PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Reino Unido anuncia teste de vacina para Covid-19 em humanos a partir de quinta-feira, 23

Até o momento, não há estudos suficientes que comprovem a eficácia de um remédio ou vacina contra a Covid-19. O Brasil está fazendo testes em pacientes com o medicamento nitazoxadina, que em ensaios laboratoriais reduziu a carga viral em 94%

10:22 | 22/04/2020
Pesquisas têm buscado tratamentos para a Covid-19 (Foto: Bernardo Portella/Fiocruz/Divulgação)
Pesquisas têm buscado tratamentos para a Covid-19 (Foto: Bernardo Portella/Fiocruz/Divulgação)

O ministro da Saúde do Reino Unido, Matt Hancock, anunciou nesta terça-feira, 21, que a Universidade de Oxford, na Inglaterra, vai iniciar testes de uma vacina para o novo coronavírus a partir de quinta-feira, 23. As informações são da CNN.

"Em tempos normais, atingir este estágio demoraria anos", disse Hancock, que anunciou um investimento de 20 milhões de libras (cerca de R$ 130 milhões) para testes clínicos na universidade.

De acordo com a universidade americana Johns Hopkins, que coleta dados sobre a pandemia em todo o mundo, o novo coronavírus já deixou mais de 175 mil mortos no planeta.

Leia também | Alemanha iniciará testes clínicos de vacina contra coronavírus

França e Holanda retomam aulas dia 11, com restrições

Espanha registra 435 mortes por coronavírus em 24h, segundo dia de leve alta

Até o momento, não há estudos suficientes que comprovem a eficácia de um remédio ou vacina contra a Covid-19. O Brasil está fazendo testes em pacientes com o medicamento nitazoxadina, que em ensaios laboratoriais reduziu a carga viral em 94%.

O anúncio dos testes com a vacina veio no mesmo dia da notícia de que o verdadeiro número de mortes pelo novo coronavírus na Inglaterra e no País de Gales até o dia 10 de abril foi 41% mais alto do que o informado diariamente pelo governo do Reino Unido, segundo dados do Escritório de Estatísticas Nacionais (ONS, na sigla em inglês).

Segundo Hancock, este número "não é uma representação precisa" dos dados. O ministro disse que os dados do ONS são "medidos de forma diferente" dos hospitais.