PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Prefeitura lança campanha virtual para combater a violência sexual contra crianças e adolescentes na quarentena

Período de confinamento pode aumentar crimes e torná-los "mais invisíveis"

22:31 | 11/05/2020

Em referência ao Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, que ocorre na próxima segunda-feira, 18, a Prefeitura de Fortaleza realiza uma campanha “virtual” de alerta e prevenção de crimes dessa natureza, durante todo este mês de maio. Por meio da Fundação da Criança e da Família Cidadã (Funci), o programa Rede Aquarela lança o 18 de Maio Laranja, com uma série de alertas sobre a “vulnerabilidade sexual” infantojuvenil, principalmente no período da quarentena imposto pela pandemia do novo coronavírus.

De acordo com informações da assessoria da Funci, a necessidade de confinamento com terceiros fez com que a rotina de crianças e adolescentes mudasse, o que pode favorecer para um “aumento nos casos de violência infantojuvenil”. A impossibilidade de locomoção estabelecida pelo isolamento, ainda segundo órgão, inviabiliza o atendimento presencial das vítimas e dificulta o acompanhamento dos profissionais.

Segundo a coordenadora do programa Rede Aquarela, Kelly Meneses, a maioria dos agressores é “membro da própria família” da vítima, o que faz com que esses crimes possam ficar ainda mais “invisíveis” durante o período de confinamento, pois as marcas deixadas por esse tipo de violência são normalmente percebidas durante o convívio da vítima com pessoas em outros ambientes, como o escolar. Lugares que permanecem com atividades suspensas devido ao combate do vírus.

Como alternativa a essa realidade, a Rede Aquarela busca por meio da campanha lançar uma série de informes, alertando quanto a esses tipos de crimes e prevenindo crianças e adolescentes em situações vulneráveis. As imagens são divulgadas nas redes sociais do programa e de outras instituições de apoio ou vinculadas a ela, contendo informações sobre, entre outros, o que configura abuso e exploração sexual. Além de também orientar sobre a violência sexual na internet e os meios de denúncia para todos esses tipos de crimes.

De acordo com a coordenadora, os informes possibilitam que profissionais de todas as áreas possam replicar o conteúdo para o seu público de forma virtual. “A informação precisa chegar até a criança e ao adolescente que, nesse momento, não tem contato direto com profissionais de saúde, educação e outros que poderiam identificar os sinais de uma suposta violência sexual e tomar as providências necessárias”, afirma a coordenadora.

Adaptação das ações

O programa Rede Aquarela realiza a campanha 18 de Maio desde 2005, por meio de ações socioeducativas como blitzes nos terminais, nas rodoviárias e nos cruzamentos, assim como oficinas e palestras em Escolas e Organizações Não Governamentais (ONGs). Por causa da pandemia do novo coronavírus, no entanto, o projeto teve a maioria das ações adotadas para ocorrer apenas virtualmente.

De acordo com a assessoria da Funci, além da função preventiva, o programa atua com a equipe de atendimento psicossocial prestando suporte por telefone para as “vítimas e responsáveis engajadas no programa atualmente”, realizando atendimentos por videochamada. Apenas as equipes de psicólogos e demais profissionais da área que atendem na Delegacia de Combate a Exploração da Criança e do Adolescente (DCECA) seguem atuando de forma física. O atendimento, no entanto, é apenas para casos de urgência.

Saiba como fazer para denunciar:

DCECA

Funcionamento: Segunda a sexta das 8h às 18 horas

Contatos: (85) 34339568 / (85) 31012044

Plantão do Conselho Tutelar

Funcionamento: 24 horas

Contatos: (85) 989705479/ (85) 32381828

Disque 100

Funciona 24 horas