Participamos do

Mais de 500 casos de efeitos colaterais relacionados a tratamentos de coronavírus

Na lista feita pela Agência Francesa de Segurança Sanitária dos Produtos de Saúde constam problemas cardíacos e neuropsiquiátricos atribuídos ao uso da hidroxicloroquina
16:53 | Mai. 15, 2020
Autor AFP
Tipo Notícia

O número de avisos de efeitos colaterais de certas formas de tratamento relacionadas ao novo coronavírus supera 500, segundo a Agência Francesa de Segurança Sanitária dos Produtos de Saúde (ANSM), incluindo problemas cardíacos atribuídos à hidroxicloroquina.

Segundo a agência, sua equivalente na Espanha, a Aemps, deu conta de seis casos de problemas neuropsiquiátricos em pacientes que usaram hidroxicloroquina, entre eles três suicídios e uma tentativa de suicídio.

Os problemas neuropsiquiátricos apareceram principalmente nos primeiros dias de tratamento, com doses elevadas, inclusive em pacientes sem antecedentes psiquiátricos.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

LEIA TAMBÉM | Estudos atestam ineficácia de hidroxicloroquina contra o coronavírus

A ANSM assinala que já se conhecia o risco de problemas psiquiátricos provocados pela hidroxicloroquina e cloroquina, que poderiam se agravar no contexto da pandemia e do confinamento. Neste sentido, há uma avaliação em andamento em nível europeu.

A ANSM indica que "o número de casos de efeitos cardíacos indesejáveis em tratamentos com hidroxicloroquina administrada sozinha ou associada a outros remédios teve um aumento menos importante do que nas semanas anteriores".

A hidroxicloroquina, um derivado da cloroquina, remédio contra a malária, é conhecida por provocar em alguns pacientes anomalias elétricas do funcionamento cardíaco, visíveis por meio de eletrocardiograma, que podem provocar arritmia e até a morte.

LEIA TAMBÉM | Bolsonaro garante mudar o protocolo de uso da hidroxicloroquina para tratamento de coronavírus ainda nesta sexta, 15

"Parece que os pacientes com Covid-19 são mais frágeis em nível cardiovascular e, em consequência, mais suscetíveis do que outras pessoas de apresentar problemas com remédios que são nocivos ao coração", como a hidroxicloroquina, explicou em abril à AFP o diretor-geral da ANSM, Dominique Martin.

Levando em conta esta risco, a agência sanitária francesa lembrou que, se estes medicamentos forem usados contra a Covid-19, isto tem que acontecer dentro dos testes clínicos em andamento.


Acesse a cobertura completa do Coronavírus >

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags