Cyntia. Algumas das análises já devem ser publicadas na próxima semana, mas o formulário continuará aberto para a adesão de mais brasileiros.

No mínimo, serão seis estudos científicos que não só guiarão gestores nacionais, mas também irão incrementar bases de dados internacionais. O estudo conta com a participação dos professores doutores da Unifor Clerton Martins, Karla Patrícia M. Ferreira e Ana Almeida. O projeto tem a colaboração dos professores doutores Fernanda Hildebrandt, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Ana Lucia Ivatiuk, da FAE Centro Universitário, e Samuel Lins, da Universidade do Porto, em Portugal. Alunos do Programa de Pós-Graduação de Psicologia e de iniciação científica também estão envolvidos.




Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags