PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Fiocruz inicia estudo que verifica presença do novo coronavírus em esgotos sanitários no RJ

A partir dos resultados da pesquisa, a prefeitura de Niterói poderá focar ações de prevenção e combate à Covid-19 nas comunidades mais afetadas

Catalina Leite
11:57 | 29/04/2020
A Fundação Oswaldo Cruz conta com 50 laboratórios de referência e departamentos articulados em redes internacionais para a solução de problemas de saúde pública (Foto: Divulgação/Fiocruz)
A Fundação Oswaldo Cruz conta com 50 laboratórios de referência e departamentos articulados em redes internacionais para a solução de problemas de saúde pública (Foto: Divulgação/Fiocruz)

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) iniciou estudo que verifica a presença de material genético do Sars-Cov-2 em esgotos sanitários da cidade de Niterói, no Rio de Janeiro. Pelos resultados da pesquisa, a prefeitura poderá focar ações de combate à Covid-19 nas comunidades mais contaminadas.


Como evidências científicas recentes mostram que o novo coronavírus é excretado em fezes, o projeto utiliza a análise de amostras de esgotos como um instrumento de vigilância. Assim, é possível identificar as regiões com presença de casos da doença, mesmo que ainda não notificados no sistema de saúde ou com muitos casos assintomáticos.


As primeiras coletas de amostras de esgoto bruto foram realizadas no dia 15 de abril, em 12 pontos georreferenciados e estrategicamente distribuídos pela cidade de Niterói. A previsão é de que, na primeira etapa do projeto, o monitoramento seja realizado durante quatro semanas.


A Fiocruz ressalta que pesquisas do tipo só são viáveis em municípios em que uma parcela significativa da população é atendida por uma rede coletora de esgotos. Em Niterói, por exemplo, a cobertura de saneamento básico é de 95%.


Por outro lado, a pesquisadora Marize Pereira Miagostovich, responsável pela pesquisa, reforça que ainda não existem evidências científicas sobre a possibilidade de transmissão do Sars-Cov-2 pelas fezes. O que é identificado nas amostras de esgoto é a presença de material genético do vírus, o que não significa que ele será transmitido. Até o momento, sabe-se que o modo de transmissão do novo coronavírus é por gotículas respiratórias geradas pela tosse ou espirros.


Marize também é chefe do Laboratório de Virologia Comparada e Ambiental do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), que lidera a pesquisa com colaboração do Laboratório de Vírus Respiratórios e do Sarampo, também do IOC/Fiocruz. O planejamento e realização das coletas do estudo é feito pelo Departamento de Saneamento e Saúde Ambiental da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca (Ensp/Fiocruz), em colaboração com a concessionária Águas de Niterói, que opera os serviços de abastecimento de água, coleta e tratamento de esgotos da cidade.


Com informações da Fiocruz.